..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

COMPORTAMENTO | Tendência »

Casa e vida em dia

Com a missão de alinhar o cotidiano dos mais atarefados ou menos habilidosos, personal organizers ganham cada vez mais espaço na agenda moderna, transformando as rotinas e facilitando as tarefas diárias

Jéssica Germano - Redação Publicação:03/05/2017 10:06Atualização:03/05/2017 10:29

Sapato junto com bolsa, roupa em três partes diferentes da casa, incontáveis pacotes do mesmo insumo ou aquele documento importante que há meses anda sumido. Para estruturar seja o closet pessoal que não faz mais sentido, seja as dependências de uma cozinha confusa, seja o escritório de alta demanda, são os organizadores profissionais que entram em cena, mostrando  por aqui a profissionalização crescente da ocupação que há tempos se popularizou nos EUA. Basta uma sinalização de socorro que ali estão eles, a postos com métodos, ferramentas e uma otimização de espaço como você talvez nunca tenha imaginado. Resumindo, uma santa ajuda, como bem definiu aquele programa de sucesso da TV paga.

 

“Costumo dizer que transformo a vida das pessoas”, diz, sem sinal de prepotência, Karyna Chamiço. Personal organizer certificada, ela se dedica há um ano ao ofício que começa com uma visita técnica para avaliação de espaço e segue a fundo no funcionamento de uma casa, para entender as necessidades reais do cliente. Formada em recursos humanos, ela abandonou a carreira em uma empresa privada para trabalhar em meio a esse universo que sempre lhe foi muito confortável.

A personal Karyna Chamiço trocou o trabalho de RH em uma empresa privada pela nova área: 'Costumo dizer que transformo a vida das pessoas', diz ela (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
A personal Karyna Chamiço trocou o trabalho de RH em uma empresa privada pela nova área: "Costumo dizer que transformo a vida das pessoas", diz ela
 

Talvez por isso seja mais fácil entender os nichos quase caóticos com que Karyna se depara a cada demanda, em uma função que requer empatia latente. “As pessoas colocam para fora o que estão passando por dentro”, afirma, citando contextos de separação, perda de emprego ou até desmotivação. A desorganização mental, neste caso, reflete-se diretamente nos cômodos de vivência, de acordo com ela.

 

O resultado final, porém, acompanha, na maioria das vezes, um sentimento de realização de ambas as partes: “É transformador”, garante Karyna. “É um trabalho personalizado. Cada casa será de uma maneira”, explica a organizadora, que tem atuado especialmente para o público de Águas Claras, onde reside. Entre as etapas necessárias para sistematizar o funcionamento de um ambiente, a primeira é a avaliação do que se tem disponível. “Todo mundo vai ter algo para doar, consertar, jogar fora”, diz. Para essa fase, ela costuma repetir: “Menos é mais”.

 

Karyna conta que já teve caso, por exemplo, de a mesma cliente ter 40 blusas pretas parecidas, justamente por não conseguir visualizar e dispor de forma ordenada o acervo. “Hoje, as pessoas acham mais fácil comprar coisas do que olhar o que possuem”, completa, revelando um dos principais motivos para a desorganização, segundo especialistas: o acúmulo. “Algumas pessoas têm seis bases de maquiagem. Realmente precisa?”, questiona, para salientar em seguida que organização traz economia.

A empresária Luciana Soares contratou uma personal para organizar seu closet e gostou do resultado: 'Faltava gaveta. Agora está sobrando' (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
A empresária Luciana Soares contratou uma personal para organizar seu closet e gostou do resultado: "Faltava gaveta. Agora está sobrando"
 

Foi após uma consulta com uma coaching pessoal que a empresária Luciana Soares entendeu que precisava de ajuda profissional para terminar a arrumação do closet, que sempre começava, mas acabava com tudo fora do lugar. “Eu tenho uma filha de 9 anos, uma empresa, marido e não tenho empregada”, desabafa. “Nessa vida corrida, eu não conseguia me achar.” Em fevereiro, ela chegou até Karyna por meio do Instagram. Durante três dias, a personal esquematizou a disposição das peças, desde as íntimas até roupas para frio intenso, usadas ocasionalmente em viagens, passando por bijuterias. “Faltava gaveta. Agora está sobrando”, comemora Luciana, ainda empolgada com o resultado. “Cada coisa tem sua casinha”, diz. Sobre o resultado final, ela conta: “Deu muito mais praticidade ao meu dia”.

Bárbara Volnei fez a arrumação de sapatos no closet de uma cliente: agenda cheia e espera de até três meses para atender nova demanda. 'O problema não é organizar, e sim manter', diz (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Bárbara Volnei fez a arrumação de sapatos no closet de uma cliente: agenda cheia e espera de até três meses para atender nova demanda. "O problema não é organizar, e sim manter", diz

Há sete anos na área e comandando a própria empresa, Bárbara Volnei tem agenda cheia, com fila de espera de mais de três meses. Um dos diferenciais, segundo ela, é a gama de serviços que oferece: “Muitas vezes as pessoas associam nosso trabalho a apenas organização física”, afirma. “Também trabalhamos com consultoria em gestão do tempo, treinamento de empregadas, organização de mudança e até auxílio aos expatriados”, completa.

 

Junto a esse último público a organizer atua em pontos que vão da busca de escola para crianças até sugestão de lavanderia, pet shop e salão de beleza. “É uma gestão da vida da pessoa mesmo”, resume a especialista. Outra área que atende são os serviços pós-luto, em que se encaixam perda de cônjuge, de emprego ou mesmo saída de casa por parte dos filhos. Em um dos projetos, Bárbara despendeu dois meses de trabalho para organizar uma casa inteira: da rouparia (cama e banho) até a brinquedoteca da criança. Só o closet pomposo da cliente custou em torno de 5 mil reais. O resultado total, conferido em cômodos dignos de novela, foram bolsas femininas classificadas em tamanhos e com protetores, roupas padronizadas por cores e em cabides iguais e prataria armazenada para não oxidar. “O problema não é organizar, e sim manter”, afirma a profissional, que faz uma pós-visita 20 dias após a entrega do trabalho, para conferir se tudo segue nos moldes que aplicou e ensinou.

Cristiane Ribeiro, dona da Simplesmente Organizar, afirma que é preciso planejar bem antes de comprar qualquer coisa: 'Se for comprar qualquer acessório para o seu armário, meça tudo' (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Cristiane Ribeiro, dona da Simplesmente Organizar, afirma que é preciso planejar bem antes de comprar qualquer coisa: "Se for comprar qualquer acessório para o seu armário, meça tudo"
 

E para quem acha impossível mudar de hábitos e passar a ter um cotidiano mais estruturado, Bárbara rebate: “Assim como se aprende a fazer boas redações ou tocar um bom instrumento, aprende-se a ser organizado. Não é um dom. É uma habilidade que se pode adquirir”, diz.

 

CURSOS PARA ORGANIZAR TUDO

 

É com o intuito de ensinar essas funções que empresas brasilienses passaram a ministrar cursos voltados para a temática. Na Kaza Chique, por exemplo, é possível ter aulas como organização de cozinha e área de serviço, os segredos de passar roupa e a respeito de rotina e limpeza de casa.

 

Para o módulo de armários e closets (190 reais por três horas), é Cristiane Ribeiro quem dá um passo a passo sobre como aproveitar bem cada espaço: “Se for comprar qualquer acessório para o seu armário, meça tudo”, recomenda, entre as muitas dicas.

 

Roupas de linho, tricô e crochê, segundo ela também, não devem ser penduradas para não alargar a fibra. E como o que não é visto não é lembrado, a recomendação unânime é não acumular peças sobre outras.

A personal Rosália Ribas dá aulas para ensinar alguns truques: ela sugere o uso de produtos que podem servir para guardar objetos diferentes, como potes e cestas (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
A personal Rosália Ribas dá aulas para ensinar alguns truques: ela sugere o uso de produtos que podem servir para guardar objetos diferentes, como potes e cestas
 

Para a profissional, dona ainda da empresa Simplesmente Organizar – voltada inclusive para o preparo de casas para futuros casais, sob o custo de 70 reais a hora –, um dos diferenciais do serviço de personal organizer é o olhar. “Quem está no olho do furacão não costuma ver a solução”, observa, lembrando que algumas saídas são até bastante acessíveis. Forminhas de gelo, por exemplo, podem servir para armazenar brincos e anéis, de modo mais informal.

 

Já para quem busca algo mais padronizado ou clean, como se costuma falar no meio da decoração, muitas lojas já oferecem utensílios com funções específicas para armazenamento de objetos de casa. Instrutora de cursos de organização de cozinha e área de serviço, a personal Rosália Ribas costuma ministrar aulas também em lojas, falando sobre as ferramentas que utiliza.

 

Ela sugere o uso, principalmente, de produtos dinâmicos. Porta-talheres e potes bem estruturados podem servir tanto para home office quanto para closet e banheiro, segundo ela. “Assim como cestas também podem ser usadas na cozinha, na despensa, no banheiro e na área de serviço”, diz.

 

Já para partes internas de armários, Rosália recomenda um utensílio chamado de colmeia, item feito de tecido mais firme e com divisórias: “Elas fazem a diferença, porque delimitam e otimizam o espaço dentro de gavetas”.

 

 

Outra dica valiosa para quem está disposto a ajeitar a desordem, de acordo com a profissional, é começar o processo por partes: “Se for organizar o guarda-roupa, comece pelas gavetas de peças íntimas. Logo verá o resultado e isso vai motivar você”. 

 

FAÇA VOCÊ MESMO

 

Cinco dicas importantes para começar sua organização, segundo as profissionais ouvidas:

 

- Planeje o que vai organizar

 - Descarte o que não serve mais e o que for para doação, tire de casa em no máximo 48 horas

 - Limpe o espaço

 - Categorize os itens por tipo e identifique-os, se possível com etiquetas

 

 - Organize com padronizações que você seguirá 

 (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 59 | novembro de 2017