• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

TURISMO | LAZER »

O melhor do cerrado

Nossa capital é rodeada por cachoeiras. A poucos quilômetros do Plano Piloto, há quedas d'água pequenas, grandes, de fácil acesso ou que exigem uma caminhada mais longa. Encontro Brasília listou as cinco melhores

Matheus Teixeira - Redação Publicação:18/10/2013 16:45Atualização:18/10/2013 18:04

 

 (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)

Um misto de aventura com o bem-estar provocado pela natureza encanta quem enfrenta uma trilha em meio ao cerrado à procura de uma cachoeira. A caminhada pode ser curta ou longa, mas a recompensa sempre é certa. Afinal, o destino é o cenário ideal para quem deseja relaxar: uma grande queda d’água, com um poço de água límpida para se refrescar sob a luz do sol, rodeado de árvores e flores das mais variadas espécies. Sortudo é o brasiliense. Em pouco mais de uma hora de carro pode chegar no tipo de cachoeira que quiser: pequena ou grande, com acesso fácil ou tortuoso, apenas bonita ou de tirar o fôlego.


As cachoeiras do Poço Azul, a cerca de 50 minutos do Plano Piloto, na zona rural de Brazlândia, são uma das mais frequentadas. Por apenas R$ 8, um leque de opções. Para ficar na primeira cachoeira, o Poço Azul propriamente dito, nem é preciso caminhar. Por ali, já se encontram pontos para saltar de até 9 m de altura e local para tomar banho. Se houver disposição para andar 30 minutos, chega-se à Garganta, com queda d’água de 13 m, onde o salto é considerado seguro. Outra opção é uma queda d’água de 7 m, com muita sombra para aproveitar, a apenas 10 minutos de caminhada.

Um mergulho para o bem-estar: a cachoeira do Poço Azul fica a apenas 50 minutos do Plano Piloto (Minervino Júnior/Encontro/DA Press)
Um mergulho para o bem-estar: a cachoeira do Poço Azul fica a apenas 50 minutos do Plano Piloto

Sempre que o estudante Pedro Henrique Amorim quer fugir um pouco da rotina, vai ao Poço Azul. Morador de Sobradinho, não leva mais do que meia hora de carro para chegar lá. “Pelo menos uma vez por mês venho aqui. Não tem nada melhor”, acredita. Há também os mais aventureiros, como o estudante Pedro Pinheiro, que prefere ir de bicicleta. “É um belo exercício. Pedalo mais de 40 km até chegar. E o melhor vem no final: um salto na cachoeira para lavar a alma”, exalta. Contudo, são cada vez mais frequentes as reclamações quanto à insegurança. “Já ouvi relatos de assaltos que aconteceram aqui. Isso assusta um pouco”, queixa-se Pedro Henrique.


Diferentemente do Poço Azul, a Chapada Imperial tem boa estrutura e é bem segura. Para os apaixonados por aventura, mais parece um paraíso. O preço é um pouco mais salgado. Custa R$ 80, mas com tudo incluso: 33 cachoeiras, piscinas naturais, arvorismo, tirolesa, além do almoço. Marcelo Imperial, um dos proprietários da área, diz que chega a receber 400 pessoas em fins de semana movimentados. A visita de escolas é comum. “Já veio até colégio de São Paulo conhecer. Acho que por lá não tem essas coisas. Em Brasília a população está mais próxima da natureza”, acredita.

Deslumbre na visita ao Salto do Itiquira: Luciano de Oliveira, Elzi e os filhos, Guilherme e Thamires (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Deslumbre na visita ao Salto do Itiquira: Luciano de Oliveira, Elzi e os filhos, Guilherme e Thamires

O secretário de Turismo do Distrito Federal, Luis Otávio Neves, diz que o cerrado tem um potencial de turismo natural muito grande que, muitas vezes, não é bem explorado. “Trabalhamos para divulgar algumas cachoeiras, mas estamos fazendo um grande estudo sobre o potencial turístico do DF e, depois de finalizado, com certeza esses atrativos ganharão ainda mais importância”, garante.


Um exemplo de local bastante difundido é o Salto do Itiquira. A 115 km de Brasília, tem clube, restaurante, bar, camping e hotel. Com 168 m de altura, é uma das maiores cachoeiras do Brasil e a maior do Centro-Oeste. Não é possível tomar banho nessa queda por causa da força da água. No entanto, há outras cachoeiras, além de poços e piscinas naturais apropriadas para banho.


Luciano de Oliveira nasceu em Formosa (GO), a 30 km do Itiquira, mas mora em São Paulo há muitos anos. Ele resolveu levar a família para conhecer o local onde passou a infância. “Não tinha essa estrutura que tem hoje. Meu pai contava que eles vinham a cavalo nos anos 1950, pois nem estrada existia”, lembra. Os filhos, Guilherme e Thamires, e a mulher, Elzi, adoraram o passeio. “É muito lindo”, admira-se Elzi. A filha, acostumada a passar as férias na praia, encantou-se com a beleza do cerrado. “É diferente, mas tão belo quanto”, opina.

A região é procurada por amantes da prática de esportes de aventuras (Minervino Júnior/Encontro/DA Press)
A região é procurada por amantes da prática de esportes de aventuras

Assim como o Itiquira, o Salto do Corumbá também é bem estruturado. Tem bar, restaurante, uma pousada e um camping com piscinas e toboágua. A 110 km de Brasília, o ideal é aproveitar a estrutura do local e passar um fim de semana. Dá para conhecer sete cachoeiras, visitar grutas, passear a cavalo, fazer rapel, rafting, tirolesa. O Salto do Corumbá é a maior de quatro cachoeiras formadas pelo rio Corumbá. Ela tem pouco mais de 50 metros e é ideal para a prática do rapel.


A 35 km do Plano Piloto, o Tororó já sofre com a expansão do Distrito Federal. A construção de condomínios e uma plantação de soja prejudicaram as nascentes do rio. Mas a cachoeira não perdeu o encanto. Com 18 m de altura, não é adequada para o salto, pois o poço é muito raso. Mergulhar e ficar debaixo da queda d’água, no entanto, já valem o passeio.

 

Poço Azul

 

 (Minervino Júnior/Encontro/DA PRESS)

 Onde: Brazlândia (DF)
 Atrativos: três cachoeiras
 Estrutura: não tem
 Quanto: R$ 8 por pessoa
 Distância do Plano Piloto: cerca de 50 minutos
 Trilhas: uma leve de cinco minutos; uma média de mais ou menos 10 minutos com subida íngreme,
e uma pesada de 25 minutos com poucas subidas

 

 (Minervino Júnior/Encontro/DA PRESS)
Chapada Imperial

 

 Onde: Brazlândia (DF)
 Atrativos: 33 cachoeiras, piscinas naturais, tirolesa, arvorismo, rapel
 Estrutura: clube e restaurante
 Quanto: pacotes de R$ 60, R$ 70 e R$ 80
 Distância do Plano Piloto: cerca de uma hora

Trilhas: tem algumas leves, médias e uma pesada, esta para a cachoeira principal, de 25 minutos de caminhada com muitas subidas 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 (Raimundo Sampaio/Encontro/D.A Press)
Salto do Itiquira

 

 Onde: Formosa (GO)
 Atrativos: uma das maiores cachoeiras do Brasil, com 168 metros, e outras cachoeiras pequenas, poços e piscinas naturais
 Estrutura: bar, restaurante, clube, pousada, hotel e camping
 Quanto: R$ 10
 Distância do Plano Piloto: uma hora e meia
 Trilhas: muito leve, só cinco minutos de caminhada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Salto do Corumbá

 

 (Edilson Rodrigues/CB/D.A Press)

 Onde: Corumbá (GO)
 Atrativos: sete cachoeiras, grutas, rapel, rafting, tirolesa, passeio a cavalo
 Estrutura: lanchonete, camping e pousada
 Quanto: durante a semana, R$ 20; aos fins de semana, R$ 25
 Distância do Plano Piloto: uma hora e meia
 Trilhas: média, com caminhada de 30 minutos para chegar à cachoeira principal e pouca subida

 

 (Edilson Rodrigues/CB/D.A Press)
Tororó

 

 Onde: Santa Maria (DF), na altura do km 6 da BR-140
 Atrativos: uma cachoeira e piscinas naturais
 Estrutura: nenhuma
 Quanto: R$ 10
 Distância do Plano Piloto: 35 minutos
 Trilhas: média. São 25 minutos de caminhada, com poucas subidas, mas com terreno pedregoso
 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017