..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Empresa americana cria versão de ônibus que anda na água

João Paulo Martins - Redação Publicação:15/04/2016 10:06Atualização:15/04/2016 10:10
Você gosta de viajar? Imagine poder conhecer novas paisagens dirigindo tanto pelas estradas quanto por rios, lagos e até pelo mar. Isso pode ser possível, desde que você tenha condições de adquirir o "ônibus" anfíbio Terra Wind, criado pela empresa americana Cool Amphibious Manufacturing International (Cami).

O modelo vendido pela Cami, na verdade, está mais para um motorhome ("casa" sobre rodas) do que para um ônibus convencional. Equipado com diversos instrumentos que ajudam na navegação, incluindo GPS e mapas, o Terra Wind chega a fazer 130 km/h na terra e 7 nós (cerca de 15 km/h) na água. Para deixar a estrada e usar a característica anfíbia do equipamento, basta que o motorista dirija em direção à água. Nesse momento, as rodas se transformam no sistema de flutuação.
 
Para transformar o 'ônibus' criado pela Cami em 'iate', basta que o motorista dirija até a água. Nesse momento, o veículo mostra sua 'habilidade' anfíbia (Camillc.com/Reprodução)
Para transformar o "ônibus" criado pela Cami em "iate", basta que o motorista dirija até a água. Nesse momento, o veículo mostra sua "habilidade" anfíbia
 
Dentro do mar, por exemplo, o motorhome apresenta sua versão "iate". O interior é bem luxuoso e confortável, com camas, banheiro, televisores, mesas, frigobar e sistema de som.  A parte de trás do veículo pode até ser usada como um pequeno deck, para que os tripulantes entrem e saiam da água com tranquilidade.

Nas estradas, o Terra Wind é guiado por um volante tradicional, mas, quando se transforma em "barco", o piloto passa a ter à disposição uma espécie de joystick, que é responsável por movimentar as hélices do "iate" inusitado.

Para os interessados, o "ônibus" anfíbio pode ser adquirido por US$ 1,2 milhão (cerca de R$ 4,3 milhões). Segundo a Cami, o valor pode variar de acordo com a customização do veículo.
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017