• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Veículos I Lançamento »

Faça suas apostas

Ainda não se sabe qual dos modelos do Toyota Corolla, o norte-americano ou o europeu, será vendido no Brasil. Em comum, os dois têm ousadia

Marcelo Tokarski - Redação Publicação:29/07/2013 16:17Atualização:29/07/2013 16:22

O modelo europeu de frente: faróis e grade dianteira maiores (Fotos: Divulgação)
O modelo europeu de frente: faróis e grade dianteira maiores
 

Quase cinco décadas de produção. Fabricado em 16 países e comercializado em 154 mercados. Mais de 40 milhões de unidades comercializadas, o que o coloca no topo dos carros mais vendidos do mundo. Com tamanho currículo, o Toyota Corolla chega à sua 11ª geração bastante rejuvenescido. Após seis meses de muita expectativa, a montadora japonesa mostrou os modelos que serão vendidos nos mercados norte-americano e europeu. O primeiro é dono de linhas mais agressivas, enquanto o segundo tem visual um pouco mais comportado.


Mas de uma coisa não resta dúvida: independentemente de qual Corolla desembarcar por aqui, o que deve ocorrer no primeiro trimestre do ano que vem, o consumidor terá à disposição um modelo com design bem mais ousado, como já dera sinais o conceito Corolla Furia, apresentado no início de janeiro no Salão Internacional de Detroit, nos Estados Unidos. Europeu ou norte-americano, o novo sedã deixa de lado o conservadorismo e adota um estilo que deve agradar em cheio ao público mais jovem — façanha que o rival Honda Civic conseguiu nas duas últimas gerações.

O sedã europeu por trás: lanternas maiores e mais discretas (Fotos: Divulgação)
O sedã europeu por trás: lanternas maiores e mais discretas

Por fora, os dois Corollas apresentam pequenas diferenças. Na frente, o modelo europeu tem faróis e grade dianteira maiores, enquanto o norte-americano possui uma ampla entrada de ar e um desenho mais ousado nos faróis. Na parte traseira, o sedã vendido no Velho Continente tem lanternas maiores e mais discretas, o que lhe garante um ar um pouco mais sofisticado do que seu irmão dos EUA. Por dentro, os dois são praticamente iguais. A Toyota, que produz o Corolla brasileiro em Indaiatuba (SP), ainda não revelou qual dos dois será vendido por aqui, mas atualmente o sedã feito no país se parece mais com a antiga versão europeia, um pouco mais conservadora do que a norte-americana.


Diferenças à parte, o novo Corolla cresceu em relação a seu antecessor. Ele está mais comprido (4,63 m, 9,9 cm a mais), mais largo (1,76 m, 1,6 cm a mais) e mais baixo (1,45 m, 1 cm a menos). O entre-eixos também aumentou: são 10 cm a mais, elevando a distância para 2,70 m. Assim, a tendência é de que o sedã fique mais estável e confortável, principalmente para os passageiros de trás, que segundo a Toyota ganharam mais espaço para as pernas. O banco traseiro recuou 7,5 cm, o que aumentou o espaço para as pernas. Motorista e passageiro da frente também ganharam conforto extra: os assentos são 1,5 cm mais longos, o que garante melhor posição e mais conforto.

O norte-americano: ampla entrada de ar e desenho ousado (Fotos: Divulgação)
O norte-americano: ampla entrada de ar e desenho ousado

Nos Estados Unidos, o sedã será vendido em quatro versões: L, LE, S e a nova LE Eco, que promete reduzir em 5% o consumo de combustível. As três primeiras serão equipadas com motor 1.8 l de 132 cv e 17,7 kgfm de torque máximo. A LE Eco conta com a tecnologia Valvematic, que otimiza a abertura e fechamento das válvulas e reduz o consumo, apesar de elevar a potência para 140 cv. O torque sofreu uma leve perda, para 17,4 kgfm. Lá, serão três opções de câmbio. Um manual de seis marchas para a versão básica (L) e esportiva (S), um câmbio automático de quatro marchas para a versão L e a nova transmissão CVTi-S de sete marchas nos Corolla S, LE e LE Eco. No mercado brasileiro, no entanto, a tendência é de que o modelo seja equipado com os mesmos motores hoje oferecidos por aqui: 1.8 de 144 cv e 2.0 de 153 cv.


No mercado norte-americano, todas as versões têm faróis de LED, ar-condicionado digital, botão de partida, computador de bordo e oito airbags. A direção é elétrica, garantindo conforto nas manobras sem roubar potência do motor. Também de série, todas as versões são equipadas com controles de estabilidade e de tração, freios ABS com EBD e um sistema eletrônico que monitora a pressão dos pneus.

A traseira do Corolla americano: menos sofisticada que o europeu (Fotos: Divulgação)
A traseira do Corolla americano: menos sofisticada que o europeu

Duelo de gigantes

 

Há anos líderes absolutos no segmento dos sedãs médios, os japoneses Corolla e Civic travam um duelo à parte. No fim da década passada, o Toyota havia desbancado o Honda em unidades comercializadas no Brasil. Em abril, no entanto, o Civic ganhou duas armas que o colocaram de volta na briga pelo pódio: motor 2.0 (até então, ele só tinha a opção 1.8) e câmbio automático de seis velocidades. Foi o bastante para voltar ao topo. Nos cinco primeiros meses deste ano, o Civic teve 21.014 unidades vendidas, o que o coloca como o 18º modelo mais vendido do país. Mas o principal rival continua na cola, na 19ª posição, com 20.448. E a briga promete esquentar ainda mais, pois não é só o novo Corolla que desembarcará por aqui no início de 2014. No primeiro semestre, a Honda também renovará completamente o Civic.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017