..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saúde »

Beber álcool em excesso diminui o cérebro

Segundo estudo americano, através de ressonância magnética foi possível mostrar lesões causadas pelas bebidas, e que podem comprometer o raciocínio, a fala, os movimentos e a memória

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:19/08/2014 09:00Atualização:19/08/2014 09:57
O consumo exagerado de bebidas alcoólicas pode levar a lesões irreversíveis no cérebro (Reprodução/Internet)
O consumo exagerado de bebidas
alcoólicas pode levar a lesões
irreversíveis no cérebro

Estudo desenvolvido pelo neurocientista norte-americano Peter Thanos revela que o consumo elevado de álcool pode encolher algumas regiões do cérebro. Divulgado no jornal Alcoholism: Clinical and Experimental Research, o trabalho se apoiou em imagens de ressonância magnética de camundongos para melhor entender o papel da variabilidade genética nos danos cerebrais provocados pelo alcoolismo e apontar caminhos e estratégias mais eficazes de prevenção e tratamento, já que esse padrão de dano cerebral imita um aspecto único da patologia observada em alcoólatras humanos.

Na opinião da radiologista Flavia Cevasco, do Centro de Diagnósticos Brasil, a ressonância magnética tem condições de diagnosticar vários tipos de lesões causadas pelo álcool no cérebro dos indivíduos, sendo algumas reversíveis e outras permanentes. "O consumo crônico de álcool resulta na redução e atrofia de partes específicas do cérebro que podem levar à alteração do equilíbrio e marcha, dificuldade de raciocínio, cálculo e memória, muitas vezes progressivos e irreversíveis, além de quadros graves que evoluem para coma e morte se não forem tratados com rapidez e eficiência".

De acordo com a médica, alguns desses sintomas são encontrados na síndrome de Wernicke-Korsakoff (neuropatia relacionada à carência de vitamina B1), que pode ser identificada na ressonância magnética, permitindo o diagnóstico e tratamento mais rápidos e eficazes.

 

As imagens de ressonância magnética obtidas no estudo norte-americano mostram que os camundongos submetidos ao consumo diário de uma solução com 20% de álcool durante seis meses sofreram atrofia do cérebro, de modo geral, e um encolhimento específico do córtex cerebral naqueles indivíduos com falta de receptor de dopamina D2.

Já no Brasil, levantamento realizado pelo Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas revela que mulheres jovens formam um grupo de risco preocupante. Entre 2006 e 2012, enquanto o percentual de homens que bebem bastante e em curto espaço de tempo aumentou 29,4%, entre as mulheres essa taxa foi de 36%. Em números globais, metade da população é abstêmia, 32% bebem moderadamente e 16% consomem quantidades nocivas de álcool – o que representa um grande desafio em detrimento dos danos sociais, físicos e emocionais.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017