..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cultura | Perfil »

Sem parar um minuto

Diretor audiovisual e fotógrafo, o brasiliense Bruno Fioravanti caiu nas graças das maiores gravadoras do país. Hoje, assina importantes produções musicais brasileiras. Só neste ano, já foram 50 viagens

Jéssica Germano - Redação Publicação:26/09/2014 09:00Atualização:26/09/2014 14:01

Com apenas 33 anos, Bruno Fioravanti é um requisitado produtor audiovisual: 'Tento pôr alma em cada um dos projetos' (Bruno Pimentel/Encontro/DA Press)
Com apenas 33 anos, Bruno Fioravanti
é um requisitado produtor audiovisual:
"Tento pôr alma em cada um dos projetos"
Desde 2010, tudo gira em torno da música. São clipes, capas de CDs e DVDs na íntegra. O trabalho, que começou no meio gospel e chegou ao topo do sertanejo, é a realização do que parecia uma utopia na vida de Bruno Fioravanti, de 33 anos. “Eu tinha banda de rock na adolescência e sempre quis trabalhar com aquilo, mas vi que com a banda não conseguiria”, conta o brasiliense, que se formou em publicidade e estudou cinema em Nova York.


Disposto a voar mais alto do que lhe permitiriam os grupos independentes locais, Bruno aprendeu sozinho e de forma intuitiva os segredos da edição de vídeos. Encontrou na produção audiovisual a viabilidade de unir duas de suas maiores paixões. “Eu queria viver de música, e acabou sendo com o vídeo, com a imagem”, resume, em conversa tranquila, pouco antes de mostrar no celular o clipe da nova música de trabalho de Zezé di Camargo e Luciano, lançado em rede nacional no mês passado.


Fundada em 2009, a Fioravanti Filmes tem uma eclética lista de clientes: de Aline Barros a Luan Santana, passando por Arlindo Cruz, Roupa Nova, Detonautas e, recentemente, Fagner e Zé Ramalho. A multiplicidade de ritmos, entretanto, nunca foi uma barreira. “É aí que está o detalhe. Eu consigo transitar entre os estilos. Não sou evangélico, por exemplo, e os cantores gospel sabem disso”, conta. A diversidade funciona a seu favor e alimenta as recomendações boca a boca dos músicos. O resultado são os contratos em série. “Tento pôr alma em cada um desses projetos diferentes”, garante.


A turnê mais longa que Bruno acompanhou foi a de Luan Santana: 
'Viajar e trabalhar com música são a melhor coisa que tem' (Arquivo pessoal)
A turnê mais longa que Bruno acompanhou foi a de Luan Santana: "Viajar e trabalhar com música são a melhor coisa que tem"
Encantado pela atmosfera que envolve os espetáculos, incluindo desde a apoteose nos palcos até a movimentação dos fãs em porta de hotel, o publicitário diz que o segredo do trabalho bem-sucedido está no envolvimento a fundo em todas as etapas do projeto. Em vez de fazer o papel de cinegrafista e apenas captar as imagens, ele almeja algo maior: “Não é só emprego, queremos e conseguimos transmitir emoção”.


Os contratos assinados com artistas da Som Livre e da Sony e, consequentemente, o ritmo intenso de trabalho não impedem que o cerrado brasiliense seja o seu pouso pelo menos até 2015. À pergunta frequente “O que você está fazendo em Brasília?”, responde: “É uma questão de escolha. Brasília tem tranquilidade”.


Três dias em Los Angeles com a cantora e atriz Sophia Abrahão: fotos e dois clipes (Arquivo pessoal)
Três dias em Los Angeles com a cantora e
atriz Sophia Abrahão: fotos e dois clipes
Esta opção já o fez perder muitos trabalhos no início da empresa. Mas as barreiras foram, aos poucos, derrubadas. Não sem dificuldade. Otimizar o tempo nas produções, ser elástico para estar nas reuniões, independentemente de onde sejam, cumprir prazos curtos – algo a que a capital não está acostumada – e assumir projetos de destaque foram atitudes fundamentais. “É muito trabalho, muita noite virada. Temos de assumir a responsabilidade de uma produtora gigante”, compara.


A agenda frenética de viagens impõe-se na rotina. Só em 2013, foram mais de 80 voos, contados por curiosidade. Até julho deste ano, mais de 50 cartões de embarques.


A turnê mais longa que acompanhou foi a de Luan Santana: Japão, Itália, Inglaterra, Portugal e México. A duração das viagens, porém, é sempre curta, em especial por causa de uma companhia recente: a filha Maria Luíza, de apenas 8 meses. Nada que o impeça de gravar dois clipes e ainda fazer fotos da atriz e cantora teen Sophia Abrahão em três dias em Los Angeles, mais um trabalho do cronograma. Fioravanti não reclama. “Viajar e trabalhar com música são a melhor coisa que tem”, assume, empolgado.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 55 | Julho de 2017