..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Trash rodriguiano

Espetáculo faz montagem sombria de "Perdoa-me por me traíres"

Isabelle Luz - Publicação:01/11/2016 11:33Atualização:01/11/2016 14:27
Espetáculo mostra o pior do caráter humano como pano de fundo para a história de Glorinha  (Sartoryi/Divulgação)
Espetáculo mostra o pior do caráter humano como pano de fundo para a história de Glorinha
Nos dias 4,5 e 6 de novembro, o Teatro Plínio Marcos recebe o grupo Novos Candangos e sua versão “dark-freak-trash” de uma das peças mais aclamadas de Nelson Rodrigues, autor carioca consagrado. Cheia de mistério, suspense e erotismo, a obra “Perdoa-me por me traíres” tem em sua concepção referências ao clássico musical “Rock Horror Picture Show”, de Jim Sharman.

Além disso, a montagem traz os temas recorrentes das peças rodriguianas: Vingança, incesto, assassinato, ciúmes, psicologismos e repressão dos desejos pessoais são elementos que se encontram num universo onírico entre o real e o pesadelo através das personagens do espetáculo.

Na obra, lança-se um olhas sobre a história de Glorinha, objeto de desejo de seu tio Raul, que a criou desde o assassinato de sua irmã. Ao ser apresentada ao mundo dos prostíbulos por uma amiga, a menina começa a planejar uma vingança contra o tio abusador.

A performance da peça faz parte da programação da Mostra Monstra, que promove a apresentação de produções teatrais com temas obscuros, em celebração a semana do Dia das Bruxas. Os ingressos custam R$15 a meia entrada e não é aconselhável a presença de espectadores menores de 16 anos.
 
 
Nelson Rodrigues escreveu mais de 15 peças retratando com crueza a hipocrisia da sociedade (Sartoryi/Divulgação)
Nelson Rodrigues escreveu mais de 15 peças retratando com crueza a hipocrisia da sociedade
 
PERDOA-ME POR ME TRAÍRES

Data: 4 e 5 de novembro, às 21. 6 de novembro, às 20h
Local: Teatro Plinio Marcos - FUNARTE
Ingressos:15,00 (meia entrada)
Classificação indicativa 16 anos
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017