• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

DIVERSÃO | ROTEIRO »

Bares de luxo

Empresários investem em ambientes elegantes, opções de bebidas e petiscos mais elaboradas e trilha sonora especial para atrair um público sofisticado

Leilane Menezes - Colunista Publicação:25/10/2013 15:08Atualização:25/10/2013 14:43

O Dudu Bar concentra um público jovem e sofisticado: muitas vezes, há fila à espera de um lugar na varanda (Bruno Pimentel/Encontro/DA Press)
O Dudu Bar concentra um público jovem e sofisticado: muitas vezes, há fila à espera de um lugar na varanda
 

A cerveja depois de um dia de trabalho ou o vinho que inicia o descanso do fim de semana ganham doses de sofisticação em alguns endereços de Brasília. Neles, é possível experimentar novos sabores e combinações, em ambientes mais badalados do que restaurantes e menos agitados do que boates. O barulho tradicional dos botecos da cidade é substituído pela música suave, em geral jazz ou MPB. Nada de mesas espalhadas na calçada e de braços levantados disputando a atenção dos garçons. O público, em geral, está perto dos 30 anos, tem alto poder aquisitivo e gosta de boa música, combinada com bebidas que não se encontram em qualquer lugar.


A fotógrafa Lívia Lucas, cliente do Balcony, explica sua frequência no bar: 'Venho, principalmente, por conta do jazz' (Fotos: Bruno Pimentel/Encontro/DA Press)
A fotógrafa Lívia Lucas, cliente do
Balcony, explica sua frequência no bar:
"Venho, principalmente, por conta do jazz"
O Bar Bottarga, que divide espaço com o restaurante, no Lago Sul, tem decoração em tons de azul que combina com o rótulo do Johnnie Walker Blue Label, um dos preferidos dos frequentadores. A casa montou um armário especial, com portas de vidro e chaves individuais, para os apreciadores da bebida. Quem quiser degustar o uísque pode escolher entre a sala vip, a portas fechadas, e o bar. “Criamos esse ambiente para receber um público mais jovem que o do restaurante. Recebemos muitas reservas para aniversário. O bar tem capacidade para 50 pessoas, então alguns preferem fechá-lo só para os amigos. Tem muito esquenta antes da balada também”, explica a gerente comercial, Raíssa Cavalcante.


A casa tem uma seção especial de vodcas importadas. Um dos drinques, o Ciroc French Martini, leva vodca, licor de amora, suco de abacaxi e framboesa. O Ciroc Champagne Cosmo é feito com vodca, grand marnier, suco de cranberry, suco de limão fresco e champanhe. “Batizamos uma das opções como drinque do Lucas, em homenagem a um cliente que estava sempre por aqui, mas agora vive em Nova York”, relata Raíssa. O bar faz homenagens à atriz Brigitte Bardot, que tem as mesmas iniciais do Bar Bottarga, BB. Há fotos dela nas paredes, e filmes protagonizados pela atriz são exibidos.


Entre os preferidos do Dudu Bar: misturas à base de vodca e licores ou espumantes, além do famoso queijo de coalho grelhado com geleia de pimenta (Fotos: Bruno Pimentel/Encontro/DA Press)
Entre os preferidos do Dudu Bar:
misturas à base de vodca e licores ou
espumantes, além do famoso queijo de
coalho grelhado com geleia de pimenta
No Balcony, na 412 Sul, o som do saxofone ajuda a criar o clima de sofisticação. A maioria dos frequentadores é de executivos e mulheres acima dos 30 anos, bem-sucedidas profissionalmente, de acordo com o proprietário do bar, José Luis Paixão. “Aqui não tem clima para garotada. Visamos um público mais seleto”, diz o empresário. Quando o sax se cala, o som mecânico toca de Beatles a Tim Maia. “Venho, principalmente, por conta do jazz. Gosto muito e aqui tem ao vivo. O ambiente e as pessoas também são muito agradáveis”, diz a fotógrafa Lívia Lucas, uma das clientes da casa.


O Balcony é embaixada da vodca holandesa Ketel One, destilada em alambique de cobre, 100% trigo e filtrada por carvão a granel. O barman João Marcelo, responsável pelas criações, elaborou o drinque Eternamente Ketel, com a vodca, tequila, suco de abacaxi, xarope de maçã-verde e suco de limão. Essa opção será servida até 31 de outubro, no festival que homenageia a marca. No último dia do mês, a dose será dupla.


Drinques especiais do Balcony: à base de vodca Ciroc, com licor ou champanhe (Fotos: Bruno Pimentel/Encontro/DA Press)
Drinques especiais do Balcony: à base
de vodca Ciroc, com licor ou champanhe
Uma mistura que faz sucesso entre os clientes da casa é o Blood and Sand, que leva Johnnie Walker Gold Label, Cherry Brand, vermute rosso e suco de laranja. “O público aqui é como o bar: clássico, mas com criatividade. O ambiente lembra os bares de Nova York, como o nome do bar propõe”, afirma João Marcelo, que anteriormente comandava as bebidas nos restaurantes Zuu e Quitinete. No início do mês, o Balcony lançou uma segunda casa, o Balcony Music, do outro lado da rua, com música ao vivo.


Clássico brasiliense, o Piantella é o favorito dos mais tradicionais. O piano bar tem jazz ao vivo todas as noites. Ali, o público vai de uísque e vinhos, principalmente. Os favoritos são os rótulos de 8 e 12 anos. O de 30 anos, Johnnie Walker, edição especial, cuja garrafa custa R$ 3 mil em distribuidoras, também é vendido em doses generosas, no restaurante. A champanhe Cristal está entre as mais pedidas, para um público sem medo de esbanjar. “Nosso bar é um bar de esperas, geralmente. Mas temos clientes que vêm tomar uma bebida e bater papo. O hábito de tomar drinques antes das refeições é muito europeu. Aqui no Brasil, vamos de uísque mesmo e muitos continuam nele durante o almoço ou jantar”, relata um dos sócios do Piantella, Marco Aurélio Costa. Entre os drinques, um dos favoritos do público é o Very Very Dry, coquetel feito com gim e vermute seco.

Tradicional em Brasília, o bar do Piantella tem jazz ao vivo no piano todas as noites: prévia chique do jantar (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Tradicional em Brasília, o bar do Piantella tem jazz ao vivo no piano todas as noites: prévia chique do jantar

O Dudu Bar, do chef Dudu Camargo, concentra público um pouco mais jovem. Para atender paladares exigentes, Dudu Camargo elaborou cardápio específico para o bar. “Temos um público eclético, voltado tanto para comida quanto para bebida”, explica Dudu. Ali, a regra é só parar de servir as doses quando o copo transbordar ou assim que o cliente der o sinal de satisfação. “Os favoritos são os drinques que levam misturas de vodca com licores, espumantes ou vinho do porto”, afirma o chef.

 

No Bar Bottarga, predominam na decoração os tons de azul: nas paredes, homenagens à atriz Brigitte Bardot, musa do espaço
 (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
No Bar Bottarga, predominam na decoração os tons de azul: nas paredes, homenagens à atriz Brigitte Bardot, musa do espaço

O cardápio oferece ainda 23 caipiroscas e 23 dry martinis distintos. Uma das mais pedidas é a caipirosca de maçã-verde com manjericão. Entre os petiscos, os mais famosos são queijo de coalho grelhado com geleia de pimenta e alho crocante e o Alibaba, no qual pão sírio feito na hora chega quente à mesa do cliente, acompanhado de quibe cru, coalhada e chancliche. “Nosso menu vai do árabe ao japonês, cheio de referências. O público adora e há fila de espera todos os dias para se sentar na área da varanda”, relata Dudu.

No Piantella, o clássico é o uísque: rótulos de 8, 12 anos e até edições especiais, como o do Johnnie Walker 30 anos (Bruno Pimentel/Encontro/DA Press)
No Piantella, o clássico é o uísque: rótulos de 8, 12 anos e até edições especiais, como o do Johnnie Walker 30 anos

De terça-feira a sábado, apresentam-se os DJs Bell Mesk, Daniel Black e Luiz Mello. Desde setembro, a segunda-feira tem presença do DJ Patife como residente. No som, jazz, MPB e blues, passando pelo soul, black music e funk. Esse dia tem cardápio especial de jantar e petiscos, variável a cada semana.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017