..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comportamento »

O que é a gravidez psicológica?

Esse tipo de distúrbio é raro, e segundo especialista, muitas mulheres não aceitam a condição de falsa maternidade

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:19/03/2015 13:59

Quando não se pode engravidar, a vontade de ser mãe é tamanha que o corpo pode criar todas as características de uma gravidez (Pixabay)
Quando não se pode engravidar, a vontade de ser mãe é tamanha que o corpo pode criar todas as características de uma gravidez
O espírito ou instinto materno é uma característica da maioria das mulheres. Para algumas, no entanto, a vontade de engravidar esbarra em problemas que impossibilitam ou retardam a gestação tão esperada. Algumas mulheres desejam tanto o momento da maternidade que, quando o organismo não consegue conceber, a mente prepara todo o corpo para uma gravidez imaginária. Esta síndrome também é conhecida como pseudogestação, pseudociese ou gravidez psicológica.

 

De acordo com o ginecologista Renato de Oliveira, responsável pela área de reprodução humana da clínica Criogênesis, a vontade de ser mãe ou o medo inconsciente desta responsabilidade pode acarretar esse quadro clínico no ser humano. "A pseudociese, na maioria dos casos, revela uma série de adversidades psicológicas, fruto de traumas do passado e tentativas frustradas de engravidar e constituir uma família", explica.

Por apresentar os mesmos sintomas de uma gestação convencional, como enjoos, aumento do volume abdominal, dos seios e a ausência de menstruação, é preciso realizar um exame clínico para identificar a falsa gravidez. "Trata-se de um procedimento simples, um exame de sangue que verifica a dosagem do BhCG, hormônio produzido pela placenta durante a gestação. De forma complementar, a ultrassonografia pélvica demonstrará um útero comprovando que não existe gravidez em curso", diz.

Convencer a mulher de que os sintomas e alterações do corpo não significam uma gestação, que tudo não passou de uma alteração neuroendócrina causada por problemas psicológicos, não é tarefa fácil. "Ainda não existe um tratamento específico para a pseudociese. Por isso, o processo de aceitação e tratamento varia de acordo com cada caso, e envolve família, amigos e médicos em um trabalho conjunto para diagnosticar as origens do problema e saná-las. Possibilitando, assim, que a mulher retome às suas atividades normais e busque alternativas para concretizar o desejo de ser mãe", finaliza.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017