• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Brasília 53 anos | Memória »

Quase Brasília

Pedaço de história pouco difundido, antes de a capital do país ser edificada onde hoje está, as cidades mineiras de Uberlândia e Tupaciguara por pouco não foram a sede do poder do Brasil

Cecília Garcia - Redação Publicação:22/04/2013 15:59Atualização:22/04/2013 16:11

A comissão chefiada pelo general Polli Coelho votou e, por apenas dois votos de diferença, a cidade de Uberlândia (foto) não se tornou capital do Brasil (Daniel Nunes / Divulgação)
A comissão chefiada pelo general Polli Coelho votou e, por apenas dois votos de diferença, a cidade de Uberlândia (foto) não se tornou capital do Brasil
 

Era uma vez, uma cidade jovem, de apenas 53 anos. Tendo como berço a modernidade e pouco tempo de memória, limitado número de pessoas podia imaginar que seu planejamento fora pensado quase um século antes de seu nascimento. O embrião surgiu com a República, em 1889, e foi devidamente registrado na Constituição de 1891. Porém, antes disso, várias expedições já haviam sido realizadas de forma a se conhecer o interior do Brasil e já visando a uma possível transferência do poder.


Um ano após a promulgação da Constituição, foi organizada a Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil, chefiada por Luiz Cruls, a fim de que fosse demarcado um lugar para abrigar o Distrito Federal. Em 1893, a comitiva, após uma série de estudos, escolheu um quadrilátero na região goiana, que seria considerado o “coração” do Brasil. Com o passar dos anos, a ideia da mudança ficou esquecida. O ímpeto inicial de transferência da sede do poder só retomou fôlego com a Segunda Guerra Mundial. Em 1942, submarinos alemães e italianos realizaram um ataque a embarcações brasileiras no oceano Atlântico, deixando transparecer a vulnerabilidade a que ficava exposta uma capital no litoral, no caso, o Rio de Janeiro.


Com o término da guerra, em 1945, a saída de Getúlio Vargas do governo e a entrada de Gaspar Dutra, o Brasil já não estava mais em perigo, e o projeto de mudança foi retomado no ano seguinte. Em 1946, uma comissão chefiada pelo general Polli Coelho, por meio de relatório, reafirmava a interiorização da capital: “Não é difícil compreender que em nenhuma outra área a resistência econômica e militar do Brasil contra qualquer ameaça ou ataque poderia ser maior e melhor organizada do que na Terra Central.”
A princípio, a comissão demarcou um quadrilátero que englobava o norte do Triângulo Mineiro e teria como centro a cidade de Uberlândia. O município já tinha estrutura, recursos hídricos, ferrovias e fácil ligação com cidades como São Paulo. A ideia, em determinado momento, seria deixá-la como capital e usar um terreno da vizinha Tupaciguara, doado pelo empresário e futuro prefeito de Uberlândia Tubal Vilela da Silva, como local para construir os ministérios. Seria uma descentralização do poder.

Vista aérea de Uberlândia na década de 1960: o município era atrativo para ser a capital porque tinha boa estrutura (Secretaria de Cultura de Uberlândia / Divulgação)
Vista aérea de Uberlândia na década de 1960: o município era atrativo para ser a capital porque tinha boa estrutura

Essa pouco conhecida parte da história, quem conta é a professora aposentada do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Jane de Fátima Silva Rodrigues. Depois de viajar ao Rio de Janeiro e Brasília, juntamente com uma orientanda, ela desenvolveu uma pesquisa sobre a mudança da capital da República para o Triângulo Mineiro. De acordo com a especialista, Uberlândia e o entorno do município foram visitados e estudados pela comissão durante dois anos. Chegou-se à conclusão de que a cidade reunia vários fatores favoráveis para ser a nova capital do Brasil. Para Jane, interesses políticos fizeram com que a comissão reavaliasse o uso de Uberlândia como capital.


Pedro Ludovico, político goiano da época – com grande influência –, convenceu Juscelino Kubitschek, que ainda não era presidente, a fazer uma inspeção em Goiás. Em agosto de 1948, a Comissão chefiada pelo general Polli Coelho encerrava seus estudos decidindo pela área demarcada pela Missão Cruls. Porém, dos 12 integrantes da comissão, cinco foram favoráveis à localização decidida pelo engenheiro Lucas Lopes, em Minas Gerais. Ou seja, Uberlândia só não se tornou capital do Brasil por dois votos.


Para a professora aposentada, a decisão pela localização atual do Distrito Federal foi uma conjunção de fatores, além do político. Um ponto foi a facilidade em conseguir terras em Goiás, já que apenas uma pequena parcela era ocupada e seria de fácil desapropriação naquele momento. A necessidade de habitar o Planalto Central também foi algo pensado. O Triângulo Mineiro já tinha movimentação econômica forte, instituições de ensino superior e não precisava, naquele momento, ser mais desenvolvida.


Além disso, explica a professora, o momento era favorável à construção de uma capital do “zero”. JK era cercado de intelectuais ousados, e a possibilidade de criar uma cidade organizada, planejada, para ser a sede do poder daria visibilidade ao país no cenário internacional. “Gastou-se muito dinheiro com a transferência para um local onde não havia nada, mas, quem sabe, em um futuro próximo àquela época, Uberlândia não comportasse mais a estrutura de uma capital, com o aumento do número de ministérios, por exemplo”, conclui Jane Rodrigues.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017