..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Um presente para Brasília

Em sua 11ª edição, festival Brasil Sabor consolida a gastronomia brasiliense, apostando na origem e originalidade das receitas

Jéssica Germano - Redação Publicação:10/05/2016 18:53Atualização:11/05/2016 15:10
Chefs participantes do Brasil Sabor de 2016 durante uma reunião sobre evento, no Iesb: um festival de sabores de bandeja para os apreciadores da gastronomia brasiliense (Raimundo Sampaio/ Encontro/ DA Press)
Chefs participantes do Brasil Sabor de 2016 durante uma reunião sobre evento, no Iesb: um festival de sabores de bandeja para os apreciadores da gastronomia brasiliense
A temática é cada vez mais constante: comida com sabor, responsabilidade e criatividade. É sob a patente de oferecer pratos que mostrem a raiz dos ingredientes locais do cerrado e a originalidade dos chefs que o Brasil Sabor lança sua 11ª edição, ao passo que comemora 10 anos da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no Distrito Federal. Sob o comando do presidente local, Rodrigo Freire, 82 estabelecimentos vão oferecer, de 12 a 29 de maio, receitas de entrada e prato principal a preços promocionais.

“O tema tem a ver com a origem do festival Brasil Sabor”, conta Rodrigo Freire, que, além de estar à frente da Abrasel-DF, é responsável pelo Oliver, restaurante detentor do título de melhor restaurante da cidade por Encontro Gastrô. Segundo ele, o evento surgiu da necessidade de mostrar a cozinha que era feita em Brasília. O cenário de lá para cá, porém, mudou consideravelmente, afirma o restauranter. “Nossa gastronomia evoluiu muito. Hoje os restaurantes estão preparados para fazer um festival criativo”, aposta.
Ana Toscano, do Villa Borghese, participou de todas as 11 edições do evento: 'Nós começamos quando era quase que um ato heroico abrir um restaurante' (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Ana Toscano, do Villa Borghese, participou de todas as 11 edições do evento: "Nós começamos quando era quase que um ato heroico abrir um restaurante"

Dono de restaurante há quase 11 anos, quando implantou sua grife no Clube de Golfe, Rodrigo pontua que o tempo só fez bem ao cenário comercial da cidade, além de ter mostrado que o importante está próximo daqui, nas produções e plantações vizinhas. “Com o tempo, nós valorizamos a história da nossa cidade. Ela que nos direciona para onde ir”, diz.

'Brasília é a cidade onde o evento tem os melhores resultados do país', orgulha-se Rodrigo Freire, presidente da Abrasel-DF (Raimundo Sampaio/ Encontro/ DA Press)
"Brasília é a cidade onde o evento tem os melhores resultados do país", orgulha-se Rodrigo Freire, presidente da Abrasel-DF
Aos preços de 35, 45 e 55 reais, com 1 real de cada prato direcionado para doação ao Correio Solidário, o Brasil Sabor deste ano comemora duas datas importantes: as três décadas da Abrasel nacional e duas da local, fundada por Jorge Ferreira. Esse último fato, por si só, será lembrado especialmente durante todo o evento. “Ele foi um belo incentivador, um grande companheiro”, frisa Ana Toscano, chef do italiano Villa Borghese, que participou fielmente de todas as edições. “Nós começamos quando era quase que um ato heroico abrir um restaurante”, recorda ela sobre o empresário boêmio, líder de todo o grupo de bares e restaurantes que levam seu sobrenome ainda hoje pela cidade. Para a cozinheira, participar desse tipo de iniciativa traz, sobretudo, a chance de se aproximar do público e ganhar, cada vez mais, experiência. “Cada festival é uma aula”, garante. E conclui, com certo orgulho: “Hoje nós estamos colhendo frutos do que plantamos anos atrás.”

Estreante de 2016, o Jambu, liderado por Leandro Nunes, lança-se mostrando que, mesmo com preço delimitado, é possível surpreender. Na receita de fraldinha com chimichurri do Pará – nome dado por conta da presença de ingredientes como vinagreira e jambu – que vai servir, um dos acompanhamentos vem em crosta de piracuí, espécie de farinha de peixe seco. “É, de fato, um evento gastronômico com uma proposta maior, além do comercial”, pontua o chef, animado. “Um dos motivos de eu gostar desse tipo de evento é poder lidar com outros profissionais da minha área, para podermos conversar e debater sobre o cenário da gastronomia.” Leandro diz ainda que é possível notar facilmente a evolução em relação à boa mesa brasiliense. “As pessoas não estão tendo tanto medo de arriscar a fazer coisas novas”, observa.

A meta é surpreender: estreante de 2016, Leandro Nunes, do Jambu, não se intimida com a delimitação dos preços dos pratos (Vinícius Santa Rosa / Encontro / DA Press)
A meta é surpreender: estreante de 2016, Leandro Nunes, do Jambu, não se intimida com a delimitação dos preços dos pratos
Fora apenas de duas edições do Brasil Sabor, Ticiana Werner, cabeça do estabelecimento que leva seu nome, destaca que, além do movimento que cresce nas casas e o acesso a bons menus com preços acessíveis, a iniciativa impulsiona o mercado. “Com o começo do Brasil Sabor, Brasília se tornou o terceiro polo gastronômico do país”, recorda. “Ele deu início aos festivais na cidade e nossa gastronomia ficou reconhecida nacionalmente.”
Animado com a edição deste ano, Rodrigo Freire frisa outro dado importante. “Aqui é o lugar no Brasil onde se tem os melhores resultados e presença do festival”, orgulha-se.
 
A chef Ticiana Werner, proprietária do estabelecimento que leva seu nome, destaca o movimento que cresce durante o festival: a iniciativa impulsiona o mercado (Daniel Ferreira/CB/DA Press)
A chef Ticiana Werner, proprietária do estabelecimento que leva seu nome, destaca o movimento que cresce durante o festival: a iniciativa impulsiona o mercado
Toda a programação paralela é gratuita e fica disponível na fanpage e no site da associação realizadora.
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017