..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cotação »

Saiba porque o dólar está acima de R$ 3 e quais as consequências para a economia

Economista explica como funciona o mercado de câmbio e como o governo deve agir para tentar frear subidas brusca da moeda americana

Da redação - Redação Publicação:24/03/2015 13:32

Você sabe quanto vale o dólar? No início de março a moeda rompeu pela primeira vez em 10 anos a barreira dos R$ 3. A cotação muda a cada dia, mas essa variação não é importante apenas para os economistas. Isso porque o preço do dólar também pode interferir no seu dia a dia.

A tendência, segundo analistas, é que a moeda dos EUA permaneça num patamar mais elevado diante do cenário político e econômico conturbado e das incertezas sobre o ajuste fiscal das contas públicas brasileiras. Mas, apesar de ter subido também em relação a outras moedas, por causa de uma expectativa de aumento dos juros da economia americana, é na comparação com o real que o dólar apresenta uma de suas maiores altas.

Em menos de três meses, a cotação do dólar vendido no Brasil passou de R$2,69 para R$ 3,19, uma diferença de R$ 0,50. Esse é um fenômeno que vem sendo verificado desde setembro de 2014, quando a cotação estava abaixo de R$ 2,3. Pode parecer pouco, mas qualquer valorização do câmbio causa um enorme impacto na economia, porque afeta o preço de produtos importados, encarece as viagens ao exterior, interfere em contratos firmados em dólar e, por fim, pressiona a inflação.

Entenda, abaixo, como funciona a cotação do dólar.

O que é câmbio?

Antes de abordar a alta do dólar, é preciso entender o conceito da taxa de câmbio. Câmbio é a relação de preços entre duas economias, tem o objetivo de facilitar as transações comerciais entre os países. Como qualquer problema econômico impacta o valor da moeda, por isso a taxa de câmbio é flexível.

Quais são os motivos que estão levando o dólar às alturas?

Para o professor Flávio Basílio, do curso de Economia da Universidade de Brasília, a correção da valorização do real perante o mercado internacional deveria ter acontecido antes. "O que causa estranheza é a velocidade com que isso acontece e causa a volatilidade do real perante o mercado", explica. O real estava valorizado com relação a todas as moedas e isso é ruim quando se analisa a balança comercial, trazer investimentos para o Brasil se torna mais difícil.

O fortalecimento da economia dos EUA e a crise política e financeira da Europa são problemas externos que estão pressionando o câmbio e causando a desvalorização do real. O dólar deve fugir ainda mais do Brasil porque os norte-americanos planejam subir, até a metade do ano, sua taxa de juros, atualmente em 0,25%. Isso pode fazer o dinheiro dos investidores render mais por lá do que aqui.

 

Como os fatores externos afetam a cotação da moeda?

O economista Flávio Basílio explica que a valorização do dólar aconteceu frente a todas as moedas, devido à expectativa de aumento da taxa de juros nos EUA. Já a moeda brasileira precisava de uma correção, "o câmbio que tínhamos não era sustentável a longo prazo", pontua.

As oscilações da cotação do dólar variam de acordo com a lei da oferta e da demanda – quanto maior a oferta da moeda americana, menor é sua cotação. Porém outros fatores podem causar influências nessa variação. O risco-país é um conceito utilizado para tentar definir o grau de instabilidade econômica, mostrando aos investidores qual é o perigo de se investir em um país. Quanto menor o índice de risco de um país, maior é o número de investidores estrangeiros, consequentemente mais dólares circulando no mercado daquele país.

O que o governo pode fazer para conter a instabilidade cambial?

O governo também pode exercer influência, quando interfere no mercado para estabilizar o dólar e deixar o real desvalorizado. Essa medida torna os produtos brasileiros mais competitivos no mercado internacional e aumenta as exportações e investimentos, importantes para o país.

Basílio explica que, historicamente, as interferências do governo foram tardias. "Estamos observando uma repetição do que aconteceu em 1999, 2002 e 2003. Não se pode deixar a moeda nacional se valorizar tanto, pois quando ocorrem ajustes, eles acontecem muito rápido e geram instabilidade", completa. Para Basílio, o Banco Central deve atuar de forma mais forte, para prevenir a apreciação. “A curto prazo, a valorização da moeda ajuda a conter a inflação, mas gera a volatilidade do mercado quando acontecem ajustes", completa.

Por que existem diferentes cotações?

Se você for comprar a moeda para viajar, certamente vai pagar um valor ainda maior do que vê em todos os noticiários. Isso porque, seja o dólar que define o valor de compras de produtos de outros países, ou dólar para quem vai viajar, as cotações são diferentes para várias operações. Os tipos de de dólar são: comercial, turismo e paralelo.

O dólar comercial é utilizado em transações no mercado financeiro, como importações e exportações. Já o dólar turismo é usado em compra de moeda para viagens. O dólar paralelo, como o nome diz, é o dólar usado em transações que não passam pelo controle do Banco Central. É considerado ilegal.

Eles têm valores diferentes, porque o comercial é cotado pelo mercado, mas o governo consegue influenciar comprando e vendendo a moeda norte-americana. Já o dólar turismo é mais caro, porque os bancos e agências pagam taxas, os custos da importação e somam ainda o que vão ganhar com as operações. Já o paralelo não tem nenhum tipo de controle.

(com Portal EBC)

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017