• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saúde I Estilo »

Beleza na maturidade

Dicas, segredos e cuidados diários de algumas mulheres mineiras que mantêm a forma depois de passar dos 50 anos

Daniele Hostalácio - Redação Beth Diniz - Redação Publicação:03/06/2013 14:20Atualização:03/06/2013 15:14

'Um corpo saudável traz tranquilidade e longevidade. Mas para isso é preciso ter hábitos saudáveis, alimentação equilibrada e prática regular de atividade física', explica o educador físico Daniel César Teixeira (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)
"Um corpo saudável traz tranquilidade e longevidade. Mas para isso é preciso ter hábitos saudáveis, alimentação equilibrada e prática regular de atividade física", explica o educador físico Daniel César Teixeira
 

Quem acompanha pela TV a atriz norte-americana Sharon Stone, 52 anos, atravessar o tapete vermelho em direção à festa do Oscar, a cada ano, sempre estonteante, atraindo todos os holofotes e abafando muitas beldades na faixa dos 20 anos, não tem dúvidas: a meia-idade já não é mais a mesma. Uma maior conscientização sobre hábitos saudáveis e uma série de recursos disponibilizados pela indústria da beleza estenderam os limites da batalha contra o envelhecimento para muito além do que se poderia imaginar, há algumas décadas. O resultado é este: inúmeras mulheres chegam, hoje, ao limiar dos 50 e ultrapassam fácil essa idade mostrando que para elas o tempo tem sido mais que generoso: elas adentram a maturidade tão ou mais em forma que muitas balzaquianas e continuam sendo referência em padrão de beleza.


Essas novas mulheres maduras pertencem a uma geração que está tendo, pela primeira vez, a oportunidade de adotar cuidados com o corpo não em busca, apenas, de qualidade de vida, mas também de resultados estéticos. A procura é pelo prolongamento da aparência jovem, já que manter a juventude é um desejo quase intrínseco ao ser humano, pois diz respeito à fase da vida que encara o grande propósito da existência biológica: perpetuar-se. Atrelado a isso, surge o anseio de manter-se bela, algo especialmente caro às mulheres, na sociedade ocidental, onde há uma hiper valorização da imagem feminina.


Além de espelhar uma sociedade de consumo, no qual a indústria da beleza é um importante agente, outros aspectos estão em jogo nesse movimento. Em certa medida, ele reflete o processo de emancipação feminina. “Hoje, percebo que aquela bolha da juventude eterna, da imagem a qualquer custo, já estourou. As mulheres ganharam independência, conquistaram muitos espaços e, agora, se permitem não pensar apenas nos filhos e no marido. Elas querem se cuidar para agradar a elas mesmas; querem olhar no espelho e se sentirem bem”, observa Renata Corrêa, fisioterapeuta dermato-funcional e diretora da Clínica Dr Shape.


Mas, é preciso que se diga, o tempo de vida que aparentamos tem forte relação com a biografia de cada um – o tanto que o indivíduo se cuidou, ao longo do tempo: se cedeu ou não ao sedentarismo; se foi fumante e consumidor frequente de álcool; que doenças o vitimaram; quanto se expôs ao sol, sem a devida proteção; e sua relação com a comida. Isso porque, a não ser em casos de excepcional genética favorável, manter-se jovem e conservar-se bonita ao longo dos anos é algo que está associado a uma série de hábitos que, quanto mais cedo colocados em prática, melhor. É uma equação entre qualidade de vida e uma boa saúde. “Um corpo saudável traz tranquilidade e longevidade. Mas para isso é preciso ter hábitos saudáveis, alimentação equilibrada, prática regular de atividade física, visitas periódicas ao médico, boa higiene, descanso, além de se afastar do fumo, do estresse, do álcool e das drogas”, enumera o educador físico Daniel César Teixeira.


A atividade física é considerada desencadeadora de um verdadeiro círculo virtuoso: melhora o sono, a qualidade da pele, evita depressão, combate a obesidade, controle o nível de colesterol e da pressão arterial, mantém o corpo flexível e melhora a energia para a realização de atividades do dia a dia, além de evitar o isolamento. “A partir de certa idade entramos numa fase de perdas fisiológicas. Perdemos aos poucos a massa muscular e a densidade óssea. Com a diminuição da massa muscular, o corpo, agora mais inativo e com gasto calórico basal reduzido, tem mais condições de preencher braços, tronco, quadril, coxas e penas de gordura”, explica Teixeira. “Para diminuir a perda fisiológica da musculatura, os exercícios de força, como a musculação, são os mais indicados, mas para diminuir a flacidez é preciso também uma dieta reduzida de carboidratos e gorduras”, acrescenta.


A pele, fronteira entre o corpo interior e o mundo, é onde os sinais do tempo se mostram mais presentes. O envelhecimento desse órgão, explica Luciana Soares, dermatologista especialista em anti-aging (anti-envelhecimento), ocorre basicamente através de dois mecanismos: fatores intrínsecos – inerentes ao próprio organismo, como genética e níveis hormonais – e fatores extrínsecos – relacionados ao ambiente, como radiação solar, alimentação, hábitos de vida, estresse, fumo, entre outros. “Os fatores genéticos são responsáveis por cerca de 50% do envelhecimento. Peles claras, por exemplo, envelhecem mais rápido. Há famílias que têm uma tendência para o envelhecimento mais precoce. Isso não temos como mudar”, pontua. No entanto, a medicina pode e deve, lembra Luciana, analisar os níveis hormonais, um dos fatores intrínsecos mais importantes para o envelhecimento.


Entre os fatores ligados ao meio ambiente, o sol é um dos principais desencadeadores da perda de jovialidade da pele. “O sol danifica o nosso DNA, ativa enzimas que degradam o colágeno (que é a proteína que dá sustentação e firmeza à pele) e é o maior gerador de radicais livres”, explica a dermatologista. Os famigerados radicais livres são moléculas resultantes de reações químicas das células – são como ‘lixo’ celular: prejudicam a renovação das células e diminuem a formação de fibras elásticas e de colágeno. “Por isso, peles expostas ao sol sem proteção mancham e ficam mais flácidas e enrugadas precocemente”, completa. O cigarro e o estresse também aumentam os radicais livres. “O fumo tem, ainda, o efeito negativo de diminuir a oxigenação da pele, e o estresse, de aumentar substâncias inflamatórias no organismo”, explica.


Um conceito que se dissemina cada vez mais é o de que a nossa aparência está intimamente ligada ao que ingerimos. “Atualmente, é consenso na comunidade médica mundial que devemos prevenir e tratar o envelhecimento por dentro e por fora. Não basta cuidarmos da ‘embalagem’, ou seja, apenas da parte estética; devemos atuar internamente no organismo”, indica a dermatologista Luciana. Nessa linha, surge a importância da alimentação como fator indireto de jovialidade. “Existem alimentos que podem ajudar a combater os radicais livres, por exemplo. São aqueles que têm alta quantidade de antioxidantes. Por outro lado, há os que precisam ser evitados, por apresentarem o efeito inverso, como as gorduras e as frituras”, observa Stefânia Valente da Silva, nutricionista da Herbarium.


A nutricionista explica que a partir dos 25 anos de idade a nossa pele passa a produzir menos colágeno e os sinais decorrentes do abuso na exposição ao sol começam a aparecer – com o passar dos anos, a perda dessa substância só se intensifica. “Mas há alimentos que são fontes de colágeno, como a gelatina. Hoje em dia, encontram-se também disponíveis, no mercado, suplementos de colágeno. Essa reposição é importante para a nossa aparência, pois é exatamente a perda de colágeno que traz a flacidez e as rugas no rosto, a fraqueza e a falta de brilho dos cabelos e das unhas”, completa.


Especialista em geriatria e gerontologia, o médico Eduardo Pinho Tavares, diretor da Clinlife Centro de Medicina Integrada Life Reveal, também aposta nos alimentos funcionais como um dos pilares para que se envelhecer bem. Mas, o importante, observa o médico, é que a busca de qualidade de vida norteie o caminho do envelhecimento, e que a beleza venha apenas como uma consequencia disso. “Trabalho dentro do conceito de life reveal, por meio do qual as pessoas fazem uma reavaliação da vida e aprendem hábitos saudáveis”, conta. Como existem vários fatores que aceleram o envelhecimento, Eduardo Tavares acredita que uma abordagem desse processo inerente à vida precisa ser multidisciplinar. Além da alimentação e da atividade física regular, ele propõe a prática ortomolecular, que busca reequilibrar os minerais dentro das células, e avisa que uma nova vertente está surgindo, com potenciais grandes ganhos para as mulheres, que é a modulação hormonal.


Para além dos hábitos de vida, há, ainda, como complemento – e é sobretudo neste ponto que as novas gerações tendem a mais se beneficiar –, os avanços da indústria da beleza, que oferecem procedimentos mais ou menos invasivos para combater as marcas do tempo: cremes contra rugas e manchas no rosto, no colo e nas mãos; pellings químicos e laser para amenizar ou eliminar imperfeições da pele; botox e preenchimentos, para mascarar rugas e disfarçar sulcos no rosto; drenagens linfáticas, que combatem a flacidez; e liftings (cirurgias plásticas), entre outros. Uma lista que não para de crescer, já que, a cada dia, novas tecnologias surgem com foco na estética. “Temos aqui na clínica o aparelho New Shape, que gera calor no tecido subcutâneo e, com isso, produz novas fibras de colágeno. O método é indolor, sem contra-indicativos e efeitos colaterais, e tem oferecido resultados excelentes para flacidez do rosto e do pescoço”, exemplifica a diretora da clinica Dr Shape.


Obviamente, os recursos à disposição têm seus limites e as marcas do tempo chegam para todas. Mas, um olhar cuidadoso sobre aquelas que atingem a meia-idade em plena forma revela que manter a beleza pela vida afora é algo que depende, em certa medida, da herança genética, mas, sobretudo, de persistência: prática de atividade física regular e alimentação saudável estão na base do processo. Podendo acrescentar a isso aos recursos da indústria de cosméticos, tanto melhor. No mais, salões de beleza para disfarçar fios brancos, garantir cortes frequentes e – voilá –, eis que mulheres maduras permanecem jovens e conservam o padrão de beleza em voga com o passar dos anos. “O mais importante é nos conscientizarmos de que o envelhecimento é um processo natural e inevitável, mas que podemos envelhecer bem e o mais lentamente possível. Cuidar do corpo e cultivar a beleza não é sinal de futilidade, mas de respeito consigo mesmo e algo que aumenta nossa auto-estima”, conclui Luciana.

Mergulhada em um ambiente de luxo e de beleza, impregnado de forte apelo estético, a empresária do setor joalheiro e designer de joias, Terezinha Géo Rodrigues, tem no mínimo um bom pretexto para cuidar da própria imagem. “Ter o cabelo bem cortado, as mãos bem cuidadas, a pele do rosto sem manchas, para realçar as joias, e estar sempre elegante fazem parte da minha rotina de trabalho”, explica. A obrigação de se cuidar mistura-se ao prazer de se sentir bela, aos 55 anos de idade. “A gente se preocupa com o passar do tempo quando olha para trás e vê que não realizou nada, que não colheu frutos. Mas eu construí uma família maravilhosa”, observa. Na rotina, ela mantém hábitos que, além de darem a ela uma invejável estampa, proporcionam bem-estar e saúde. Está sempre praticando alguma atividade física – no momento, o pilates; a pele recebe um tratamento especial uma vez por semana, pelas mãos de uma profissional – protetor solar e cremes, todos os dias, são lei; e a alimentação segue, com persistência, uma dieta equilibrada. “Sempre me preocupei em estar bem para mim e para o meu marido”, conta. Para além de todos os cuidados, no entanto, a empresária está certa de que a harmonia que tem dentro da família é a base do seu equilíbrio físico. “Certamente, o mais importante é a estrutura familiar que tenho, que me fortalece e me dá tranquilidade”, resume.

Ângela Gutierrez

 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)

A empresária Ângela Gutierrez não tem dúvidas de que a fórmula para envelhecer bem é “amar a vida e as pessoas”. A fé é outro traço marcante em sua personalidade. “Todos os dias, quando abro os olhos, agradeço a Deus por estar viva e ter saúde. E o trabalho é essencial para que você se sinta bem e se prepare para a velhice, que chega inexoravelmente. E é importante ter uma atividade mental de que você goste”, acredita. Ângela se diz um anti-exemplo do que se pode chamar de mulher vaidosa. Mas, uma conversa revela que ela também tem os seus rituais de beleza: há sete anos pratica o pilates, três vezes por semana; no rosto, faz questão de usar bons cremes hidratantes – “tudo sem muita complicação” – e manter a pele sempre muito limpa; no cabelo, “sempre um bom corte e hidratação semanal, devido às luzes que ressecam os fios, e uma boa escova”; para arrematar, manicure uma vez por semana. No quesito alimentação, a busca da saúde e do deleite se misturam. “De segunda a quinta como carnes magras, muita salada e água. De sexta a domingo, chuto o balaio e a tampa do balaio: e deixo rolar. Sou butequeira e adoro uma cachaça”, conta, confessando que anota meticulosamente receitas que ouve por aí, de beleza e alimentação, sem nunca se lembrar de praticá-las. No entanto, aos 59 anos, está em invejável forma, numa mostra de que leveza é um belo antídoto contra as marcas do tempo.

 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)
Ana Catarina Xavier Costa


Quando o assunto é corrida pela juventude e busca da beleza, Ana Catarina Xavier Costa, esposa do ministro Hélio Costa, é low profile. “Isso não tem tanta importância para mim”, avisa. Sua biografia, no entanto, sempre foi marcada pelo cultivo de hábitos de vida saudáveis e por isso hoje, sem muito investimento financeiro e emocional, ela ostenta um corpo bem cuidado e harmônico, aos 51 anos de idade, e convive em paz com o processo do envelhecimento. “O esporte sempre fez parte da minha vida, desde criança”, conta. Isso a manteve longe do sedentarismo, ao longo dos anos, e a aproximou, cada vez mais, de uma alimentação saudável. “Já fui a vários nutricionistas, já participei dos vigilantes do peso; há anos cuido da minha alimentação”. Hoje, ela integra a equipe máster de vôlei do Minas Tênis Clube e chega a participa de disputas, com admirável disposição. No rosto, usa alguns cremes e nada de processos invasivos. “Já fiz tratamento para manchas, às vezes faço alguma limpeza de pele, mas nunca usei botox; mas, se um dia as rugas começarem a me incomodar, talvez experimente”, avalia. “Por causa do esporte, estou sempre fazendo acompanhamento com personnal trainer. Sempre pratico alguma atividade física: faço musculação, corro no Belvedere, ando de bicicleta ou nado. Isso me dá muito prazer”. Além de ser bom para o corpo, o esporte também faz bem para a alma de Ana Catarina. “Nele canalizo as minhas energias e com isso consigo me desligar dos meus problemas”.

Ione Silva
 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)

É provável que a genética tenha sua parcela de participação na boa estampa ostentada pela empresária Ione Silva, proprietária da loja de bolsas e malas importadas Anttonione, do Diamond Mall. Aos 50 anos, ele consegue harmonia entre a chegada do amadurecimento e a jovialidade recorrendo a um tripé básico de cuidados, sem muitas neuras: controle da alimentação, atividade física (musculação e aeróbica três vezes por semana) e, na pele, protetor solar, durante o dia, e ácido retinóico, à noite. “Nos cuidados com a minha pele, sigo apenas o que meu dermatologista, no qual vou duas vezes por ano, recomenda. Já fiz botox, mas, como não quero ser cobaia, não saio correndo atrás de novidades; tenho receio das consequências para a saúde e de resultados pouco naturais, e tenho consciência de que há um limite de resultados”, revela. Fora isso, ela recorre apenas aos truques simples e inofensivos para dar uma turbinada no visual – corte de cabelo a cada dois meses e as indefectíveis escovas e tinturas rotineiramente. “Cuido-me em respeito ao meu corpo e para me apresentar bem, em respeito aos outros; nem tanto por vaidade”, diz. Um hábito que ela considera importante, e que cultiva há anos, é o de ingerir muita água ao longo do dia. “Sei, hoje, que a beleza vem de dentro pra fora, no sentido de que está muito relacionada ao que ingerimos. Por isso, tenho hoje muita consciência sobre a importância de uma alimentação saudável. Mas não de privo de nada; como de tudo – e bem. Lido com a alimentação de uma maneira muito leve; só não exagero”, revela. “Ser saudável é o mais importante”.

Ana Maria Fulgêncio
 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)

Poucas pessoas são tão transparentes ao revelarem o quão são vaidosas como a proprietária da agência de turismo Green Tours, a empresária Ana Maria Fulgêncio. “Sempre busquei cuidados para a pele, o cabelo e o corpo. Minha mãe não era vaidosa, mas queria que eu fosse e, por isso, sempre me estimulou a me cuidar”, conta. Quando percebeu os primeiros sinais de perda de viço da pele, Ana Maria buscou ajuda fora do país. “Tive um dermatologista em Miami, durante dez anos; era um médico de vanguarda, pioneiro em pelling”, lembra. A corrida contra as marcas do tempo começou assim, com cremes e pellings, até que ela resolveu fazer uma cirurgia de pálpebra, aos 51 anos. Criou coragem e, dois anos depois, fez um lifting; mais três anos se passaram e foi a vez de uma lipoescultura. Hoje, aos 59 anos, além de cremes, massagens, drenagem linfática, limpezas de pele, botox duas vezes por ano e pilates, ela segue com persistência uma alimentação light, onde predominam as saladas. “Eu tenho muita jovialidade e quero expressar isso por meio do meu corpo. Isso até me ajuda na minha vida profissional, porque lido com jovens; esse é meu mundo”, explica. Mas, a empresária faz questão de deixar claro, manter-se com aparência jovem e bela não é a coisa mais importante para ela. “Não sou a favor da beleza pela beleza, da futilidade. A beleza precisa estar associada ao conhecimento. O conhecimento, sim, está em primeiro lugar, e é algo que o tempo e ninguém nos tira”.

Eliana Motta

 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)

“Para mim, como para toda mulher, envelhecer é difícil. Mas só não envelhece quem morre jovem. Então, o envelhecimento vai acontecer e é melhor que seja assim”, avalia a empresária Eliana Motta, proprietária da confecção de roupas infantis Bué. Eliana conta que teve várias crises, às vésperas de completar idades redondas. “A primeira foi quando estava para fazer 30 anos – hoje vejo que era uma menina; depois aconteceu o mesmo aos 40 e aos 50. E agora, aos 60 anos, foi pior que das outras vezes. Para mim, fazer 60 anos foi definitivamente entrar na Terceira Idade”, revela. Apesar do impacto da idade, Eliana conta que sua cabeça permanece em outra fase da vida. “Tenho um espírito jovem; por isso, acho que a idade está muito mais ligada à nossa cabeça, até porque, hoje, a mulher tem vários artifícios para disfarçar quantos anos tem”, observa. Os recursos de que a empresária lança mão são hábitos que vem cultivando ao longo da vida. “Sempre me cuidei muito. Atualmente, faço ginástica localizada, pilates, caminhada. À noite, só como saladas. Na pele, uso protetor solar fator 60 e cremes anti-aging, todos os dias”, diz. Eliana segue a rotina de cuidados com total obstinação. “Sou muito determinada e obediente: o que sei que faz bem pra mim, não cedo”. Mas, há uma outra carta na manga que, reconhece a empresária, talvez seja a mais poderosa. “O meu humor, a minha alegria. Sou uma pessoa muito otimista: faço de um limão uma limonada. E amo o meu trabalho, que me traz muita realização. Acho que isso também se externa na minha aparência”, conclui.

Olguinha Lambertucci
 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)

A exemplo de outras mulheres de sua geração, a empresária Olguinha Lambertucci reconhece na realização profissional uma de suas fontes de juventude. “Trabalho no que gosto e vivo cercada de pessoas queridas. Com tudo e com todos me relaciono com prazer e alegria. Isso faz a maior diferença”, acredita. Atenta aos impactos que o tempo traz para qualquer pobre mortal, a proprietária da Roda D’Água decidiu incluir em sua rotina momentos de total dedicação ao corpo. “Comecei fazendo caminhadas e hoje corro todas as manhãs. Além disso, faço massagem e ginástica (fly cords) duas vezes por semana e também pilates. Adoro os exercícios mais pesados que trabalham dois ou três grupos musculares ao mesmo tempo”, conta. Aos 47 anos, ela está no caminho certo, já que a importância da atividade física é uma unanimidade entre as mais díspares correntes da medicina, que em uníssono propagam os reflexos positivos da prática, em qualquer fase da vida. A isso, Olguinha alia outros hábitos considerados fundamentais para um envelhecimento mais lento e sadio: “Não fumo, cultivo o hábito de dormir cedo e só bebo socialmente”, conta. Entre os cuidados que adotou, com vistas à aparência física, estão, também, hidratação semanal do rosto, do corpo e dos cabelos, que são alvo periódico de tesouradas “para manter o corte bonito”.


Adriana Vasconcelos
 (Cláudio Cunha/ Encontro/ DA Press)

Exemplo indiscutível de uma geração de mulheres que chegaram à idade madura em plena forma, a empresária Adriana Vasconcellos, proprietária da Abat-Jour de Arte, mantém-se, aos 48 anos, como padrão de referência em beleza. Mas, faz questão de deixar bem claro, conservar-se linda com o avanço da idade não é uma preocupação que consome seus dias. Basicamente, ela recorre ao uso de protetor solar, tem os seus cremes de uso diário, cuida da alimentação e procura se exercitar, mas sem muita obsessão. “Faço caminhadas e no momento estou praticando tênis. Gosto de variar de atividade física, pois acho que a vida fica mais divertida dessa maneira”. Mãe de três filhos, todas atletas – um deles chegou a integrar a seleção brasileira de vôlei -, Adriana conta que a sua casa sempre foi o paraíso da alimentação saudável, o que explica, em parte, a sua boa forma. Atuando no universo da decoração, no qual as pessoas estão sempre em busca de tendências e onde o belo é sempre almejado, a empresária declara que, com o amadurecimento, passou a encarar a questão da beleza de forma diferente. “A minha concepção em relação a isso mudou, não é como eu pensava há dez anos. Hoje, percebo que o coração aformoseia as pessoas, dá uma alegria, uma graça a elas. Por isso, para mim, a beleza está muito mais associada ao comportamento do que à imagem”. Com a idade, ela declara estar muito mais interessada num outro tipo de beleza: “uma beleza madura, duradoura e inteligente”, pontua.


PARA MANTER A PELE COM APARÊNCIA JOVEM POR MAIS TEMPO:

ATÉ OS 20 ANOS

• Proteção solar adequada, por meio de filtros de qualidade com fator de proteção alta (acima de 20)

DOS 20 AOS 30 ANOS

• Devem ser acrescentadas outras medidas preventivas, como alimentação anti- envelhecimento e produtos comprovadamente eficazes para prevenção, como vitamina C em cremes e vitamina E.

• Dependendo do nível de danos já presentes na pele, tecnologias menos drásticas podem ser usadas, como peelings e aplicação de luz pulsada.

DOS 30 AOS 40 ANOS

• Outros cuidados devem ser acrescentados, como consumo de suplementos orais e uso de cremes que contenham ativos mais fortes, como retinóides, coenzima Q10 e ácido lipóico, entre outros.

• Dependendo de cada caso, pode ser usada a toxina botulina e os preenchedores.

• Os tratamentos com aparelhos incluem lasers fracionados, radiofreqüência e luz pulsada.

DOS 40 AOS 60 ANOS

• Os recursos indicados para as idades anteriores são usados com maior intensidade.

• Essa é a melhor faixa etária para cirurgias plásticas estéticas, quando necessárias e desejadas – pálpebras, liftings, entre outras.

• Uso de suplementos orais e análise da necessidade de reposição hormonal

A PARTIR DOS 60 ANOS

• Quando indicados, podem ser usados tratamentos hormonais e suplementos orais.

• Para minimizar as marcas de envelhecimento visíveis na pele alguns dos recursos mais usados, hoje, são lasers fracionados de CO2.

Fonte: Luciana Soares, dermatologista especializada em anti-aging (anti-envelhecimento)

 (Ed Alves/CB/D.A Press)

ALIMENTOS QUE RETARDAM O ENVELHECIMENTO:

• Maçã – o potássio contido em sua polpa ajuda na eliminação do sódio excedente e da água retida no corpo

• Aveia – ajuda a diminuir o colesterol ruim (LDL), previne as doenças cardiovasculares, a arteriosclerose, o envelhecimento dos tecidos e a hipertensão arterial

• Iogurte – importante fonte de proteínas, zinco e vitaminas A e do complexo B. Bactérias probióticas auxiliam na absorção dos nutrientes, prevenindo infecções causadas por fungos, melhoram a imunidade, aumentam a absorção de cálcio, controlam o colesterol e reduzem o risco de câncer.

• Alho – a alicina (responsável pelo odor) inibe uma bactéria que causa a úlcera e tem sido apontada como precursora do câncer gástrico. Reduz a pressão arterial e protege o coração.

• Castanha-do-Pará – auxilia na prevenção de problemas cardíacos. Fonte de vitamina E e de selênio que freiam os radicais livres, desaceleram o envelhecimento e reduzem o risco de doenças cardíacas.

• Semente de linhaça – rica em ômega 3, protege contra doenças cardiovasculares, pressão alta e trombose; é anti-inflamatória e ameniza os efeitos da TPM e os fogachos da menopausa.

• Soja – ajuda a reduzir o risco de doenças cardiovasculares. Seu consumo regular pode diminuir os níveis de colesterol ruim em mais de 10%. Possui flavonóides antioxidantes.

• Azeite de oliva – os extravirgem com baixa acidez (até 0,8%) ajudam a prevenir a arteriosclerose e sua ingestão, em substituição à margarina, pode reduzir em até 40% o risco de doenças do coração e aumentar o bom colesterol (HDL)

• Tomate – tem licopeno que retarda o envelhecimento das células da próstata.

• Uva – sua casca deixa o sistema imunológico e as artérias mais jovens, prevenindo o câncer, o derrame, a perda da memória e as doenças cardíacas. Além de ser boa fonte de vitamina C, ferro e potássio, ela contém pectina (fibra) e bioflavonóides que evitam o envelhecimento precoce.

• Peixe - possui fósforo e outros minerais e vitaminas, além de ser fonte de proteínas e conter ômega 3, que tem propriedade antioxidante.


ALGUNS RECURSOS OFERECIDOS PELA INDÚSTRIA DA BELEZA:


 (SXC)
• Botox – usado para disfarçar rugas de expressão, especialmente da testa, da glabela (entre as sobrancelhas) e os "pés de galinha". A injeção de botox (obtido a partir da toxina botulínica tipo A) paralisa alguns músculos do rosto, impedindo que as rugas apareçam. O efeito dura cerca de seis meses; depois desse período, as marcas do rosto voltam ao normal e a aplicação pode ser refeita.


• Preenchimento – rugas e sulcos podem ser preenchidos, e assim eliminados ou minimizados, com diversos produtos, sendo que o ácido hialurônico é um dos mais utilizados. O método é usado para tratar as rugas localizadas nas regiões onde a ação muscular é importante e não pode ser abolida com o botox, como é o caso do sulco que vai do nariz até o canto da boca.

• Cremes anti-rugas e anti-sinais – cremes à base de substâncias como DMAE, argilerine, neurocosméticos, ácidos de frutas (alfahidroxiácidos), ácido retinóico, fatores de crescimento epitelial (EGF, KGF) e vitaminas A e E ajudam a eliminar ou suavizar rugas e linhas de expressão superficiais.

• Laser – aparelhos de laser têm sido usados para depilação definitiva, olheiras, manchas senis e de sol, vasos, estrias e cicatrizes, além do tratamento do envelhecimento, provocando renovação celular da pele.

• Pellings – São vários os tipos de pellings químicos existentes. Consistem na aplicação tópica de determinadas substâncias químicas a fim de provocar descamação da pele, em diferentes graus, dependendo do produto utilizado. Com isso, promove renovação da pele, atuando no tratamento de manchas, acne e envelhecimento cutâneo (melhora flacidez e rugas).

• Cirurgia de pálpebra – retira o excesso de pele e reduz as bolsas de gordura, tornando as pálpebras mais planas e lisas.

• Lifting facial – cirurgia plástica do rosto. Normalmente, visam a corrigir as “bochechas caídas”, flacidez, as bolsas que se formaram ao longo da linha do maxilar e o excesso de pele e de gordura no pescoço.

• Suplementos – suplementos alimentares podem ser usados como meio de obter as quantidades necessárias de alguns nutrientes considerados importantes para a prevenção do envelhecimento.

• Modulação hormonal – mediante exames laboratoriais, traça-se o perfil hormonal do paciente, detectando suas necessidades hormonais. Com base nessa informação, inicia-se um programa de equilíbrio metabólico para que o paciente atinja determinado padrão hormonal.

• Medicina ortomolecular – na medida em que a prática ortomolecular pode ajudar a pessoa a envelhecer bem, e mais lentamente, ela acaba tendo impactos estéticos. Consiste na busca do equilíbrio químico do organismo, por meio do uso de vitaminas, minerais e aminoácidos

• Radiofrequência – existem vários aparelhos que objetivam promover rejuvenescimento da pele. Entre eles, estão os que emitem ondas que penetram profundamente na pele, sem queimar, e, através do aumento da temperatura na região tratada, promove-se estímulo e formação de colágeno.


HÁBITOS A SEREM CULTIVADOS

• Evite exposição ao sol entre 10h e 16 horas da tarde.

• Use protetor solar diariamente – deve-se renovar a proteção pelo menos uma vez ao longo do dia. O filtro solar também deve ser usado por quem fica em ambientes fechados, exposto a luz artificial.

• Pratique regularmente uma atividade física – o hábito melhora a qualidade do sono e da pele, combate a obesidade, controla o nível de colesterol e da pressão arterial, mantém o corpo flexível e melhora a energia para a realização de atividades do dia a dia, além de evitar o isolamento.

• Procure incluir entre a sua prática de atividades físicas exercícios de força muscular (como musculação), pois eles ajudam a diminuir a perda fisiológica da musculatura que acontece com o avanço da idade.

• Mantenha uma alimentação saudável, rica em verduras, frutas e saladas; inclua em seu cardápio diário alimentos funcionais, que têm efeito antioxidante, e evite frituras e gorduras.

• Procure dormir bem – uma média de oito horas de sono costuma ser reparador para a maioria das pessoas. Se tiver com problemas de insônia, não negligencie esse fato e busque ajuda profissional.

• Não fume. O cigarro aumenta os radicais livres e diminui a oxigenação da pele.

• Evite o estresse, buscando mais qualidade de vida no dia a dia. O estresse também aumenta a quantidade de radicais livres no corpo e também o volume de substâncias inflamatórias no organismo.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017