..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Defesa Civil alerta para baixa umidade no Distrito Federal

Capital está em estado de atenção e a tendência é que a seca se intensifique. A orientação é clássica: beba muita água

Agência Brasília - Redação Publicação:16/07/2019 16:07

A boca seca e a dificuldade para respirar não enganam: a seca chegou. O Distrito Federal está em estado de atenção devido à baixa umidade. Foram mais de cinco dias consecutivos com os índices abaixo dos 30% e a tendência é piorar. Desde domingo (14) as medições têm ficado abaixo dos 20%. Para um bom brasiliense, a orientação é clássica: beba muita água e proteja-se do sol.

Exercícios físicos ao ar livre devem ser evitados entre 10h às 17h
 (Joel Rodrigues / Agência Brasília)
Exercícios físicos ao ar livre devem ser evitados entre 10h às 17h
 

A servidora pública Rose Elias, 48 anos, reparou, no próprio corpo, a queda da umidade relativa do ar. “Hoje está muito baixa. Dá para sentir na mucosa do nariz e na garganta, que fica mais seca”, diz ela, que usa a bicicleta para ir e voltar do trabalho.

 

A receita está na ponta da língua, ou melhor, na palma da mão. “Tem que se hidratar mesmo. Quando se está pedalando ou praticando exercício físico, o jeito é tomar água.” Fiel escudeira, a garrafa com líquido a acompanha, mas o pacote é completo: roupa de proteção, óculos e capacete. 

 

O período de estiagem está apenas começando e deve durar, pelo menos, até o fim de agosto. Coordenador de Operações da Defesa Civil, o coronel Sinfrônio Lopes explica que o estado de atenção declarado nesta segunda-feira (15) é um recado para estimular uma boa hidratação à população.

A servidora pública Rose Elias percebe baixa umidade na mucosa do nariz e na garganta mais seca (Joel Rodrigues / Agência Brasília)
A servidora pública Rose Elias percebe baixa umidade na mucosa do nariz e na garganta mais seca
 

“Nessa época do ano, a tendência é piorar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fala que quando tem abaixo de 30% tem que ter cuidados especiais”, aponta o coronel. A Defesa Civil recomenda evitar a prática de atividades ao ar livre no período das 10h às 17h, aumentar a ingestão de líquidos, não tomar banhos prolongados com água quente e muito sabonete, descartar o uso excessivo de ar-condicionado e usar protetor solar.

 

Durante o tempo seco, também é importante o uso de hidratante e umidificadores de ambientes. Crianças e idosos precisam de atenção especial, pois são os mais afetados pelo clima. É nesta época do ano que há maior índice de problemas respiratórios. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as temperaturas máxima e mínima devem diminuir nos próximos dias, mas a unidade se manterá baixa.

 

Umidade relativa do ar é, basicamente, o quanto de água na forma de vapor há na atmosfera. Os baixos indicadores podem provocar problemas como complicações alérgicas e respiratórias devido ao ressecamento de mucosas, sangramento pelo nariz, ressecamento da pele, irritação dos olhos.

Ingestão de água é grande aliada para enfrentar a baixa umidade na capital  (Joel Rodrigues / Agência Brasília)
Ingestão de água é grande aliada para enfrentar a baixa umidade na capital
  

Níveis de medição:

Entre 21% e 30% por cinco dias consecutivos: estado de atenção

 

- Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h;

- Umidificar o ambiente por meio de vaporizadores, toalhas molhadas e recipientes com água;

- Consumir água à vontade.

 

Entre 12% e 20% por dois dias seguidos: estado de alerta

 

- Observar as recomendações do estado de atenção;

- Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 17h;

- Evitar aglomerações em ambientes fechados;

- Usar soro fisiológico nos olhos e nas narinas.

 

Abaixo de 12% por dois dias seguidos: estado de emergência 

 

- Observar as recomendações para os estados de atenção e de alerta;

- Interromper qualquer atividade ao ar livre entre 10h e 16h;

- Manter os ambientes internos úmidos.

 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 71 - ESPECIAL SUSTENTABILIDADE