• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

CULTURA | PERFIL »

O maestro da voz

Um dos mais bem posicionados profissionais do mercado de musicais no Brasil, Marconi Araújo fez de Brasília um laboratório para o mundo

Sérgio Maggio - Redação Publicação:25/10/2013 16:23Atualização:25/10/2013 16:38

Cena de Os Miseráveis, de 2001: o espetáculo fez a carreira de Marconi decolar (Mila Maluhy/Divulgação)
Cena de Os Miseráveis, de 2001: o espetáculo fez a carreira de Marconi decolar
 

O maestro, pianista e contratenor Marconi Araújo é um homem que se conjuga na terceira pessoa do plural. Os afazeres são tão multiplicados que uma treinada equipe de assistentes pode falar perfeitamente por ele em redes sociais e e-mails. É assim no Facebook. Alguém manda uma mensagem, e o Marconi Araújo que responde não é exatamente o que se destacou, nos anos 1990, no comando de coros da Universidade de Brasília (UnB). Mas é como se fosse. Hoje, um dos mais conceituados profissionais do milionário mercado de musicais no Brasil, sobretudo o assentado em São Paulo, desdobra-se em mil e um Marconis só para dar conta de projetos que exigem a sua presença em carne e osso.

Nos anos 1990, Marconi Araújo foi um dos responsáveis por profissionalizar os corais de Brasília, levando-os para diversas competições internacionais. Sempre que experimentava algo novo, viajava com os grupos brasilienses à Europa para concursos, workshops e festivais a fim de se nivelar com os artistas do mundo. O currículo dele é repleto de prêmios em competições de coros. Isso também indicava o desejo de pôr em rota universal. “Sempre quis partir para uma cidade que desse uma estrutura para desenvolver uma carreira. Assim que voltei dos Estados Unidos, não encontrei cidade com melhores condições que São Paulo”, diz.

Encontrá-lo, aliás, a passeio em Brasília, para onde se mudou com a família pernambucana aos 12 anos, é como sonhar com chuva em mês áureo da seca. “Hoje, tudo me ocupa muito (risos). Tenho reservado uma boa parcela do meu tempo na preparação de jovens talentos para o mercado”, conta.

O que Marconi Araújo ensina é cotado como moeda valorizadíssima num país que descobriu, nos musicais, um mercado de trabalho bem remunerado e seleto. Com uma concorrência voraz, o profissional que se habilita a entrar numa produção, como Cabaret, necessita atender a um conjunto de habilidades singulares. “Um ator de teatro musical deve ter algumas qualidades: ser uma persona única, ter uma voz flexível com técnica e resistência a favor de qualquer direção. Se não for bailarino, necessita de conhecimentos básicos de dança e sapateado. E, sobretudo, possuir um talento especial na arte da dramaturgia. Vale ressaltar que a boa forma, o cuidado com o corpo e sua apresentação pessoal são preponderantes para um mercado que vende magia e beleza nos palcos”, enumera.

Marconi Araújo é hoje um dos principais preparadores de elenco dos grandes musicais: 'A boa forma, o cuidado com o corpo e sua apresentação pessoal são preponderantes para um mercado que vende magia e beleza nos palcos'. (Cassiano Grandi/Divulgação)
Marconi Araújo é hoje um dos principais
preparadores de elenco dos grandes
musicais: "A boa forma, o cuidado com
o corpo e sua apresentação pessoal são
preponderantes para um mercado
que vende magia e beleza nos palcos".
Há 10 anos, não era assim no Brasil. Foi preciso formar uma geração de atores de musicais que veio impulsionada pelo sucesso da primeira grande produção da Broadway no Brasil do século 21, Os miseráveis (2001). Marconi sonhava com esse momento desde que morava em Brasília e o agarrou sem pestanejar. Talvez isso explique por que 10 dos 12 principais personagens do espetáculo são de pupilos dele.

Até chegar à produção de Os miseráveis, Marconi vinha de uma escola na qual aprendeu a fazer teatro musical da melhor maneira possível, com as precárias condições. Nas produções brasilienses, ele já se conjugava na terceira pessoa do plural. “Era diretor geral, diretor musical, coreógrafo, visagista, figurinista, maquiador, cenógrafo, iluminador, sound designer e produtor executivo, além de contrarregra e algo mais que aparecesse”, contabiliza aos risos.

Um dos protagonistas da ascensão do musical franqueado da Broadway no Brasil, Marconi Araújo, no entanto, ainda não testemunhou o conceito de um gênero genuinamente brasileiro. “O estilo teatro musical tem por sua base texto e dramaturgia conectados com uma música escrita para esse fim, diferentemente do que chamamos musicais brasileiros hoje em dia”, pondera, ressaltando que produtores nacionais perceberam a força do mercado no país: “Um grande exemplo disso é o musical Tim Maia”, destaca.

Bem posicionado no mercado, ele acabou atraindo a atenção de estrelas como Claudia Raia. O encontro, mediado pela professora de canto Vera do Canto e Mello, selou-se em casamento profissional. “Nossa relação só cresceu, me tornei seu diretor musical e, principalmente, somos grandes amigos, admiradores do trabalho um do outro. O que mais me impressiona nela é a maturidade como artista, agindo como massa de modelar nas mãos de um diretor. Costumo dizer que não há nada que ela não possa fazer, pois a sua confiança no diretor e seu talento excepcional a tornam única.”

Menino cantor

Nascido em Olinda, Marconi Araújo é contratenor de destaque no Brasil. Assim, em meio às produções de musicais, ele sempre encontra um tempo para exercitar o canto. Geralmente, apresenta-se uma ou duas vezes por ano, nos intervalos das produções que dirige. “Sou um contratenor lírico desenvolvido para cantar ópera, e não música para camerista. Canto repertório de castrati. A confusão se estabelece aí, pois, mesmo não sendo um castrato, o repertório desse se adequa à minha vocalidade. Em 2005, Marconi Araújo venceu o primeiro lugar e prêmio revelação da categoria masculina no prestigiado 6º Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão, considerado atualmente o maior em canto da América Latina. “Enquanto na Europa e Américas, os contratenores líricos têm campo de trabalho, no Brasil ainda me considero sozinho no resgate desse repertório de virtuosismo”, ressalta o maestro, que, aos 9 anos, era sopranino em igrejas.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017