..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saúde »

Homens também devem ficar atentos ao câncer de mama

Em pleno outubro rosa, vale destacar a importância do diagnóstico precoce dessa doença também entre os indivíduos do sexo masculino. O tratamento é parecido com o das mulheres

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:16/10/2014 10:44Atualização:16/10/2014 10:50
O câncer de mama nos homens costuma  ser confundido com ginecomastia (FreeDigitalPhotos.net)
O câncer de mama nos homens costuma
ser confundido com ginecomastia
O câncer de mama é uma doença rara no sexo masculino. Para cada 100 mulheres que adquirem a doença, apenas um homem é diagnosticado com a enfermidade, geralmente em estágio mais avançado. Ela está fortemente ligada a fatores genéticos e sempre que se faz o diagnóstico, é importante a realização de aconselhamento genético e pesquisa de mutação do gene BRCA (causador do câncer de mama).

A idade em que costumam aparecer os sintomas nos homens é dos 65 aos 70 anos, cerca de 10 a 15 anos mais tarde do que nas mulheres. Na maioria das vezes, surge como uma massa endurecida na região do mamilo, e é erroneamente diagnosticada como ginecomastia. A realização de mamografia e a bióspia da lesão é indicada quando há suspeita da doença. Os fatores de risco são os mesmos das mulheres, como sedentarismo, obesidade, tabagismo, etilismo e fatores genético.

"Há também condições específicas do homem que favorecem o aparecimento do câncer de mama, como criptorquidia (testículos na cavidade abdominal), ginecomastia (geralmente secundária ao uso de medicamentos), doenças do fígado (cirrose ou esquistossomose) e síndrome de Klinefelter, um distúrbio genético raro no qual ocorre feminilização dos caracteres sexuais masculinos", explica o oncologista Ellias Abreu, da Oncomed, de Belo Horizonte.

O tratamento do câncer de mama masculino geralmente segue os mesmos princípios usados com as pacientes mulheres. A cirurgia ainda é a principal ferramenta terapêutica, associada ou não à quimioterapia e à radioterapia.
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017