..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cidades | Infraestrutura »

O checklist da Copa

Ciclovias, asfalto novo, duplicação de rodovia, centros de atendimento ao turista e uma série de outras obras estão em andamento. Saiba quais ficarão prontas até o Mundial

Cecília Garcia - Redação Publicação:23/04/2014 16:09Atualização:24/04/2014 11:43
Câmeras de segurança instaladas nos arredores do estádio Mané Garrincha: Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) está previsto para este mês. (Minervino Júnior/Encontro/DA PRESS)
Câmeras de segurança instaladas nos arredores do estádio Mané Garrincha: Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) está previsto para este mês.

Na contagem regressiva para a Copa do Mundo de 2014, as 12 cidades-sede fazem os últimos ajustes antes do primeiro chute do campeonato acontecer. Foram quase sete anos de preparação para o Mundial, que terá início em junho deste ano. Para isso, foi celebrado em 13 de janeiro de 2010, a Matriz de Responsabilidades para viabilizar a execução de ações governamentais tanto para a Copa das Confederações de 2013 quanto para a Copa do Mundo deste ano.

Nesse documento, ficaram estabelecidas as obras programadas para o Mundial de 2014 e se a responsabilidade pelo financiamento de cada uma delas competia à União, aos estados, aos municípios ou ao Distrito Federal. Nele, foi indicado que competia ao governo distrital realizar e custear as intervenções referentes à mobilidade urbana, ao estádio e seu entorno, e as obras no entorno do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek. Além deles, por meio de anexos e termos aditivos ao contrato, também ficavam estabelecidas intervenções nas áreas de segurança pública e de turismo.

A menos de 100 dias da competição, das obras previstas pela Matriz, apenas o Estádio Nacional de Brasília e a subestação instalada em sua área externa estão prontos. Dos sete Centros de Atendimento ao Turistas (CATs) previstos, apenas três estão funcionando em estruturas permanentes, no aeroporto, na Praça dos Três Poderes e na Rodoviária Interestadual. Os outros dependem de reformas nos lugares onde serão instalados.
Readequação da DF-047, única obra  de mobilidade
urbana prevista no documento  oficial das obras da Copa: 
dentro do prazo  estipulado, segundo o GDF (Minervino Júnior/Encontro/DA PRESS)
Readequação da DF-047, única obra
de mobilidade urbana prevista no documento
oficial das obras da Copa: dentro do prazo
estipulado, segundo o GDF

A readequação da DF-047, única obra de mobilidade urbana do documento, está, de acordo com a Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do DF (Secopa), 90% concluída. A outra obra desse tipo que constava na Matriz era o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), desvinculado da Copa em 2012, já que não haveria tempo suficiente para sua conclusão. Os dois novos terminais do aeroporto serão inaugurados neste mês e em maio. Já o Centro Integrado de Comando e Controle Regional, o GDF inaugurará em abril.

De acordo com a secretaria, as outras obras que estão ocorrendo na cidade não estão vinculadas à Copa. O que houve foi uma decisão do governo distrital de aproveitar o momento e investir em obras de infraestrutura e mobilidade urbana, como o Eixo Sul do Expresso DF, o programa Asfalto Novo e a troca de iluminação do Eixo Monumental. Está prevista, também, a construção de mais de 600 km de ciclovias e ciclofaixas até o fim de 2014. Por enquanto, de acordo com a Novacap, 262 km estão prontos. “São obras fundamentais para a qualidade de vida no Distrito Federal e que levariam mais tempo para se concretizar, não fosse o Mundial”, explica o secretário Extraordinário da Copa, Cláudio Monteiro.
Apesar de não estarem previstas no planejamento para as obras  da Copa, as ciclovias começam a ser entregues à população:  investimento de R$ 41 milhões até o fim de 2014 (Minervino Júnior/Encontro/DA PRESS)
Apesar de não estarem previstas no planejamento para as obras
da Copa, as ciclovias começam a ser entregues à população:
investimento de R$ 41 milhões até o fim de 2014

Diante desse quadro, um dos quesitos que mais tem atraído olhares tanto do setor público quanto privado é a transparência na execução das obras. Do lado do governo, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) faz auditoria permanente no Estádio Nacional e ainda acompanha o andamento da execução por meio do cronograma físico-financeiro. Esse cronograma leva em conta o prazo previsto para cada etapa da obra e a previsão mensal de pagamento dos serviços executados.

A última auditoria realizada pelo órgão, divulgada em março deste ano, apontou possíveis irregularidades nos gastos da construção do local. Há indícios de superfaturamento de R$ 431 milhões em sua execução. A Coordenadoria de Comunicação para a Copa (ComCopa), por meio de nota, afirmanão existirem irregularidades ou superfaturamento. “Esse é um relatório preliminar, usual nos procedimentos do Tribunal de Contas do Distrito Federal. Ainda dentro do prazo, a Novacap e o Consórcio Brasília 2014 trabalham na elaboração do documento de resposta.”

Uma iniciativa da sociedade civil oferece ferramentas para ações coletivas de vigilância, monitoramento e controle social sobre os investimentos destinados à Copa. Esse é o projeto Jogo Limpo Dentro e Fora dos Estádios, do Instituto Ethos. A coordenadora do Comitê local, em Brasília, Lisandra Arantes Carvalhos explica que a proposta trabalha com a ideia de controle social para medir o nível de transparência da gestão de recursos públicos para a Copa. O monitoramento se dá por meio da análise de indicadores sobre os portais dos gestores públicos.

Nessa avaliação, Brasília tem índice de transparência 77,26, numa escala de zero a 100. Para se chegar a esse número, os indicadores medem o nível de transparência da gestão pública, com foco no acesso à informação e na participação social nos processos decisórios. Dos sete campos avaliados, a cidade recebeu nota máxima em três. Esse índice é considerado alto. “Brasília teve avanços desde o ano passado. Na primeira avaliação de indicadores, foi uma das piores colocadas. Na segunda, a diferença saltou aos olhos. Mas o ideal seria uma cidade, claro, com nota 100”, explica Lisandra. Um dos motivos para o crescimento foi a criação de um portal específico para transparência da Copa.
O secretário Extraordinário da Copa, Cláudio Monteiro, ressalta que o GDF aproveitou o mundial para deixar um legado: 'São obras fundamentais para a qualidade de vida' (Divulgação)
O secretário Extraordinário da Copa, Cláudio Monteiro, ressalta que o GDF aproveitou o mundial para deixar um legado: "São obras fundamentais para a qualidade de vida"
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017