..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Bebês nascem com cinco vezes mais neurônios do que terão quando adultos

Portanto, é importante estimular as crianças desde o primeiro instante

Da redação com Portal EBC - Redação Publicação:22/07/2016 09:11Atualização:22/07/2016 09:38
Você sabia que nós nascemos com muito mais neurônios do que possuímos quando chegamos à vida adulta? Como mostra o portal Toda Criança Pode Aprender, da ONG Laboratório de Educação, pesquisas atuais indicam que um bebê nasce com aproximadamente 100 bilhões de neurônios que, na vida adulta, se transformam, em média, em 20 bilhões.

E os outros 80 bilhões?

Segundo o portal dedicado à educação infantil, desde a fase fetal, o bebê estabelece conexões entre os neurônios, as sinapses. As células neurais que não são estimuladas morrem. Assim, ao nascer temos condições de estabelecer muitas conexões, muito além do que teremos de fato realizado na vida adulta.
 (Pixabay)

Confira algumas curiosidades sobre o assunto:

 - A partir dos 18 dias de gestação, o cérebro começa a desenvolver as células do sistema nervoso, os neurônios

 - Na 30ª semana de gestação o cérebro está desenvolvido

 - Um neurônio, dependendo de qual tipo, pode estabelecer de uma a 100 mil conexões. Em média, um neurônio estabelece 10 mil conexões

 - Um bebê gasta 65% de seu gasto calórico no desenvolvimento cerebral

 - O peso do cérebro de um bebê ao nascer é de aproximadamente 750 gr, quase 25% do seu peso

Portanto, saber que um bebê nasce com um grande potencial de desenvolvimento nos leva a considerar a necessidade de estimulação, cantar, conversar com eles, ler, mostrar diferentes imagens, possibilitar diferentes experiências para que haja estabelecimento de conexões em quantidade e qualidade. Mas, não se pode ignorar o cuidado para que tanto estímulo, de diferentes naturezas e quantidades não se torne algo estressante e desgastante. É importante estimular os bebês, mas o equilíbrio é fundamental.

(com portal Toda Criança Pode Aprender e Portal EBC)
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017