..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Capa | Mês das crianças »

O lucrativo mundo das festas infantis

De pequenas festas personalizadas a supereventos que chegam a R$ 100 mil, os aniversários de crianças movimentam um mercado em absoluta ascensão

Cecília Garcia - Redação Publicação:22/10/2014 14:20Atualização:23/10/2014 14:59

Megamundo
Ramo: casa de festa
Valores: até cerca de R$ 15 mil, com três opções de festas.
Serviços oferecidos: espaço físico, bufê e os profissionais. Só a decoração não está inclusa. Oferece também camarim, área baby, brinquedão, arvorismo, lava-pés, tirolesa, entre outros brinquedos.
Para a dona, Bruna Tomázio, um dos diferenciais da casa são os monitores. Todos são uni-versitários. 'A maioria 
é de estudantes da UnB. E são deles que eu mais recebo elogio ao final 
das festas. Além disso, todo evento 
do local conta com um ator cênico, 
com curso superior.' (Vinícius Santa Rosa/Encontro/DA Press)
Megamundo

Ramo: casa de festa
Valores: até cerca de R$ 15 mil, com três
opções de festas.
Serviços oferecidos: espaço físico, bufê
e os profissionais. Só a decoração não está
inclusa. Oferece também camarim, área
baby, brinquedão, arvorismo, lava-pés,
tirolesa, entre outros brinquedos. Para a
dona, Bruna Tomázio, um dos diferenciais
da casa são os monitores. Todos são uni-
versitários. "A maioria é de estudantes da
UnB. E são deles que eu mais recebo elogio
ao final das festas. Além disso, todo evento
do local conta com um ator cênico, com
curso superior."
Comemorar mais um ano de vida adquiriu novas proporções, principalmente quando o aniversariante, por vezes, não tem nem idade para entender o que está acontecendo. O mercado de festas infantis é extravagante e luxuoso. Há um orçamento mínimo, mas o céu é o limite no que se refere a gastos. Para uma festa que dura, em média, quatro horas, no fim de semana, é preciso pensar em vários fatores e seus altos valores, que não parecem afugentar a clientela.


As cifras não são para qualquer bolso. O valor do aluguel de uma casa de festas varia conforme a quantidade de convidados, mas pode ir até quase R$ 15 mil para 100 pessoas. E, apesar de as casas especializadas aliarem o espaço e brinquedos a um bufê próprio, há ainda os que preferem pedir os doces por fora e investir numa decoração personalizada. Uma boleira já tradicional em Brasília tem como preço de partida para um bolo decorado simples R$ 130, o quilo. O aluguel de uma maquete de dois andares pode sair por R$ 180. A decoração de uma festa grande, dependendo do estilo, começa em R$ 8 mil.


Tudo nesse mercado funciona para tornar aquelas horas memoráveis para o aniversariante. Para isso, antes de começar a festa, as casas especializadas estão prontas, a decoração está toda no lugar e a comida está bem encaminhada. A antecedência serve para evitar contratempos. Lidar com sonhos alheios não é tarefa para amadores. Nos momentos anteriores ao evento, os monitores e garçons se distraem com os brinquedos das crianças, aproveitando a pausa antes da maratona, que começa tão logo o aniversariante ponha os pés na festa. Nesse momento, rápidos como foguetes, todos se posicionam. Acionam os melhores sorrisos, os cumprimentos mais cordiais. O motivo de toda aquela festa, enfim, chegou.


A ex-jogadora de vôlei Leila Barros, e o marido, Emanuel Rego, comemoram aniversário do filho, Lukas: investimento também é para reunir a família (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
A ex-jogadora de vôlei Leila Barros, e o
marido, Emanuel Rego, comemoram
aniversário do filho, Lukas: investimento
também é para reunir a família


Para deixar a tarefa do planejamento mais prática, nesse mercado há alguns serviços que unem possibilidades. Com a decoração, por exemplo, é possível comprar as lembrancinhas e convites com o tema da festa. Algumas casas também oferecem os dois, mas com a identidade visual já definida. Uma delas é a ZugBug, localizada no Lago Norte. Lembrancinha, convite e bufê fazem parte do pacote oferecido. No mercado há sete anos, o negócio começou quando a dona, que já era proprietária de um bufê infantil, resolveu investir nesse ramo também.


O local é bem amplo, o que permite ter uma área externa equipada com piscina e quadra de esportes. Além disso, um campo de minigolfe está sendo construído. O gerente administrativo da casa, William Borges, afirma que um dos diferenciais da casa é o tamanho e a disposição do espaço. Além disso, a área externa é praticamente do mesmo nível da interna, dando maior segurança aos pais. “Com isso, a mãe tem visão de toda a festa.”


Por ser um mercado existente praticamente em função das crianças, segurança é a palavra de ordem, imprescindível em todas as etapas da produção de uma festa. A empresária Bruna Tomázio, mãe de dois filhos, um de 9 anos e outro de 11 anos, quando planejou seu empreendimento, decidiu colocar no segundo andar da casa de festas apenas atrações para os pais e posicionado de modo que eles possam ver todo o salão inferior. “Não gosto de criança subindo e descendo escada”, justifica.


Bruna decidiu entrar no mercado porque fazia a festa de seus filhos em casas especializadas, mas não ficava satisfeita com o que havia em Brasília. “Achava mais prático do que em casa. Mas comecei a achar que não havia casa de festa do jeito que eu gostaria.” Foi assim que, há sete anos, começou a idealizar um empreendimento do gênero. Há cinco meses, foi inaugurada a Megamundo, no Setor de Clubes Sul.


Quando planejou a casa de festas, Bruna pensou na falta da interação entre adultos e crianças nos eventos. “Os pais nem gostam de ir. Então, pensei em fazer brinquedos para que os adultos pudessem brincar com as crianças.” Inclusive, no local, há uma área, junto à dos pequenos, em que a brincadeira é dos pais. Trata-se de um fliperama com jogos antigos e um console que reproduz o jogo Genius, um clássico dos anos 1980. Bruna conta que precisava de atrações com as quais as crianças da classe A, seu público-alvo, se identificassem. “Elas viajam o mundo inteiro, sabem o que é brinquedo bom. Não adiantava colocar qualquer um.”


 Maria de Fárima Cake Designer 
Ramo: doces em geral
Valores: o bolo decorado custa a partir 
de R$ 113, o quilo. A maquete, se já estiver pronta, 
e for de dois andares, por exemplo, sai por volta 
de R$180, o aluguel. Se precisar confeccionar 
uma, custa R$ 150, o andar. Mas os preços 
podem aumentar de acordo com o ta-manho 
e a complexidade das decorações.
Serviços oferecidos: bolos e todo tipo de doces.
Maria de Fátima Ferreira explica que cada tema 
é um trabalho diferente. Nos valores, o céu é o limite. 
Vai depen-der de quantos andares, quantos bonecos 
o cliente quer, se é um bolo complexo de ser elaborado. 'O nosso trabalho é todo feito de açúcar, inclusive 
as maquetes. A parte de preparo dos bolos envolve 
uma parte artística mesmo, artesanal. As pessoas
têm de ser muito bem treinadas para fazer esse 
tipo de trabalho.'
 (Vinícius Santa Rosa/Encontro/DA Press)
Maria de Fárima Cake Designer

Ramo: doces em geral
Valores: o bolo decorado custa a partir
de R$ 113, o quilo. A maquete, se já
estiver pronta, e for de dois andares,
por exemplo, sai por volta de R$180,
o aluguel. Se precisar confeccionar uma,
custa R$ 150, o andar. Mas os preços
podem aumentar de acordo com o ta-
manho e a complexidade das decorações.
Serviços oferecidos: bolos e todo tipo de
doces. Maria de Fátima Ferreira explica
que cada tema é um trabalho diferente.
Nos valores, o céu é o limite. Vai depen-
der de quantos andares, quantos bonecos
o cliente quer, se é um bolo complexo de
ser elaborado. "O nosso trabalho é todo
feito de açúcar, inclusive as maquetes.
A parte de preparo dos bolos envolve uma
parte artística mesmo, artesanal. As pessoas
têm de ser muito bem treinadas para fazer
esse tipo de trabalho."

Não só as crianças ficaram exigentes. Os pais, responsáveis por bancar toda essa produção, também. Cachorro-quente, minipizza e batata frita são lanches que não podem faltar, afinal, são tradição, referência de festa infantil. Mas o cliente quer mais. “As festas foram enriquecendo-se em detalhes, ficando mais glamorosas. Por exemplo, antigamente não se falava muito em ter espumante (nas festas), hoje já é comum”, conta Vladimir Matteo Garcia, dono da Mansão Catavento, do Espaço Catavento e da Dames.

 

Vladimir faz parte do grupo Play Games – no ramo do entretenimento infantil há 20 anos –, que hoje administra as casas. “Passamos por todas as etapas: locação de brinquedos, montagem de parques, brinquedotecas de shoppings, casas de festas e, então, vieram as unidades de jogos em shopping centers.”


O empresário conta que a parte de serviço e de estrutura é idêntica nas três casas de festa, a única coisa que muda são os modelos dos brinquedos. Ao todo, são realizadas, em média, 70 festas por mês. Os salões são locados geralmente na sexta, quando há somente uma festa, e aos sábados e domingos, quando ocorrem as festas tradicionais à tarde e as de café da manhã. Esporadicamente, ainda há eventos durante a semana. “É mais barato, mas não é só esse o atrativo. Às vezes, é porque não temos mais vaga na agenda e o cliente quer fazer conosco”, conta. De acordo com o empresário, um prazo bom para conseguir uma festa nas três casas é de seis meses. “Neste ano, não há mais nenhum fim de semana disponível. Abrimos a agenda de 2015, mas até março ou abril são poucas as datas de fim de semana livres.”


Uma das pessoas que conseguiu uma vaga ainda neste ano foi Leiliane Pereira. A comerciante comemorou a festa de 2 anos do filho Pedro Lucas em setembro. É a primeira vez que recorre aos serviços de uma casa de festa e de decoração. A preparação começou com sete meses de antecedência. “Fui bem organizada”, conta. O tema safári foi escolhido levando em conta as preferências da criança. “Ele tem muita afeição pelos bichos. Escolhi para atrair a atenção dele.” Mas a mãe confessa que ela e o marido estavam bem atarefados para preparar a festa, enquanto Pedro estava tranquilo, sem nem entender o que estava acontecendo, apenas esperando a comemoração.


Já a atleta Leila Barros está acostumada a recorrer a esses serviços de casa de festa e decoração nas comemorações do filho, Lukas. Apenas o aniversário de 2 anos não seguiu o mesmo estilo. O planejamento desse ano foi em cima da hora. “Não íamos fazer porque o ano está corrido. Mas nosso filho é um grande parceiro.” Além disso, ela conta que esse é um momento de reunir a família, que mora fora de Brasília. O tema Carros foi escolhido pelo garoto, que está na fase de gostar de carrinho, avião e bola.


D'Flor
Ramo: decoração
Valores: festa pequena, para 50 
pessoas, a partir de R$ 10 mil
Serviço oferecido: 
decoração personalizada. 
Exclusividade é a proposta 
das irmãs Ana Rosa e Ana 
Cláudia Saraiva. Para elas, 
não é gra-tificante repetir o que 
já foi feito. Elas apontam como 
tendência as flores naturais 
nos arranjos, talheres de madeira 
e canu-dinhos de papel, cardápio 
saudável e ani-mações que resgatam brincadeiras de anti-gamente, como jogos e gincanas.
 (Vinícius Santa Rosa/Encontro/DA Press)
D'Flor

Ramo: decoração
Valores: festa pequena, para 50 pessoas,
a partir de R$ 10 mil
Serviço oferecido: decoração personalizada.
Exclusividade é a proposta das irmãs Ana Rosa
e Ana Cláudia Saraiva. Para elas, não é gra-
tificante repetir o que já foi feito. Elas
apontam como tendência as flores naturais
nos arranjos, talheres de madeira e canu-
dinhos de papel, cardápio saudável e ani-
mações que resgatam brincadeiras de anti-
gamente, como jogos e gincanas.
Na busca por complementar a decoração e animação dos eventos, os pais buscam serviços extras. A administradora Anna Paula Vilela Siqueira sempre recorre a esse tipo de artifício para deixar suas festas personalizadas. “Procuro algo para surpreender, deixar ‘com a minha cara’.” Todos os anos, o aniversário de Júlia, sua filha, é em grande estilo. Esse ano, como alguns dos extras, encomendou itens da Argentina, comprou outros na Disney, contratou atores nos papéis de Cinderela e príncipe encantado para recepcionar os convidados e dançar a valsa.

 

A filha de Anna, que completou 3 anos, escolheu, como tema da festa, Cinderela. A garota foi com a família à Disney e se encantou com a personagem, que era a primeira princesa com que teve contato por meio de filme. Mesmo pequenina, Júlia acompanha a mãe em todas as escolhas da festa. A animação de Anna Paula ao contar sobre os detalhes, das lembrancinhas às opções de roupas que Júlia usará, cria naturalmente uma dúvida sobre quem está mais empolgada com a situação: ela ou a filha.


“Hoje, está mais equilibrado. Quando ela era menor, a mais empolgada era definitivamente eu. Gosto muito de fazer festa”, confessa. Na parte dos doces, bolos e guloseimas, os pais também buscam por fora mais opções nesse segmento para complementar o que já é oferecido pelas casas de festa.

Uma das empresárias do ramo mais procuradas é a boleira Maria de Fátima Ferreira de Morais. “Da parte infantil, trabalhamos com todos os doces. Desde a linha do brigadeiro, que é aquele mais simples, até os mais elaborados,  com carinha de bichinhos e as maquetes trabalhadas com o tema da festa.” Há 28 anos nesse ramo, a empresária começou com o aniversário de 1 ano de seu filho. Com tanto tempo no mercado, Maria de Fátima pode confirmar a suspeita já popularizada: o brigadeiro não pode faltar em festa infantil. “A festa pode ser a mais sofisticada, mas sempre tem, nem que seja um pouquinho, dos doces mais simples. Brigadeiro, casadinho e beijinho”, conta.


Mas, é claro, seus clientes sempre pedem também os mais elaborados. A parte mais cara de toda a produção de uma festa infantil é a decoração. E os valores não são fixos. Vão aumentando à medida que os detalhes são acrescentados, e cenários ou ambientes, construídos. Não importa o estilo escolhido, seja provençal, seja totalmente personalizado, seja tradicional.


Pedro Lucas, 
com os pais, Leiliane 
Conte e Jair Conte: festa exigiu sete meses de preparação dos pais, 
que escolheram tudo 
nos mínimos detalhes (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Pedro Lucas, com os pais, Leiliane Conte e Jair Conte: festa exigiu sete meses de preparação dos pais, que escolheram tudo nos mínimos detalhes
As decorações seguem tendências, novidades despontam no mercado,  conferindo cada vez mais pompa às produções. Para Fabiani Christine, dona da Dot Paper, uma inclinação muito forte do mercado, em seu estilo de decoração, é o retorno ao antigo, àquelas festas com cara de feitas em casa. A loja começou fazendo apenas convites e lembrancinhas, que até hoje são seu carro-chefe. Com o passar do tempo, algumas clientes pediram para a papelaria fazer os projetos de suas festas. Isso culminou na criação de um novo braço da loja, a Dot Party. “Fazemos tudo. Desde o ‘save the date’ até o cartãozinho de agradecimento depois da festa”, conta Fabiani. “Mandamos muito a parte de lembrancinhas e convites para fora, tanto de Brasília quanto do Brasil.”

 

A empresária conta que a tendência em convites é eles serem úteis, como canecas ou um brinquedo. “Achamos que o convite é o termômetro da festa, ele vai dizer como é que vai ser no dia.” Já o saquinho de doce como lembrancinha transformou-se na mesa de guloseimas. Mas a novidade está nos mimos para os adultos também. “Na maioria das festas, quando é de 1 ano, mais ou menos, muitas amigas da mãe não têm filho ainda, mas foram à festa, levaram presentes. Então, é legal ter um presente adulto que ela use.”


Dot Paper/Dot Party
Ramo: convites, lembrancinhas e decoração.
Valores: convite a partir de R$ 8, cada um. Decoração a partir de R$ 8 mil.
Serviços oferecidos: Desde o 'save the date', convites, decoração completa, até o car-tãozinho de agradecimento depois da festa.
A empresária Fabiani Christine explica que faz 
os projetos com detalhamentos, desde 
a identidade visual a como será a planta baixa. 'Todo mundo quem vem aqui para fechar uma festa participa de, no mínimo, quatro reuniões 
para fazer exatamente uma festa dos sonhos, 
que ninguém nunca teve.' Pelo nível 
de personalização que oferecem, a dona conta 
que pegam, no máximo, cinco festas infantis grandes por mês. (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Dot Paper/Dot Party

Ramo: convites, lembrancinhas e decoração.
Valores: convite a partir de R$ 8, cada um.
Decoração a partir de R$ 8 mil.
Serviços oferecidos: Desde o "save the date",
convites, decoração completa, até o car-
tãozinho de agradecimento depois da festa.
A empresária Fabiani Christine explica que
faz os projetos com detalhamentos, desde
a identidade visual a como será a planta
baixa. "Todo mundo quem vem aqui para
fechar uma festa participa de, no mínimo,
quatro reuniões para fazer exatamente uma
festa dos sonhos, que ninguém nunca teve."
Pelo nível de personalização que oferecem,
a dona conta que pegam, no máximo, cinco
festas infantis grandes por mês.
Na hora de escolher a decoração dos pequenos de até 3 anos, as crianças quase não participam, conta Fabiani. “Os pais acabam escolhendo ou um tema que queriam ter, porque a festa acaba sendo para eles, ou algo que a criança está vendo.” No caso dos maiores, a entrevista é diretamente com eles. “É importante a criança amar a festa, apesar de ter pais que gostam de fazer para eles, para mostrar para os amigos, acho que o aniversariante tem de achar aquele dia inesquecível.”


Na busca pelo luxuoso, por vezes os adultos esquecem que as festas são para as crianças. Isso para a empresária Julie Anna de Wander, dona da loja de decoração Festas Criativas, é algo que não pode acontecer. “Não pode faltar o lúdico. Fazer uma festa de criança que não se parece com uma criança é um pecado.” Mesmo porque, para Julie, as cifras gastas em festas infantis não refletem apenas o poder aquisitivo da família. Tem mais relação com o valor que elas dão a esse momento. “Tem pessoas que têm dinheiro, mas fazem uma festa simples. Isso é muito pessoal.”

 

Há 10 anos, antes mesmo de abrir a loja, Julie já trabalhava com decoração de festas informalmente, como um hobby, nem sabia cobrar pelo serviço. Quando viu que o talento poderia ser uma fonte de renda, começou a estudar, viajar para procurar fornecedores, estudar o que tinha no mercado de diferente. “Eu trouxe o que é chamado de esculturas gigantes. Esse é o grande diferencial da Festas Criativas.” De acordo com a empresária, o intuito foi fazer da decoração parte da brincadeira. “Tudo aqui na loja a pessoa pode subir, entrar, não tem essa de que vai quebrar. A ideia é aproximar esse sonho da criança, mas de forma interativa.”

 

 

 


Festas Criativas
Ramo: decoração
Valores: a partir de R$ 1.900
Serviços oferecidos: decoração, 
convites, arranjos e lembranças. 
Costumam fazer, em média, 20 festas 
por semana. A equipe é composta 
de 58 funcionários. Quatro caminhões transportam os equipamentos. 
'Já fiz festas que passaram de R$ 100 mil', conta Julie Anna de Wander. Um diferencial 
são as peças feitas em fibra resinada, material que, segundo a empresária, 
tem contrato de exclusividade. (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Festas Criativas

Ramo: decoração
Valores: a partir de R$ 1.900
Serviços oferecidos: decoração, convites, arranjos e lembranças. Costumam fazer, em média, 20 festas por semana. A equipe é composta de 58 funcionários. Quatro caminhões transportam os equipamentos. "Já fiz festas que passaram de R$ 100 mil", conta Julie Anna de Wander. Um diferencial são as peças feitas em fibra resinada, material que, segundo a empresária, tem contrato de exclusividade.
Anna Vilela investiu numa festa de Cinderela para os 3 anos da filha, Júlia: peças de decoração trazidas também da Disney e da Argentina (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Anna Vilela investiu numa festa de Cinderela para os 3 anos da filha, Júlia: peças de decoração trazidas também da Disney e da Argentina
No meio desse mercado de alta procura, uma família destaca-se por fazer as suas festas à moda antiga e, mesmo assim, conseguir elaborar aniversários infantis de alto padrão. A família de Ana Rosa e Ana Cláudia Saraiva é assim. Suas festas acontecem no quintal da casa de sua mãe, no Lago Norte. O bufê vem direto da cozinha da casa. A decoração é feita por elas mesmas. E, nessa dança, todo mundo da casa acaba participando. “Sobra até para o cachorro”, brinca Ana Rosa.


A família sempre fez festas de maneira geral. A primeira infantil foi a da filha de Ana Cláudia, Helena, em 2003, com a temática de fadas. Também em 2003, começaram a trabalhar com forminhas e lembrancinhas mais voltadas para casamentos com o nome D’flor. Por conta desse trabalho, as irmãs criaram um blog e Ana Cláudia passou a postar fotos das festas que faziam. “As pessoas começaram a se identificar com nosso estilo, que ainda não existia em Brasília, e a nos procurar.” Em 2012, entraram no mercado profissionalmente. “A  proposta é ser a festa daquela pessoa. Por exemplo, já fizemos duas festas do Frozen, mas ficaram completamente diferentes.”


Mansão Catavento, Espaço Catavento e Dames
Ramo: casas de festa
Valores: até cerca de R$ 12.500
Serviços oferecidos: as únicas coisas não inclusas são a parte cenográfica e bebida alcoólica, paga por fora de acordo com 
a quantidade consumida. O cliente tem direito desde o convite 
e a lembrancinha ao bufê.
Para o dono dos empreendimentos, Vladimir Matteo Garcia, 
as casas têm tradição em relação à qualidade dos serviços. 'Temos uma estrutura bem profissional, desde o atendimento 
à gerência de eventos e equipe de manutenção.'
Algumas funções que con-sideram essenciais são funcionários próprios, o restante é de temporários, mas que, na maioria, 
está na casa há anos. 'A mão de obra desse mercado é escassa. Mas nossa equipe tem pessoas muito antigas, são poucos os novatos.' (Raimundo Sampaio/Encontro/DA Press)
Mansão Catavento,
Espaço Catavento e Dames

Ramo: casas de festa
Valores: até cerca de R$ 12.500
Serviços oferecidos: as únicas coisas não
inclusas são a parte cenográfica e bebida
alcoólica, paga por fora de acordo com a
quantidade consumida. O cliente tem direito
desde o convite e a lembrancinha ao bufê.
Para o dono dos empreendimentos, Vladimir
Matteo Garcia, as casas têm tradição em
relação à qualidade dos serviços. "Temos
uma estrutura bem profissional, desde o
atendimento à gerência de eventos e equipe
de manutenção." Algumas funções que con-
sideram essenciais são funcionários próprios,
o restante é de temporários, mas que, na
maioria, está na casa há anos. "A mão de
obra desse mercado é escassa. Mas nossa
equipe tem pessoas muito antigas, são
poucos os novatos."
Ana Rosa acredita que hoje as festas são muito exclusivas. As mães querem oferecer experiências não só para a criança, mas para os convidados também. “Quando uma pessoa está preocupada com a experiência, com o diferencial que vai oferecer, está preocupada se o docinho tem ou não tem lactose, você acha que ela vai querer uma festa igual à de todo mundo? Ela quer a festa dela. Sob medida para os filhos.”


No mundo das festas infantis, não é só o aniversário que adquiriu ares luxuosos. Antes mesmo de nascer, ou de completar 1 ano de vida, os pais já dão demonstrações de como serão as futuras comemorações dessas crianças por meio dos chás de bebê e batizados. O porte geralmente é menor, os convidados são poucos. Somente a família e amigos mais próximos. Mas o requinte também se faz presente.


A boleira Maria de Fátima Ferreira também trabalha com batizados e chás de bebês, outro segmento bastante atrativo. Segundo a empresária, nessas comemorações normalmente não usadas maquetes, e sim bolos, mas com o mesmo nível de decoração, mudando a temática. As lembrancinhas, mesmo que acompanhadas de algum objeto, como um ursinho ou uma caixinha mais elaborada, sempre pedem docinhos como complemento, fazendo sucesso os biscoitos e pirulitos de chocolate.


Para Fabiani Christine, da Dot Paper, esse tipo de festa fica melhor se for marcada pela neutralidade. Ela costuma fazer as comemorações com temáticas de urso, ovelha, boneca de pano, sempre clássicos. “São temas que, daqui a 20 anos, a pessoa vai ver o álbum, achar lindo e querer fazer outra.”
Ainda de acordo com Fabiani, as lembrancinhas são diferentes porque são voltadas para adultos. Sprays, velas, marcadores de página, nécessaire de linho são alguns dos itens mais pedidos. Quando a festa é pequena, fazem uma lembrança com o nome de cada um. “O personalizado encanta.”

 

Zug Bug 
Ramo: casa de festa
Valores: a partir de R$ 4.300 
para 40 convidados
Serviços oferecidos: 
espaço, brinquedos, piscina, 
bufê, entre outros. 
De acordo com o gerente administrativo da casa, William Borges, o brinquedo mais concorrido do local é a bolha inflável, paga à parte, em que 
a criança fica dentro e anda 
por cima da piscina. A novidade 
é uma das apostas da casa. 
'O minigolfe nem terminou 
de ser construído, mas já 
é uma febre. Todo mundo 
está querendo vê-lo pronto.'
Além disso, dispõe de espaço para até 500 convidados e serviços de bufê, recreação, ambientado com um miniparque. (Vinícius Santa Rosa/Encontro/DA Press)
Zug Bug

Ramo: casa de festa
Valores: a partir de R$ 4.300 para 40 convidados
Serviços oferecidos: espaço, brinquedos, piscina, bufê, entre outros. De acordo com o gerente administrativo da casa, William Borges, o brinquedo mais concorrido do local é a bolha inflável, paga à parte, em que a criança fica dentro e anda por cima da piscina. A novidade é uma das apostas da casa. "O minigolfe nem terminou de ser construído, mas já é uma febre. Todo mundo está querendo vê-lo pronto." Além disso, dispõe de espaço para até 500 convidados e serviços de bufê, recreação, ambientado com um miniparque.
 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 58 | outubro de 2017