..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Turismo »

Operação Feliz 2015 reforçará efetivos nos aeroportos

Objetivo é garantir eficiência nos atendimentos e pontualidade dos voos até o mês de janeiro

Agência CNT - Redação Publicação:27/12/2014 09:00Atualização:27/12/2014 10:44
 Nos dias de maior demanda, o pico da movimentação deve ser de 700 mil pessoas por dia (Reprodução/Internet)
Nos dias de maior demanda, o pico da movimentação deve ser de 700 mil pessoas por dia
Neste final de ano, 20 milhões de passageiros são esperados nos principais aeroportos brasileiros, aproximadamente 7% a mais que no mesmo período do ano passado. Nos dias de maior demanda, o pico da movimentação deve ser de 700 mil pessoas por dia. Para atender ao incremento da demanda, será desenvolvida a Operação Feliz 2015, definida pela Conaero (Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias), com reforço de 87% nos agentes que atuam nos terminais. As medidas começam a ser adotadas nesta quarta-feira (10) e seguem até 10 de janeiro.

Conforme a SAC (Secretaria da Aviação Civil), o objetivo é manter uma trajetória de queda nos atrasos, que vem sendo registrada desde 2007. Há sete anos, 30% dos voos operados no final de ano atrasaram. Em 2013, o índice ficou em 14%. A meta, contudo, é manter o índice próximo do registrado na Copa do Mundo, que foi de 7% de voos impontuais.

“Nossos aeroportos estão com uma capacidade aumentada em 81 milhões de passageiros/ano, o que significa mais pátios, pistas, fingers e terminais de passageiros. Todos os protagonistas envolvidos nesse planejamento se comprometeram a adotar medidas para que tenhamos uma operação com qualidade, segurança e conforto”, disse o ministro da SAC, Moreira Franco.

Nos aeroportos concedidos, o reforço de pessoal será de 5,7%, conforme a Aneaa (Associação Nacional das Empresas Administradoras de Aeroportos). A estimativa é que, por esses terminais, passem 6,5% mais passageiros que o total registrado no final de 2013. Para ampliar o atendimento, as concessionárias anteciparam férias e a definição de horas extras e escalas. Além disso, atuarão aumentando as áreas destinadas às filas e com manutenção preventiva de equipamentos, como esteiras de bagagem.

Companhias aéreas

As companhias aéreas estimam que serão necessários 8,8 mil voos extras durante a temporada. Conforme o presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz, serão adotadas medidas semelhantes às implementadas em anos anteriores e durante a Copa do Mundo: antecipar manutenção de aeronaves, rever escalas de folga e férias, deixar aviões e tripulações reserva para assumir voos em qualquer eventualidade, manter um sistema de atendimento eletrônico para que problemas no check-in não impeçam o processamento de passageiros, firmar parcerias com hotéis para atender às pessoas em caso de atrasos e cancelamentos e manter acordos entre as empresas para viabilizar realocação de passageiros, caso necessário.

“O objetivo é manter os atrasos no mínimo possível. A nossa melhor marca é a da Copa, com 93% de pontualidade, e vamos buscar manter isso”, diz o presidente da Abear. Segundo ele, os maiores vilões para manutenção da marca são a meteorologia e os problemas de infraestrutura em solo.

O que os passageiros devem fazer

Algumas medidas adotadas por passageiros também ajudam a evitar transtornos na hora do embarque. São elas:

- Realizar o check-in antecipado pela internet ou celular;
- Levar o documento de identificação das crianças. Criança sem documento não pode embarcar;
- Verificar condições das malas despachadas e da bagagem de mão para certificar-se que atende aos padrões estabelecidos pelas normas;
- Utilizar canais de atendimento das companhias aéreas para esclarecimento de dúvidas;
- Repassar todos os dados para as empresas, inclusive telefone celular, pois isso facilita a comunicação entre a companhia e o passageiro diante de qualquer imprevisto;
- Chegar ao aeroporto com 1h30 de antecedência para voos domésticos e com 2h30min para voos internacionais. 
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017