..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

SAÚDE »

Whey protein ajuda o intestino contra os efeitos da gordura

A proteína do soro do leite não é uma aliada apenas de quem faz musculação

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:09/08/2016 14:56
Velha conhecida das academias pelo nome em inglês, whey, e amplamente comercializada como suplemento para ganho de massa muscular, a proteína do soro do leite pode ser importante também como proteção contra os efeitos adversos da ingestão de alimentos gordurosos na microbiota intestinal.

Para isso, pesquisadores da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) e da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) compararam os efeitos de diferentes proteínas nas populações de bactérias dos intestinos de camundongos.

"Já se sabia que quantidades e tipos diferentes de gordura ingerida alteravam de formas diversas a composição das populações de microrganismos que povoam o intestino dos animais, predispondo o hospedeiro a processos inflamatórios que podem levar à obesidade e a outras doenças crônicas. O que não se sabia era que o tipo de proteína na dieta também teria um papel decisivo, permitindo ou resistindo às alterações da microbiota intestinal", conta Jaime Amaya Farfan, professor do departamento de Alimentos e Nutrição da Unicamp.

O estudo mostrou que, enquanto a caseína - outra proteína derivada do leite, mas de lenta digestão e absorção - pode permitir o desarranjo da microbiota normal do intestino causado por uma dieta rica em gordura, o whey protein conferiu ao animal a capacidade de resistir ao efeito.

Entre as principais alterações induzidas pelo excesso de gorduras na dieta está a inversão da predominância dos dois tipos de bactérias mais comuns no intestino: Bacteroidetes, presentes em maior quantidade na microbiota normal; e Firmicutes, dominantes em obesos.
 (Pixabay)

Os pesquisadores comprovaram que o consumo de uma dieta gordurosa, composta por alimentos ricos em caseína, como o queijo, ao longo de nove semanas resultou na elevação de lipopolissacarídeos sanguíneos, moléculas relacionadas ao desenvolvimento de doenças crônicas intestinais, no aumento do acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática) e na inversão da quantidade dos filos predominantes, favorecendo o Firmicutes. Em contraste, quando a dieta gordurosa foi administrada em conjunto com a proteína do soro de leite, a presença de lipopolissacarídeos e biomarcadores de inflamação e a esteatose hepática permaneceram significativamente baixas, impedindo a inversão dos filos.

"Esse contraste de efeitos das duas principais classes de proteínas do leite, a caseína e a whey, foi uma surpresa, mas pode ser explicado como sendo resultado da formação de peptídeos típicos de cada uma delas durante a digestão. No caso da proteína do soro, estudos anteriores realizados na Unicamp mostraram que certos peptídeos presentes possuem propriedades como aumento da captação de glicose pelas células musculares, maior expressão de proteínas antiestresse em roedores e até uma possível proteção contra as microlesões musculares em jogadores de futebol submetidos a treinos intensos", diz Farfan.

Da academia para o boteco

Para o pesquisador da Unicamp, "o estudo é uma contribuição ao aprofundamento do conhecimento sobre propriedades e diferenças entre as diversas proteínas que fazem parte da nossa dieta, pois, embora possam ser agrupadas genericamente numa mesma classe de nutrientes, mais uma vez, prova-se que elas não valem para a nossa saúde apenas pela somatória nutricional de seus aminoácidos".

Se os resultados também forem verificados em humanos, completa Jaime Farfan, eles podem servir como alerta para o consumo excessivo de alimentos como o queijo em combinação com alimentos gordurosos. "O sanduíche de queijo e mortadela, por exemplo, não traz uma boa combinação, já que o queijo é um alimento rico em caseína e a mortadela, em gordura de porco. O que o estudo com camundongos indica é que o queijo, ao contrário da ricota, rica em proteína do soro do leite, não protege a microbiota normal do intestino contra as alterações adversas causadas pelo excesso de gorduras".

Dessa forma, a ricota, preparada a partir do soro do leite, seria um acompanhante mais saudável para a mortadela. Uma espécie de whey sólido para o sanduíche do boteco.

(com Agência Fapesp)
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017