• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

SAÚDE | DIETA »

Seguro, mas com reservas

Aprovado pelas autoridades para fins de emagrecimento, o orlistate, princípio ativo do Xenical, é alvo de alerta: pesquisadores advertem para a perda de absorção dos ácidos graxos, essenciais para o bom funcionamento do organismo

Maria Vitória - Redação Publicação:17/04/2013 14:45Atualização:17/04/2013 15:06

 (Fernando Lopes/CB/DA Press)
Famoso nos primeiros anos do século XXI e apontado como uma droga milagrosa, o Xenical ainda hoje é considerado seguro para fins de emagrecimento. Entretanto, após 12 anos no mercado, começa a ter seus efeitos questionados. Pesquisa de dois doutores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Thiago Inácio Barros Lopes e Anita Jocelyne Marsaioli, demonstra que o orlistate (nome do princípio ativo) prejudica a absorção dos ácidos graxos – as chamadas “gorduras boas”, encontradas em óleos vegetais e gorduras animais, que devem fazer parte da dieta alimentar de qualquer pessoa.


Com as restrições adotadas pela vigilância sanitária brasileira para a venda de inibidores de apetites, o orlistate – presente também no medicamento Lipiblok, além do Xenical – tornou-se a primeira opção para quem deseja emagrecer. Mas os pesquisadores da Unicamp sustentam que, a longo prazo, pode levar a uma síndrome caracterizada pela deficiência de gordura no metabolismo do corpo humano e/ou surgimento de doenças. Eles detectaram ainda uma pequena redução de cálcio, essencial para o fortalecimento dos ossos, no organismo das 20 pessoas que participaram do estudo. Thiago Inácio Barros Lopes e Anita Jocelyne Marsaioli também constataram um paradoxo: o medicamento indicado para combater a obesidade produz uma modesta perda de peso.


A empresária Cristina* tomou o remédio por dois anos e não conseguiu emagrecer. “Em minha opinião, o produto só funciona se a pessoa aliar o uso a uma dieta de baixa caloria e atividades físicas intensas. Só o remédio e a dieta não emagrecem”, afirma. Aos 40 anos, ela luta contra o excesso de peso desde a adolescência, mas sua experiência com a substância não foi bem-sucedida. “Um fracasso. Não emagreci. Porém, sentia a gordura do meu corpo se esvair. Não apenas nas fezes, como diz a bula. A gordura era eliminada até pela urina”, conta.


O orlistate age no sistema digestivo impedindo que a gordura consumida seja absorvida pelo organismo e traga ganho de peso. Ela foi descoberta na década de 1990 e bloqueia a absorção de até 30% das gorduras ingeridas por meio da inibição da enzima lipase, responsável pela digestão de gorduras. O estudo dos pesquisadores mostrou que a alteração no perfil lipídico de ácidos graxos, criada pelo orlistate, é similar à que ocorre com a dieta de restrição, na qual o nível de gordura diminui. Apesar disso, Thiago assinala que esse problema pode ser resolvido com a suplementação de nutrientes e com medidas para conter a redução do nível de cálcio.

O endocrinologista Neuton Dornelas afirma que o uso prolongado do Xenical interfere na absorção de outros medicamentos, mas vê vantagens na droga: ajuda no controle de doenças metabólicas (Minervino Júnior/Encontro/DA Press)
O endocrinologista Neuton Dornelas afirma que o uso prolongado do Xenical interfere na absorção de outros medicamentos, mas vê vantagens na droga: ajuda no controle de doenças metabólicas

A vantagem do orlistate, em relação a outros medicamentos, está em seu modo de atuação, que fica mais restrito ao sistema gastrointestinal, ao contrário, por exemplo, da sibutramina, que atua diretamente no sistema nervoso central. O endocrinologista Neuton Dornelas, do Hospital Anchieta, reconhece que o uso prolongado de remédios à base de orlistate pode interferir na absorção de outros medicamentos pelo organismo. Ainda assim, acredita que ele é eficaz no tratamento contra a obesidade: “O seu uso é útil também para ajudar no controle de outras doenças metabólicas como o excesso de colesterol e o diabetes”.


Outro estudo, promovido por cientistas da Universidade de Rhode Island, nos Estados Unidos, mostrou que o medicamento é um inibidor potente da carboxilesterase-2, uma enzima importante na desintoxicação normal do fígado, rim e do aparelho gastrointestinal. “Quando a atividade dessa enzima diminui nesses órgãos, ou a toxicidade aumenta, a eficácia de algumas drogas é alterada”, defende Bingfang Yan, professor responsável pela pesquisa. A substância é conhecida por metabolizar uma grande variedade de medicamentos, incluindo a aspirina e os remédios contra câncer. Yan garante que alertou o FDA, o órgão norte-americano responsável pela aprovação de medicamentos, sobre os resultados, os quais ele considera alarmantes.

A médica Reisla Nogueira Gontijo prescreveu o medicamento à base de orlistate 
para a paciente Vanessa Struckl: 'Benefícios superam riscos', acredita. (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
A médica Reisla Nogueira Gontijo prescreveu o medicamento à base de orlistate para a paciente Vanessa Struckl: "Benefícios superam riscos", acredita.

Ciente dos riscos, a médica endocrinologista Reisla Nogueira Gontijo só recomenda o uso do produto com acompanhamento médico. “O remédio tem tarja vermelha, o que indica necessidade de prescrição médica. Porém, qualquer pessoa pode comprar o remédio em uma farmácia sem apresentar receita médica”, afirma. Segundo Reisla, os benefícios do uso da medicação superam eventuais riscos, já que a perda de peso melhora os níveis de gordura no sangue e o controle do diabetes e da hipertensão arterial.


Independentemente dos prós e contras, a empresária Vanessa Struckl, de 32 anos, tenta driblar a obesidade usando o orlistate. “Busco um tratamento com menos efeitos colaterais. Em 2011, usei inibidores de apetite, passei muito mal e consegui emagrecer 30 kg. Hoje, estou com os 30 kg. Não quero repetir o que passei antes”, diz.
Vanessa já descobriu que o remédio não age sozinho. Em novembro e dezembro, ela não seguiu ao pé da letra a proposta de reeducação alimentar. Não emagreceu. Em janeiro, diminuiu a quantidade de comida e passou a frequentar a academia. Emagreceu 4 kg. “Não estou tendo efeitos colaterais. Apenas sinto um pouco de enjoo quando vejo comida”, afirma. Por conselho da endocrinologista, ela toma apenas um comprimido ao dia, na hora do jantar.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017