..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Comer carboidrato demais pode atrapalhar a fertilidade da mulher?

Entenda até que ponto a ingestão de açúcar pode atrapalhar os planos da gravidez

Da redação com Assessorias - Redação Publicação:23/11/2017 14:41

Você gosta de comer doces e massas e pretende ter filhos? Uma pesquisa da Escola de Medicina da Universidade College London, na Inglaterra, apontou que a dieta livre ou com baixa ingestão de carboidratos pode aumentar em até cinco vezes a probabilidade de engravidar.

 

Porém, de acordo com a nutricionista Vanderli Marchiori, consultora da Associação Brasileira da Indústria do Trigo, não é o carboidrato, em si, que interfere diretamente na fertilidade. "O nutriente não é vilão. Muitas mulheres têm a insulina muito alta [devido ao excesso de açúcar no sangue] ou endometriose, dois fatores que podem alterar a produção de estrógeno e testosterona, hormônios que preparam o útero para receber a gestação", esclarece a especialista.

 (Pexels)
 

A nutricionista ressalta que o mais correto para as mulheres que pretendem engravidar é reduzir o consumo do chamado "açúcar livre" – que é mais simples e facilmente absorvido pelo organismo –, geralmente adicionado de forma artificial à comida ou a bebidas e até em alimentos com mel. Ou seja, o problema não seria o carboidrato propriamente dito. "O excesso desse nutriente ['açúcar livre'] está ligado diretamente à produção de insulina porque são absorvidos rapidamente pelo nosso organismo", explica Vanderli Marchiori.

 

Para a especialista, o importante é que as mulheres interessadas em ter filhos sempre comam de forma equilíbrada, independentemente do nutriente consumido. Ela lembra que, ingerido em excesso, qualquer ingrediente poderá ser maléfico para o organismo. "O ideal é se alimentar com um pouco de cada grupo alimentar: vegetais, proteínas e carboidratos. O essencial é termos o controle da nossa mente para não comermos compulsivamente e prejudicar nossa saúde", acrescenta a nutricionista.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 59 | novembro de 2017