..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Praça da Paz será inaugurada no sábado

Além de 158 ipês-brancos, estacionamento no Parque da Cidade terá primeiro museu virtual do projeto Brasília Capital do Ipê

Agência Brasília - Redação Publicação:17/03/2016 09:58
Do fim do ano passado até o momento, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) plantou quase 700 mudas nos quatro locais que vão compor o Brasília Capital do Ipê. Cento e cinquenta e oito delas ficam no Estacionamento 7 do Parque da Cidade, onde será inaugurada, na manhã de sábado (19), a primeira praça do projeto do governo de Brasília em parceria com a Rede Globo, o jornal Correio Braziliense e a empresa Digital Group.

A programação começa com uma corrida de rua, batizada com o mesmo tema da Praça da Paz, que abrigará ipês-brancos — já foram plantados 148, e os outros 10 serão colocados durante o evento. Segundo a Secretaria do Esporte, Turismo e Lazer, que organiza a competição, as mil inscrições chegaram ao fim em apenas cinco minutos. A largada, com saída do estacionamento, será às 8 horas, sentido Rodoviária do Plano Piloto. Os corredores chegarão uma hora antes para retirar o kit com camiseta, número, chip com informações pessoais e fruta.

Depois da Corrida da Paz, com percurso de 4,5 quilômetros, ocorrerá a solenidade de inauguração da praça. Para as 9h45, está previsto o início dos shows, com a Banda Furiosa do DF, o DJ Nagô e a Banda Batalá. Ainda haverá cinco food trucks de comidas variadas, e a Novacap doará cerca de 200 mudas de ipês aos visitantes.
 
O projeto Brasília Capital do Ipê prevê a construção de quatro praças, com temas e cores de ipês diferentes (Pixabay)
O projeto Brasília Capital do Ipê prevê a construção de quatro praças, com temas e cores de ipês diferentes

Museu virtual
A Praça da Paz abrigará um museu virtual — cada uma das outras três praças do projeto terá o seu. Em 20 totens espalhados pelo estacionamento, ficarão disponíveis mensagens da população sobre a paz. O conteúdo dos painéis poderá ser acessado a qualquer momento pelo celular, via QR Code.

Os vídeos — que estão sendo enviados desde o início da campanha sobre o tema, em 5 de março — devem ser mandados pelo WhatsApp para o celular (61) 9922-1010 ou pelo site www.brasiliacapitaldoipe.com.br, no qual também poderão ser exibidos. As gravações precisam ter no máximo 20 megabytes.

Ideograma
A praça foi construída baseada no formato do ideograma japonês da paz e terá uma escultura em formato de placa, com o desenho de 11 pombas e o nome do local. A peça, doada pelo artista plástico Igocleiton Aguiar Barbosa, de 36 anos, tem pouco mais de 2,5 metros de altura por 1,1 metro de largura e pesa 130 quilos.

A infraestrutura do ambiente, com calçada, bancos de madeira e canteiros de flores, ficou a cargo da Novacap, que utilizou recurso e mão de obra próprios. O investimento foi de cerca de R$ 8 mil.

Temas e cores

O projeto Brasília Capital do Ipê prevê a construção de quatro praças, com temas e cores de ipês diferentes. Em outubro, será inaugurada a segunda delas, a Praça da Cidadania, próximo ao Teatro Nacional, na área central do Plano Piloto, com 188 ipês-amarelos.

As Praças do Respeito e do Amor estão previstas para 2017. A primeira, com 182 ipês-roxos, será perto da administração do Taguaparque, em Taguatinga. A outra, com 165 ipês-rosas, ficará na Quadra 3 de Sobradinho.

A parceria entre o governo de Brasília, a Rede Globo, o Correio Braziliense e o Digital Group foi fechada por meio de um termo de cooperação. Ao Executivo local cabe a cessão do lugar, a doação das mudas e a infraestrutura. Os meios de comunicação são responsáveis pela divulgação da iniciativa, e a Digital Group, pela elaboração da publicidade.

A planta, nativa do Cerrado, famosa por florescer em meio à seca, colore a capital entre junho e outubro. Cada cor tem sua época de florescer. As mudas plantadas para o Brasília Capital do Ipê devem começar a dar as primeiras flores já no ano que vem, mas o tempo para que a árvore fique bem colorida deve ser de dois ou três anos.
 
 (Editoria de Arte/Agência Brasília)
 
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017