..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Otite aumenta com a chegada do inverno

51% dos casos ocorrem na estação mais fria do ano. Crianças são as mais afetadas

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:10/07/2017 14:36
A chegada do inverno ao Distrito Federal associada a uma forte queda das temperaturas levanta um alerta para as mamães de plantão. Isso porque o número de casos de dor de ouvido entre os pequenos costuma aumentar nesse período.  De acordo com estudo realizado em Boston, 51% dos casos de Otite Média Aguda (OMA) – como também é conhecida essa dor - acontecem nessa estação
 
Tais infecções ou inflamações são habitualmente causadas por bactérias ou vírus que atacam, principalmente, as crianças. “Por causa da anatomia da tuba auditiva - canal que liga o nariz ao ouvido - essa doença é mais comum na infância. Essa estrutura é mais curta e larga na criança, o que facilita a entrada de vírus e bactérias do nariz para o ouvido, causando a OMA”, explica a otorrinolaringologista Tatiana Matos.
 
O principal fator de risco é a idade. Os diagnósticos de OMA’s aumentam consideravelmente entre os seis e 18 meses de vida e, à medida que as crianças crescem, essa incidência diminui, tendo um novo pico por volta dos quatro e cinco anos de idade. Conforme explica a especialista, com o aparecimento da dentição definitiva, a taxa de Otite média cai drasticamente.
 
Os sintomas mais comuns das otites são febre, dor de ouvido e perda auditiva temporária. Em lactantes e crianças pequenas o diagnóstico pode ser mais complicado, pois os sinais são menos típicos. “Nesses casos os indícios podem incluir irritabilidade, puxar a orelha frequentemente, apatia, falta de apetite, vômitos, diarreia ou, até, conjuntivite”, elucida a médica.
 (Pixabay )
 
Uma das complicações mais comuns da otite é a perfuração do tímpano. Com a saída da secreção pelo ouvido, que pode ser clara, purulenta ou sanguinolenta, a pessoa sente um alívio instantâneo da dor e melhora da audição. Nesses casos a médica indica que seja feita uma proteção contra água. “Coloca-se um algodão embebido em óleo – pode ser óleo de amêndoas ou óleo mineral - na entrada do conduto auditivo. Na verdade essa drenagem não é ruim. Há melhora da dor e encurta o tempo de infecção”, explica Tatiana.
 
A otorrino recomenda  como prevenção retirar fatores predisponentes, além de tratar os sintomas dos resfriados, como obstrução nasal e coriza, para que esses não sejam elementos que desencadeiem a otite. “Também é recomendável que as mães protejam seus filhos dos ventos frios e de situações de exposição ao tempo, ainda mais durante o inverno”, completa a otorrinolaringologista.
 
Sobre o tratamento
Os procedimentos são iguais para qualquer caso. Nas primeiras 48h é feito acompanhamento com analgésico, lavagem nasal e compressa quente no ouvido para aliviar a dor. Se a melhora não for perceptível ou houver piora dos sintomas, deve-se iniciar um antibiótico para combata os germes mais frequentes nessa doença.
 
Algumas crianças apresentam vários episódios de otite, nesses casos, elas devem ser avaliadas de forma mais aprofundada por um otorrinolaringologista. Em alguns casos, inclusive, é feita indicação cirúrgica para diminuição da recorrência.
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017