..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

ESPECIAL EDUCAÇÃO | Saúde »

Chega de sofrer

Escolas oferecem alternativas para que os estudantes não precisem carregar todo o material na mochila. Conteúdo digital e escaninhos, onde podem ser guardados livros e cadernos mais pesados, são boas opções

Wal Sousa - Publicação:25/10/2016 10:05
Todo estudante sabe a dificuldade de carregar diariamente o peso do material escolar nas costas. Livros, cadernos e apostilas de todas as disciplinas acabam sobrecarregando a mochila e, consequentemente, surge a dor lombar. Nesse sentido, a mochila de rodinha auxilia no equilíbrio do peso, mas a pediatra Sandi Sato, da Maternidade Brasília, alerta que para alcançar esse benefício a alça extensiva do carrinho deve estar no tamanho certo de cada aluno. Caso contrário, acabará entortando a coluna durante a caminhada. "Sempre atendo crianças com dor nas costas e oriento, no caso de mochila sem rodinha, alças acolchoadas e reguladas na altura da coluna lombar", diz.
Para a diretora da Escola Americana, Noela Xavier, a tecnologia também ajuda na sistematização dos estudos: todo o material didático dos alunos entre 3 e 10 anos fica guardado na instituição (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Para a diretora da Escola Americana, Noela Xavier, a tecnologia também ajuda na sistematização dos estudos: todo o material didático dos alunos entre 3 e 10 anos fica guardado na instituição

Até os 15 anos de idade, a coluna vertebral ainda está em formação, por isso é importante que os pais fiquem atentos àquilo que os filhos levam na mochila. O excesso de peso é prejudicial, podendo ocasionar dores e até desvios na coluna, como escoliose e lordose, explica o ortopedista Eduardo Abdalla, do Hospital Santa Luzia. "Normalmente, o adolescente chega ao ensino médio e troca a mochila de rodinha por uma comum, passando a cometer alguns erros, como usar alças muito finas e de um lado só do ombro, além do excesso de peso. O volume dos materiais não deve ultrapassar 10% do peso corporal da criança e do adolescente", afirma o médico. Para reduzir o efeito do peso do material sobre o corpo, o ortopedista informa que a prática de atividade física é essencial para o fortalecimento das musculaturas lombar e abdominal, que dão suporte à coluna vertebral, gerando menos riscos à saúde.

Com o objetivo de proporcionar bem-estar aos alunos, algumas escolas oferecem armários para a guarda dos objetos e disponibilizam o material didático em formato digital, diminuindo-se o volume a ser levado para as aulas. Há 10 anos houve um aumento do material didático dos alunos e desde então o Colégio Sigma passou a oferecer armários para locação.

"Para as crianças do fundamental I, orientamos que os professores mandem para casa somente o necessário para a lição do dia. O restante do material fica guardado em escaninhos, nas salas de aula", diz a diretora pedagógica, Juliana Diniz, que completa: "Há quatro anos, implantamos o ensino por meio do tablet, para aliviar o peso das mochilas, além de oferecer ferramentas mais tecnológicas e modernas. Na aula de artes, por exemplo, o aluno tem oportunidade de ouvir o som de algo que está sendo explicado pelo professor, ou assistir a vídeos que o ajudem a assimilar melhor o conteúdo". Juliana afirma que o principal objetivo é preparar o aluno para o mundo. Segundo ela, a utilização do material digital como ferramenta didática proporciona melhor formação do aluno, que desenvolve ainda mais suas habilidades e vivências digitais.

A estudante Victória Guedes Puchalski, de 18 anos, cursa a 3ª série do ensino médio no Sigma e já sente os benefícios da mudança. Ela conta que, a partir da 1ª série, passou a usar material digital fornecido pela escola e concluiu ser bem mais prático. "Quando estudo na biblioteca, vejo o quanto os livros são pesados e valorizo ainda mais o conteúdo digital, que permite as atualizações do ensino transmitidas de forma mais veloz. Apesar de usarmos bastante material on-line, ainda levamos caderno, apostila e o tablet. Por isso o armário é necessário." Victória diz que o uso do armário a ajuda na organização, pois não corre o risco de esquecer o material em casa, que está sempre à mão na escola.
Victória Puchalski cursa a 3ª série do ensino médio e diz que o escaninho é muito útil para os estudantes: 'Apesar de usarmos bastante material on-line, ainda levamos caderno, apostila e o tablet. Por isso, o armário é necessário'. Seu colega Diego Polonio diz que não é todo mundo que aderiu às facilidades (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Victória Puchalski cursa a 3ª série do ensino médio e diz que o escaninho é muito útil para os estudantes: "Apesar de usarmos bastante material on-line, ainda levamos caderno, apostila e o tablet. Por isso, o armário é necessário". Seu colega Diego Polonio diz que não é todo mundo que aderiu às facilidades

Assim como a colega, Diego Polonio, de 17 anos, ficou satisfeito quando passou a estudar com uso do tablet. "Eu levava uma mochila tão pesada que rasgou, mas agora, com o aplicativo fornecido pelo colégio, temos todo o conteúdo em formato digital para execução dos exercícios, leitura dos livros para o vestibular. Acho bem prático, mas não deixo de usar o armário. Tenho vários colegas que levam os objetos para casa e estão sempre reclamando de dores nas costas. Prefiro não passar por isso", conta o estudante.

Com foco no conforto dos alunos, o colégio SEB Dínatos COC dispõe de armários, e quem opta por não usá-los geralmente usa mochila com rodas, diz o analista de marketing Francisco Barbosa. "No Dínatos, o ensino abrange do fundamental II ao pré-vestibular e os armários podem ser utilizados por todas as séries. Registramos 90% de adesão. O fornecimento de material digital contribui para que o aluno carregue menos peso", explica.

Segundo Francisco, nas salas de aula, há um quadro interativo sensível ao toque, composto por duas telas, que reúnem recursos das salas especiais: animações, aulas digitais, 3D e vídeos. "Com essa tecnologia, o professor pode disponibilizar na internet todo o trabalho desenvolvido durante a aula", diz Francisco. O estudante Orson Oliveira, de 13 anos, cursa o 8° ano do SEB e levava os livros e cadernos para casa, o que provocava dores nas costas e má postura. "Por conta desse problema, passei a deixar meus objetos no colégio e não sinto mais desconfortos, guardo até o tablet, se eu não for usá-lo."  
Orson Oliveira, que está no 8° ano do SEB COC, já teve problemas como dores nas costas e má postura por conta dos muitos livros e cadernos que carregava todo dia: 'Por causa disso, passei a deixar meus objetos no colégio, até o tablet, e não sinto mais desconfortos' (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Orson Oliveira, que está no 8° ano do SEB COC, já teve problemas como dores nas costas e má postura por conta dos muitos livros e cadernos que carregava todo dia: "Por causa disso, passei a deixar meus objetos no colégio, até o tablet, e não sinto mais desconfortos"

Na Escola Americana, o material didático dos alunos entre 3 e 10 anos, da educação infantil ao fundamental I, fica guardado na escola. A diretora de Admissões, Noela Xavier, diz que os alunos têm apenas quatro matérias por dia, o que favorece na redução da carga que precisam levar. "A partir do 6º ano, todo o material é entregue digitalmente. Usamos um software que cadastra os dados dos estudantes e colabora com a sistematização dos estudos. Para facilitar, concedemos armários a eles, mas apenas 45% os utilizam, justamente pelo fato de terem mais atividades por meio digital. O conhecimento no mundo está crescendo exponencialmente e, com isso, os professores e os alunos têm, em poucos cliques, as informações atualizadas e de forma rápida."
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017