..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cidadania »

Biblioteca Popular completa sete anos em Brasília

Projeto pioneiro da ONG T-Bone já foi copiado por diversas cidades

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:24/06/2014 14:27Atualização:24/06/2014 15:15

Luiz Amorim dos Santos, presidente  da ONG Projetos Culturais T-Bone (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Luiz Amorim dos Santos, presidente
da ONG Projetos Culturais T-Bone
Em junho de 2007 era instalada a primeira biblioteca popular em uma das paradas de ônibus da avenida W3 norte, no Plano Piloto. A ONG T-Bone deu início ao Projeto Parada Cultural – Biblioteca Popular com a ideia inovadora e pioneira de dispor gratuitamente livros em pontos de ônibus da capital federal. No último sábado (21), o Projeto completou mais um aniversário, com mais de 15 mil exemplares distribuídos em 37 bibliotecas ao ar livre. Os objetivos da iniciativa são promover o acesso à cultura por meio da leitura e humanizar os pontos de ônibus da capital.

A ideia, que surgiu modesta, teve grande aceitação da comunidade, ganhando grandes proporções e atraindo parceiros importantes, a exemplo da Petrobras. O apoio da estatal possibilitou a melhoria da estrutura das bibliotecas espalhadas pelas ruas da Asa Norte e Setor Bancário Sul, que ganharam armários, e quase triplicaram o acervo que era de seis mil exemplares em 2007.


Para os próximos anos, o objetivo dos organizadores é melhorar ainda mais as bibliotecas que contam até com internet wi-fi em alguns pontos da cidade, batizadas de Estações Culturais. “Com o patrocínio nesses sete anos, conseguimos manter o projeto. O apoio da Petrobras foi fundamental para a manutenção do acervo, agora queremos melhorar ainda mais o projeto com prateleiras maiores e mais exemplares”, afirma o presidente da ONG Projetos Culturais T-Bone, Luiz Amorim dos Santos.

 

Cícero Batista Pereira venceu a fome para se  formar em medicina. Parte da conquista se  deve aos livros emprestados de paradas de ônibus
 (Breno Fortes/C.B/DA Press)
Cícero Batista Pereira venceu a fome para se
formar em medicina. Parte da conquista se
deve aos livros emprestados de paradas de ônibus
Mais de mil livros circulam diariamente entre a população que aprendeu a cuidar e utilizar a parada cultural. O projeto incentiva também aos que não possuem acesso a grandes bibliotecas e tem feito a diferença na vida de muitas pessoas. O empréstimo de livros é feito diretamente por quem frequenta os pontos de ônibus, sem burocracia. De acordo com Amorim, outras regiões administrativas do Distrito Federal, estados brasileiros e até outros países como a Espanha já procuraram a ONG Cultural T-Bone para implantar a ideia.

 

Assuntos relacionados: 

De lixeiro a médico: brasiliense vence pobreza e se forma em medicina

 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017