..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

COLUNA »

Gente da capital

Zuleika de Souza - Publicação:06/03/2017 10:08
CASA BRASILIENSE
O nome de Samuel Lamas está rodando o planeta, em várias línguas (chinês, japonês, russo), desde que a maior plataforma de arquitetura do mundo, a Archdaily, fez uma matéria sobre a Casa 28, projeto que o arquiteto brasiliense finalizou no ano passado. O viral arquitetônico da casa rendeu artigos em revistas especializadas em mais de 20 países, da Ásia, da Europa e das Américas. A repercussão fez com que a residência no Lago Sul projetada por Lamas fosse finalista do Buiding of the Year Awards 2017 e está concorrendo como a melhor casa do ano no prêmio do Archdaily internacional. A Casa 28 é uma casa brasiliense com certeza! A cor do piso de ladrilho hidráulico foi extraída da terra vermelha do Planalto Central e o cerrado do entorno foi preservado e se transforma em quadros nos imensos janelões de vidro das paredes de concreto. Samuel executou a obra em parceria com o pai, o engenheiro Ruy Lamas. Novos projetos? Sim! Como designer, ele está assinando uma série de móveis para a Oppa – o primeiro, uma mesa de centro, já está à venda no site da marca. O brasiliense está esperando ansiosamente que comece a obra de uma igreja para o Mosteiro de São Bento, próximo à Ermida Dom Bosco. Faltam pequenos acertos burocráticos. Quando ficar pronta, deve ser novo ponto turístico na cidade, tanto pela beleza quanto pela originalidade.
 (Zuleika de Souza/Esp. Encontro/DA Press)

CARNAVAL TEMÁTICO
Pense em uma pessoa que ama a festa momesca e só pode ser Marcus Barozzi. Nos últimos tempos, ele tem passado os carnavais aqui na cidade e adora! Durante o ano todo veste e inventa moda para modelos em campanhas publicitárias, editoriais para revistas e figurinos de teatro. Quando vai chegando o carnaval ele só pensa em montagens divertidas e criativas para sair nos bloquinhos mais descolados. Agora resolveu compartilhar com os fãs suas fontes e montou, com Adriana Chaves, o coletivo Obi Criatividade, o que ele chama de “conglomerado criativo efêmero”. Cada edição será temática e a primeira será lançada em um grito de carnaval na casa da Adriana Chaves. Com adereços, camisetas e fantasias de criadores locais escolhidos a dedo pelos dois. E eles vão  ajudar o carnaval da cidade a ficar mais bonito e divertido.
 (Zuleika de Souza/Esp. Encontro/DA Press)

EM DEFESA DO PATRIMÔNIO
Rogério Carvalho, arquiteto, é um ferrenho defensor do patrimônio histórico e artístico de Brasília. Trabalhou 15 anos no Iphan como gerente nacional de Bens Móveis e Integrados, quando executou a restauração da Igrejinha e a inserção do painel do artista Galeno, substituindo o de Alfredo Volpi, que foi destruído. Também trabalhou no Palácio Planalto como assessor especial, onde executou restauros nos palácios da capital e resgatou tesouros que estavam esquecidos nos subsolos. No Planalto, ele deu um tom curatorial às obras expostas e ainda promoveu um diálogo do acervo com o mobiliário brasileiro. Hoje fora do governo federal, o arquiteto tem se levantado publicamente contra a devolução de parte das obras de arte dos palácios locais para o Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro, porque, segundo ele, já fazem parte da história da cidade. Rogério também é contra as interferências na arquitetura histórica do Alvorada. Fora a luta pela preservação, ele se dedica a fomentar as artes plásticas locais. No fim do ano passado, foi curador e presidente do júri do I Prêmio Vera Brant de Arte Contemporânea. O concurso agitou os artistas da capital e resgatou a memória de Vera Brant, pioneira, amiga de JK e grande incentivadora das artes no começo da capital. Há um ano e meio, Rogério também trabalha para consolidar sua galeria, a XXX Arte Contemporânea, no Condomínio Verde, na região do Jardim Botânico. A temporada de exposições de 2017 vai abrir com Heron Prado (curadoria do Ralph Gehre) e em seguida com Renato Rios.
 (Zuleika de Souza/Esp. Encontro/DA Press)

MÚSICA E COMÉDIA
Mais conhecido como Pipo, Ricardo Garcia está nos palcos desde os 14 anos e é um dos atores da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo, grupo teatral de maior sucesso de público dentro e fora da capital. O lado músico de Pipo é menos conhecido: ele já foi baterista de grupos de hip-hop e tem se divertido na Banda Brega e Rosas, onde toca percussão eletrônica e faz uma seleção de vídeos muito engraçados, exibidos durante o show, levando os fãs ao delírio. No momento, Pipo está no modo ator, gravando freneticamente, 12 horas por dia, um programa para o Multishow, o Planeta B, que vai ao ar em junho. Serão 26 episódios diários, sem intervalos comerciais. Será o primeiro programa 100% Melhores do Mundo. Por causa do novo trabalho, o músico e ator está morando no Rio de Janeiro, a princípio por três meses. Tomara que ele não se apegue às praias cariocas e volte logo para os shows dos Bregas.
 (Zuleika de Souza/Esp. Encontro/DA Press)
 
COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 57 | Setembro de 2017