..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saúde »

Enxaguantes bucais funcionam?

Para reduzir ou acabar com o mau hálito, muitas pessoas fazem uso de líquidos antissépticos. Saiba o que os especialistas falam sobre seu uso

Marcelo Fraga - Publicação:31/12/2014 10:36Atualização:31/12/2014 11:25

Responsável por aquela sensação de frescor na boca, os enxaguantes bucais estão cada vez mais presentes no nosso dia a dia. Com álcool, ou sem, e disponíveis nos mais variados sabores, eles realmente são importantes para a higiene oral, ou só refrescam o hálito?

O dentista e presidente do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais (CRO-MG), Luciano Santos, ressalta que os enxaguantes podem ser importantes aliados para manter a saúde bucal, desde que a escovação seja feita da maneira correta: "Esses produtos não eliminam 100% das bactérias existentes na boca, mas ajudam a reduzir a placa bacteriana. O mais importante é escovar os dentes corretamente e utilizar o fio dental".

Com relação à frequência e à quantidade utilizada, o especialista diz que as pessoas podem usar o enxaguante sempre que escovarem os dentes, mas não é necessário encher a tampinha do produto, como é recomendado nas embalagens. Uma porção pequena, que seja, suficiente para se bochechar, é o ideal, de acordo com o especialista.

Pastas clareadoras

 

Outro produto presente no mercado, e que chama a atenção dos consumidores, é o creme dental com função clareadora. Várias marcas prometem deixar os dentes mais brancos, muitas vezes, "instantaneamente". "As pastas de dente que prometem o clareamento agem por meio de um atrito provocado por minerais presentes em suas fórmulas. Esses componentes entram em contato com os dentes, fazendo com que tenham uma aparência melhor", explica Luciano Santos. O presidente do CRO-MG diz que, apesar do atrito, esses produtos não causam desgaste nos dentes e podem ser utilizados sem problemas – evitando, claro, o uso excessivo, além do recomendado.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017