..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

VINHOS | Garrafas »

Muito mais que o dobro

Com 1,5 L, garrafas magnum oferecem melhores condições para envelhecimento e armazenamento de vinhos do que as tradicionais

Alexandre de Paula - Publicação:16/09/2016 08:52Atualização:16/09/2016 09:37
Cabernet sauvignon, malbec, merlot, tannat. Muitos são os tipos de vinhos, muitas também são as opções para engarrafá-los. Além das tradicionais garrafas de 750 mL, há mais de 20 tamanhos possíveis de guardar a bebida, cada um com características próprias. As garrafas vão desde as muito pequenas até as de proporções gigantescas, com cerca de 30 L. Entre todas as possibilidades, uma garrafa é queridinha de sommeliers e dos conhecedores de vinho, apesar de pouco difundida entre o público leigo: a magnum, com 1,5 L.
 (Bruno Pimentel/Esp. Encontro/DA Press)

As razões para a preferência vão além da quantidade. Garrafas magnum são melhores para o envelhecimento, conservam a bebida e podem ser mais fáceis de guardar, além de, em geral, ser garantia de um vinho com mais qualidade. O sommelier espanhol Juan Atienza Arenales, responsável pela Adega Baco (no Sudoeste), ressalta as qualidades da magnum para o processo de envelhecer vinhos: "Elas favorecem o envelhecimento, com estabilização e uniformidade melhores. Ou seja, proporcionam uma evolução melhor e mais harmoniosa", afirma Arenales.

Ele explica que as magnum permitem que as características aromáticas do vinho fiquem mais pronunciadas e destacadas do que quando o armazenamento é feito em garrafas de tamanho menor. "Há um risco muito menor de acontecer alguma alteração na evolução do vinho. Garrafas desse tipo são menos propensas a mudanças de temperatura", esclarece o sommelier. Outra vantagem, segundo ele, está no armazenamento da própria garrafa. Pelo tamanho, as magnum não precisam ser colocadas na horizontal e podem ser guardadas em pé: "O vinho já vai ficar dormente e com melhores condições de evolução, sendo mais fácil e confortável a adegagem. Por isso, é desnecessário depositar as garrafas deitadas, horizontalmente."

Para Arenales, o público que procura vinhos armazenados nesse tipo de garrafa quer mais qualidade, tanto para envelhecimento quanto para abri-las em celebrações com número maior de convidados. "São pessoas que desejam comprar um vinho fino e bem desenvolvido, que pode ser destinado a uma celebração ou evento com número maior do que quatro pessoas - são ideais para seis pessoas", observa.
Para o sommelier Juan Atienza Arenales, da Adega Baco, as magnum preservam a harmonia da bebida: 'Elas favorecem o envelhecimento, com estabilização e uniformidade melhores' (Bruno Pimentel/ Esp. Encontro/DA Press)
Para o sommelier Juan Atienza Arenales, da Adega Baco, as magnum preservam a harmonia da bebida: "Elas favorecem o envelhecimento, com estabilização e uniformidade melhores"

O sommelier Tiago Pereira, do restaurante Oliver, que oferece opções magnum e fica no Clube de Golfe, no Setor de Clubes Sul, também defende os benefícios e aponta a vocação desse tipo de garrafa para comemorações e encontros. "Tendo em vista que um dos maiores ofícios do vinho é a prática da harmonização, em comunhão com amigos e familiares, é melhor usar garrafas maiores, já que elas permitem um compartilhamento de forma mais homogênea", diz. Tiago acredita que, pelas vantagens, a procura tende a crescer com o aumento da informação sobre a bebida para o público. "Ainda estamos evoluindo no conceito sobre vinho em geral, e esse tipo de garrafa futuramente será tendência", afirma. Segundo ele, ainda há poucas opções de vinhos brasileiros em garrafas magnum. Por aqui, os europeus são os mais fáceis de encontrar atualmente. "Hoje, podemos achar com maior facilidade garrafas magnum de europeus, com ênfase nos portugueses, italianos, espanhóis e franceses", diz,

Sommelier executivo das adegas Grand Cru (412 Sul) e responsável por muito tempo pelos vinhos do restaurante Fasano, Massimo Leoncini explica as razões pelas quais a garrafa magnum causa um envelhecimento mais lento: "A troca de oxigênio entre o interior e o exterior da garrafa, que é o que provoca a evolução do vinho, acontece por meio da rolha. Tanto nas garrafas de 750 mL quanto nas magnum, o tamanho das rolhas e do gargalo é exatamente o mesmo, mas o volume de vinho é muito maior, e isso faz a evolução ser mais lenta", explica.

Essas característas, diz Leoncini, é que fazem das magnum a principal escolha de colecionadores e pessoas que querem guardar o vinho por mais tempo. "As magnum são garrafas excelentes para colecionadores. Elas envelhecem, amadurecem de forma mais devagar. Por isso, cria-se a procura de colecionadores por essas garrafas. Eles compram e deixam a garrafa na adega para envelhecer", completa.

Os vinhos Bordeaux são uma boa opção para as magnum, afirma Leoncini. "São longevos, bons para o envelhecimento. Todos os bons exemplos de Bordeaux saem em garrafa magnum", aponta. Além deles, a dica é escolher sempre vinhos que favoreçam o envelhecimento. "Todos que envelhecem bem são boas opções", diz.
Clique para ampliar a imagem (Arte/Encontro)
Clique para ampliar a imagem
 
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017