..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saúde | Bem-estar »

Conheça tratamentos para manchas avermelhadas na pele

Especialistas explicam sobre a malformação dos vasos sanguíneos, muito comum na face

Romário Costa - Redação Publicação:16/10/2014 09:00Atualização:16/10/2014 11:01

Avermelhadas ou roxeadas, manchas vinho  do porto podem sumir naturalmente ou  aumentar com o passar dos anos (Divulgação)
Avermelhadas ou roxeadas, manchas vinho
do porto podem sumir naturalmente ou
aumentar com o passar dos anos
A mancha vinho do porto é um problema congênito que, em geral, não apresenta maiores complicações, além das estéticas. Porém, dependendo da extensão e localização, podem causar problemas oftalmológicos ou neurológicos. As marcas avermelhadas de nascença são um tipo de hemangioma plano benigno, ou seja, uma má-formação nos vasos sanguíneos que se proliferam desordenadamente. Em alguns casos, elas somem ao longo dos anos, em outros, podem aumentar de tamanho. Encontro Brasília conversou com especialistas que alertam para o tratamento precoce, como mais aconselhável.

 

O uso de lasers é geralmente o mais indicado e pode trazer resultados bastante satisfatórios. O dermatologista Ricardo Fenelon, membro da Academia Americana de Dermatologia, explica que a evolução tecnológica possibilitou o surgimento de aparelhos capazes de tratar da má-formação de maneira praticamente indolor. Há três anos, ele trabalha com o Vbeam Pulse Dye, desenvolvido especialmente para pacientes com lesões vasculares benignas. O aparelho possui um sistema que dispara um spray refrigerante junto o jato, o que torna o tratamento menos dolorido, muitas vezes, sem a necessidade de anestesia.

 

Como a vinho do porto é um problema que varia muito de pessoa para pessoa, cada caso deve ser analisado com cuidado por uma equipe de especialistas. “O tratamento do hemangioma é um processo multidisciplinar, que envolve uma equipe médica. É um equívoco pensar que a pessoa vai chegar e usar um laser que irá resolver instantaneamente o problema”, explica o especialista, que é ex-presidente da Sociedade Brasileira de Laser. Fenelon ressalta que o problema pode ser tratado em qualquer idade, mas quanto mais cedo, melhores são os resultados. Isso porque na infância a lesão ainda está pequena e os vasos sanguíneos menos desenvolvidos.

 

O dermatologista Ricardo Fenelon afirma  que avanço tecnológico possibilitou melhores  resultados nos tratamentos do problema (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
O dermatologista Ricardo Fenelon afirma
que avanço tecnológico possibilitou melhores
resultados nos tratamentos do problema
Há também a possibilidade de tratamento com camuflagem da mancha. É uma espécie de maquiagem, com cremes e técnicas específicas para suavizar a vermelhidão dos hemangiomas. “Por vezes o tratamento com laser não é acessível a todas as pessoas. Há também casos em que eles não são aconselháveis, demoram algum tempo ou não resolvem 100% do problema. Quando isso acontece, o uso de cremes para camuflar as manchas é muito recomendado, para devolver o convívio social a estas pessoas”, explica Bárbara Uzel, dermatologista do Hospital Anchieta, integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

 

A médica, que também é membro efetiva da Sociedade de Cirurgia Dermatológica, explica, contudo, que o processo de camuflagem deve ser acompanhado de perto por um especialista. “Um dermatologista está preparado para ensinar as técnicas mais eficazes para o melhor resultado da maquiagem. Não é um procedimento feito com bases comuns", pontua. "Há produtos especialmente desenvolvidos para quem tem esse tipo de mancha”.

 

Bárbara Uzel explica que cerca de 70% dos casos de mancha de vinho do porto acontecem no rosto. Por esse motivo, o tratamento estético confunde-se muitas vezes com o de saúde, pois acarretam problemas psicologicos, ao atrapalhar o convívio social, por exemplo. A dermatologista ressalta que, independente do procedimento escolhido para o tratamento da malformação, a investigação sobre o problema é fundamental.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017