..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cientistas criam antibióticos capazes de matar superbactérias

As substâncias foram descobertas após análise do DNA de micro-organismos que vivem em nosso organismo

João Paulo Martins - Redação Publicação:17/11/2016 10:56
Após uma análise computadorizada do DNA de bactérias que habitam nossa pele e intestino, cientistas identificaram duas poderosas proteínas de ação antibiótica, capazes de inabilitar os micro-organismos. A gumimitsin A e a gumimitsin B podem ajudar o organismo a combater até as superbactérias, que se tornam "invulneráveis" aos medicamentos atuais. O resultado da pesquisa foi publicado na revista científica Nature Chemical Biology.

"Os novos antibióticos podem funcionar como um 'reforço' para outras drogas. O efeito que eles têm na sobrevivência de micróbios pode ser comparado com uma pessoa que aperta uma mangueira em dois lugares diferentes. Somente um aperto não consegue parar completamente o fluxo de água, mas a combinação dos dois interrompe gradualmente o fluxo", diz o pesquisador Sean Brady, da Universidade Rockefeller, nos Estados Unidos, co-autor do estudo.

O surgimento de bactérias cada vez mais resistentes a antibióticos impulsiona a criação constante de novos tipos de remédios. No entanto, os micro-organismos sofrem mutações regulares e, assim, geram novas cepas imunes às drogas mais fortes. Para se ter uma ideia, se a humanidade deixasse de pesquisar e criar novos antibióticos, os medicamentos atuais, após certo período de tempo, se tornariam inúteis.
 (Pixabay)

De acordo com dados da indústria farmacêutica, o desenvolvimento de um novo antibiótico custa, em média, de US$ 800 milhões a US$ 1 bilhão e, geralmente, leva até 10 anos para ser finalizado. Mas, graças à recente pesquida dos cientistas americanos, foi possível reduzir significativamente o custo e o tempo gasto nesse processo.

Por meio da análise por computador do material genético de bactérias, os cientistas são capazes de idenificar os códigos genéticos responsáveis pela manutenção da vida dos micro-organismos. Com isso, é possível produzir substâncias capazes de agir diretamente nas áreas identificadas e destruir as bactérias nocivas. Sean Brady e seus colegas da Universidade Rockefeller usaram um software de computador para avaliar milhares de códigos genéticos de micro-organismos como o Staphylococcus aureus, conhecido por ser resistente a muitos antibióticos.

As proteínas gumimitsin A e gumimitsin B, criadas a partir dos genes das bactérias, mostraram resultados positivos contra cepas de estafilococos, estreptococos e E. coli, consideradas "normais", mas também contra micro-organismos resistentes aos medicamentos mais comuns. Os dois novos antibióticos inibem o funcionamento de enzimas responsáveis pelo "reparo" e pela construção da parede celular das bactérias.

Segundo os pesquisadores da Universidade Rockefeller, o próximo passo é a análise do DNA de outros micro-organismos, para enriquecer o "arsenal" da "corrida armamentista" contra as doenças bacterianas.

(com Agência Sputnik)
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017