• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

ESTÉTICA | FITNESS »

A capital dos corpos monumentais

Brasilienses investem cada vez mais no estilo de vida que combina malhação pesada e alimentação equilibrada. O resultado é a autoestima valorizada e bem-estar

Fred Bottrel - Colunista Publicação:14/06/2013 17:05Atualização:14/06/2013 17:25

Camila Magalhães não esconde a fatura: um quarto do salário com academia, nutricionista e suplementos (Raimundo Sampaio/Encontro/D.A Press)
Camila Magalhães não esconde a fatura: um quarto do salário com academia, nutricionista e suplementos
 

Se a arquitetura e o urbanismo de Brasília denunciam projeto grandioso, a hipérbole também está nos glúteos, bíceps, peitorais e coxas que por aqui circulam. Enquanto o Rio de Janeiro não esconde DNA do culto ao corpo, a capital federal tem parques e lago, que encorajam a seminudez quase tanto quanto as areias fluminenses. Mas não é só essa a explicação para que musas e musos brasilienses não poupem esforços nem dinheiro para trincar a barriga. “Meu cliente médio é aquele cara ou aquela menina que era nerd, gordinho ou magrinho na infância, sofreu bullying, estudou bastante, passou em um bom concurso e hoje tem um dinheiro sobrando para investir em quê? Autoestima”, conta o especialista em nutrição esportiva Clayon Camargo.


Igor Kokay e a vingança do corpão: venceu a timidez e a insegurança na academia, ao custo de R$ 2 mil por mês (Minervino Júnior/Encontro/DA Press)
Igor Kokay e a vingança do corpão:
venceu a timidez e a insegurança
na academia, ao custo de
R$ 2 mil por mês
E isso vira bom negócio para ele, que cobra em média R$ 400 por consulta. O mercado de academias e nutrição esportiva movimenta R$ 420 milhões anuais, segundo as empresas do setor, enquanto maior renda per capita do país, coloca os brasilienses atrás apenas dos cariocas nesse quesito. O servidor público Igor Kokay encarna justamente a vingança do corpão. “Como era muito tímido e inseguro, quando adolescente, procurei moldar o meu corpo numa academia, como forma de inclusão social mesmo! Após a transformação do meu físico, percebi um interesse maior, de uma forma em geral, das pessoas por mim. Só não sei até onde isso pode ser positivo ou negativo.”, pondera. Enquanto reflete sobre o quanto a alma e o cérebro aparecem debaixo do tanquinho, ele não poupa o investimento: “Com personal trainer, nutricionista e suplementos, gasto em média R$ 2 mil por mês”.


Quando o assunto é saúde e beleza – e a mistura das duas coisas –, a advogada Camila Magalhães, que trabalha na Embaixada dos Estados Unidos, também não faz conta: “Gasto, sem dúvida, um quarto do meu salário em consultas, alimentos recomendados pelo nutricionista, academia, suplementação. E acho um investimento razoável, porque me traz qualidade de vida, me sinto mais confortável quando saio para me divertir, meu humor melhora”.


Hoje feliz da vida com 62 kg e 12% de gordura, Camila consegue rir do tempo em que vivia no efeito sanfona, deprimida, pulando da dieta da lua para a da sopa. “Já cheguei a pesar 82 kg, entrei nessas maluquices alimentares e fui a 52. Mas, depois, engordava tudo de novo. Hoje, percebo que o investimento certeiro, primeiro, é no bem-estar. ”


Exercícios e dieta rígida mudaram a vida de Marcelo Novaes: 'Nem acredito que hoje só tenho 7% de gordura' (Raimundo Sampaio/Encontro/D.A Press)
Exercícios e dieta rígida mudaram a
vida de Marcelo Novaes: "Nem acredito
que hoje só tenho 7% de gordura"
Os sacrifícios em busca de um corpo perfeito podem, eventualmente, extrapolar limites. Resultados rápidos normalmente enchem os olhos de novos adeptos da prática de atividades físicas. Domar esses impulsos também é desafio dos profissionais. “Fazemos tratamento multidisciplinar, com planejamento estratégico inspirado em padrão de atletas profissionais. Isso é suficiente. Só recomendamos o auxílio de tratamento hormonal nos casos em que isso é clinicamente indicado”, destaca Camargo.


Esse cliente que busca a estética pela estética é perigoso, segundo o especialista, porque assume de maneira acrítica qualquer tipo de intervenção perigosa. “Processos no conselho regional são comuns contra profissionais de nutrição que fazem essas indicações”, comenta Maria Fernanda Castioni, professora de nutrição da Universidade Católica de Brasília.


Enxergar os exageros é o desafio, segundo Kokay: “Já cheguei a ter 3% de gordura corporal. Sentia-me fraco, a estafa mental era constante e a minha imunidade ficou muito baixa. Malhava sem acompanhamento e minhas metas estavam além do que eu, realmente, conseguia suportar”. Ele conta que já passou mal várias vezes na academia, por ter alimentação extremamente restrita e tentar sobrecarregar os pesos dos equipamentos. “Também já fiz modulação hormonal, mas foi há muito tempo”, admite.


Quando a estética fala mais alto, o problema é grave, na avaliação do endocrinologista Marco Antonio Vívolo, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia. “Eu jamais orientaria hipertrofia à custa de anabolizantes. Além do ganho muscular em excesso, há risco de lesões e de desenvolvimento de tumores”, alerta. Ele destaca que a suplementação calórica e proteica, indicada por nutricionistas, não tem esses riscos: “Esses produtos não são obrigatoriamente hormonais e permitem que a pessoa tenha mais facilidade na hipertrofia”.


Malhadora compulsiva desde os 13 anos, a advogada Denise Rocha virou o 'furacão da CPI': convite para posar nua (Breno Fortes/CB/D.A Press)
Malhadora compulsiva desde os 13 anos,
a advogada Denise Rocha virou o
"furacão da CPI": convite para
posar nua
O médico reconhece que a prescrição das chamadas bombas permanece sob o jugo ético subjetivo dos profissionais, embora a associação de endocrinologistas a desencoraje fortemente. Entre as paredes do consultório, contudo, a prática ocorre como “tantas outras atrocidades”, diz. “Nos casos em que não há indicação precisa para a saúde, é risco desnecessário. Em termos éticos, isso pode ser questionado, se houve ou não a necessidade, porque essa é uma questão da relação médico e paciente.”


Embora entre os bombados seja comum o ditado “quem cresce só com água é planta”, alcançar bons resultados é possível na base da disciplina. “Me adaptei à dieta, nem lembro mais o gosto de arroz ou do refrigerante”, conta o servidor público Marcelo Novaes. Em um ano, ele foi de 107 kg para 74. “Nem acredito quando conto que meu percentual de gordura hoje é de 7%”. Dieta rigorosa e atividade física mudaram a vida de Novaes. “Nunca fui um cara dado a esportes, sempre fui meio gordinho. Nunca fui tão forte, nem tive um condicionamento físico tão bom.”


É clichê nos consultórios usar a palavra investimento para gastos nada modestos com os tratamentos e suplementação importada. Mas, para a brasiliense Denise Rocha, ex-assessora parlamentar, atual modelo, o termo não funcionou só como eufemismo. Malhadora compulsiva desde os 13 anos, a advogada viu a vida virar do avesso quando um vídeo íntimo vazou na internet e ela se tornou o “Furacão da CPI”. Deprimida, perdeu 11 kg e, quando veio generosa proposta para posar nua, entendeu que os anos dispensados na esteira e no leg press valeriam para alguma coisa: “O estalo foi: estou desempregada, preciso pagar as contas, por que não?”.

 

 (Arquivo pessoal)
Celebridade corpão

 

A modelo brasiliense Bianca Anchieta ficou famosa no Facebook quando uma foto que mostrava bem o corpão chegou a 10 mil curtidas em um dia. Depois de virar a musa do clipe do funk Ela é top (aquele da “foto na espelho para postar no Facebook”), o discurso de nova celebridade começa a se afinar: “Como a foto me valorizou bastante, comecei a me cobrar mais e percebi que o pessoal que me seguia no Instagram gostava dessa linha mais fitness, saúde mesmo”.

 

Enquanto ela se esbalda em sobremesas como mousse de proteína, uma rede de academias hoje patrocina o trabalho da jovem de 19 anos. Detalhes da dieta e dos treinos continuam lá, mas as fotos mais curtidas são as que continuam “valorizando bastante” o tônus muscular da moça.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017