..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

ESPECIAL CABELOS | Queda »

Soluções para o problema

Tratamentos à base de laser e outras tecnologias têm ajudado homens e mulheres a controlar a perda dos fios. Especialistas contam sobre os novos produtos do mercado e dizem o que deve ser feito para recuperar a saúde dos cabelos

Wal Sousa - Publicação:04/05/2017 11:21Atualização:04/05/2017 12:01

Exibir cabelos bonitos e fortes é o desejo de mulheres e homens. Para mantê-los saudáveis, não basta usar bons produtos, é preciso se cuidar de forma holística. Buscar uma vida equilibrada, praticar exercícios físicos, ter alimentação balanceada, manter o controle do estresse e da ansiedade são alguns fatores que contribuem para evitar distúrbios capilares. Especialistas afirmam que a perda de até 100 fios por dia é considerada normal. 

 

A tricologia, ciência que estuda os cabelos, desenvolveu-se muito nos últimos 10 anos, diz a dermatologista Alessandra Juliano, tricologista e cirurgiã de transplante capilar do grupo Aepit. De acordo com a médica, o exame dermatoscopia capilar permite uma análise microscópica do couro cabeludo, que associado a um software inteligente diagnostica as diferentes causas de queda, fundamental para um tratamento personalizado e bem-sucedido. 

Segundo a dermatologista Alessandra Juliana, fatores hormonais afetam muito as mulheres: 'A frequência de 19% de queda natural do cabelo piora com a idade. Geralmente, após os 50 anos aumenta para 50%' (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Segundo a dermatologista Alessandra Juliana, fatores hormonais afetam muito as mulheres: "A frequência de 19% de queda natural do cabelo piora com a idade. Geralmente, após os 50 anos aumenta para 50%"
 

O dermatologista Ricardo Fenelon explica os diferentes tipos de problemas capilares e que primeiramente é importante distingui-los. O eflúvio telógeno é conhecido como queda intensa de cabelo, enquanto a calvície hereditária é a alopecia androgenética, fortemente determinada pelo perfil genético – significa tendência à calvície. Os dois distúrbios podem ocorrer simultaneamente, mas são totalmente independentes. 

 

Em relação à queda de cabelo em homens e mulheres, as causas são inúmeras. “Doenças como anemia, disfunções da tireoide, depressão, dietas radicais, uso de certos medicamentos após cirurgia e parto, estresse, fatores hormonais têm por característica encurtar as fases de crescimento do cabelo, fazendo com que uma quantidade maior passe rapidamente para a fase de queda”, diz o dermatologista. 

O dermatologista Ricardo Fenelon afirma que é preciso separar os tipos de problemas capilares: inúmeras causas podem provocar a perda de fios em homens e mulheres (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
O dermatologista Ricardo Fenelon afirma que é preciso separar os tipos de problemas capilares: inúmeras causas podem provocar a perda de fios em homens e mulheres
 

Geralmente, segundo Fenelon, a queda de cabelo inicia-se quatro a seis meses após o fator desencadeante: “O mais importante é procurar um profissional para o diagnóstico correto e que possa estabelecer o melhor método, e ainda é preciso ter paciência e persistência, pois os resultados são vistos entre dois meses a um ano”. 

 

A servidora pública Débora Rodrigues, de 31 anos, passou por uma cirurgia e pouco tempo depois seus cabelos começaram a cair. “Fiquei preocupada e comecei uma terapia capilar com sessões a laser, suplementos vitamínicos e medicamento tópico no couro cabeludo, prescritos pelo dermatologista. Pouco tempo depois da primeira sessão já notei diferença. Estou na quarta e os fios deixaram de cair, notei até alguns novos”, conta. 

Depois de uma cirurgia, os cabelos de Débora Rodrigues começaram a cair e ela ficou preocupada: a terapia capilar, com sessões de laser, medicamento tópico e vitaminas, já fez diferença (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Depois de uma cirurgia, os cabelos de Débora Rodrigues começaram a cair e ela ficou preocupada: a terapia capilar, com sessões de laser, medicamento tópico e vitaminas, já fez diferença
 

A psicanalista Sandra Assis Maia é tricologista e terapeuta ortomolecular da clínica Alto Stima e alia seus conhecimentos aos tratamentos dos pacientes: “Para que os cabelos se mantenham sadios, é necessário higienizar corretamente, evitando o excesso de oleosidade no couro cabeludo, pois isso pode ocasionar a perda dos fios, assim como intervenções químicas constantes. Manter o couro cabeludo limpo e sem acúmulo desses resíduos é fundamental”, explica.

 

Segundo Sandra, outra complicação comum é o caso das gestantes que se queixam da perda dos cabelos após o parto. “Nesse caso, o ideal é prevenir-se com um tratamento terapêutico natural, à base de minerais, sem o uso de aparelhos, e que pode ser feito por qualquer pessoa, sem contraindicação.” A especialista orienta também que, antes de iniciar qualquer tratamento, é indispensável zelar pela saúde como um todo, para que os procedimentos nos cabelos sejam coadjuvantes e a paciente alcance excelentes resultados.

A médica Sandra Assis com a paciente Taísa Ferreira, de apenas 26 anos, que tem calvície hereditária: além do acompanhamento capilar a consultora passou a alimentar-se de forma balanceada, por recomendação da especialista (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press )
A médica Sandra Assis com a paciente Taísa Ferreira, de apenas 26 anos, que tem calvície hereditária: além do acompanhamento capilar a consultora passou a alimentar-se de forma balanceada, por recomendação da especialista
 

Há três meses, a consultora de beleza Thaisa Ferreira Soares, de 26 anos, recebeu o diagnóstico de alopecia androgenética, o que fez diminuir sua autoestima. Depois de passar por esse sufoco, ela está no fim das 10 sessões recomendadas e comemora as conquistas: “Meu cabelo é ondulado, mas estava fino, pouco e com o couro cabeludo à mostra. Depois da terapia, está mais cheio e com novos fios. Aliado ao acompanhamento capilar, passei a me alimentar de forma balanceada, para fornecer os nutrientes necessários ao fortalecimento do meu cabelo”, diz.  

 

É indispensável ressaltar que, à medida que envelhecemos, os cabelos vão diminuindo. Nas mulheres, isso se torna mais evidente após a menopausa, devido à falta de produção do estrogênio e à predominância da testosterona. “A frequência de 19% de queda natural do cabelo piora com a idade. Geralmente, após os 50 anos aumenta para 50%”, explica a dermatologista Alessandra Juliano. 

 

A bancária Rita Aguiar da Silva, de 61 anos, iniciou o tratamento capilar depois que sua cabeleireira percebeu a queda repentina de seu cabelo na parte de trás e, por essa razão, ela não havia notado a diferença. “Procurei ajuda médica e foi detectada uma inflamação. No início foi terrível, fiquei muito fragilizada com a situação, mas a segurança demonstrada pela médica me fez acreditar que minha saúde seria restabelecida. Felizmente as áreas afetadas estão totalmente preenchidas”, conta Rita.

Rita Aguiar ficou muito fragilizada com a queda repentina de seu cabelo e seguiu corretamente as indicações de sua médica: 'Felizmente as áreas afetadas estão totalmente preenchidas' (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press )
Rita Aguiar ficou muito fragilizada com a queda repentina de seu cabelo e seguiu corretamente as indicações de sua médica: "Felizmente as áreas afetadas estão totalmente preenchidas"
 

As combinações de terapias capilares disponíveis no mercado são diversas, devendo ser levada em consideração, principalmente, a personalização de cada caso. A empresária Mariney Isberner Volpi, da clínica Sweet Therapy, afirma que o couro cabeludo é uma pele sensível como qualquer outra: “Imagine como ela sofre com o excesso de cosméticos, química, calor, sol. Não tem pele que resista a tantas agressões. Por isso, quanto menos exposição tiver, melhor. Os cosméticos orgânicos são mais naturais e agridem menos o couro cabeludo”. 

Para Mariney Volpi, cada terapia disponível no mercado é específica para determinadas pessoas: o couro cabeludo é uma pele sensível como qualquer outra, lembra ela (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press )
Para Mariney Volpi, cada terapia disponível no mercado é específica para determinadas pessoas: o couro cabeludo é uma pele sensível como qualquer outra, lembra ela
 

 

O jornalista Paulo Echebarria, de 50 anos, percebeu falhas na área da “coroa” aos 44 anos. A queda dos cabelos aconteceu lentamente, mas, com a correria do dia a dia, ele deixou de tratar. “O enfraquecimento do meu cabelo ocorreu devido ao estresse e à ansiedade. Fui orientado a passar por 12 sessões, com duração de duas horas diárias, uma vez na semana, para fortalecer a raiz. Em casa, faço manutenção com xampu de argila e spray fortalecedor. Ainda faltam duas sessões para concluir o tratamento e já me sinto muito feliz com a resposta do meu organismo”, diz. Em diversos casos, o motivo da perda dos cabelos demora a ser descoberto. Foi o que aconteceu com a estudante Tainá Zanon Carvalho, de 27 anos: “Meu cabelo estava fino e ralo, por isso usava maquiagem e aplique para cobrir as falhas. Procurei orientação e recebi o diagnóstico de hipotireoidismo. Comecei o tratamento e, ao mesmo tempo, a terapia capilar, e meus cabelos voltaram a nascer. Estou muito satisfeita com o resultado”, diz.

Paulo Echebarria começou o tratamento há seis anos, quando já tinha falhas perceptíveis no alto da cabeça: por causa do estresse e da ansiedade, agora controlados, ele viu seu cabelo enfraquecer e cair    (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press )
Paulo Echebarria começou o tratamento há seis anos, quando já tinha falhas perceptíveis no alto da cabeça: por causa do estresse e da ansiedade, agora controlados, ele viu seu cabelo enfraquecer e cair

POR QUE OS CABELOS CAEM?

 

As causas são múltiplas em homens e mulheres. Conheça algumas delas:

 

 - Doenças como anemia, distúrbios da tireoide, depressão

 - Dietas radicais com ou sem uso de medicamentos 

 - Uso de alguns medicamentos, como aqueles para baixar o colesterol 

 - Após cirurgia e parto 

 - Fatores emocionais como ansiedade, depressão e estresse 

 - Alterações hormonais 

Para a estudante Tainá Zanon, que tem hipotireoidismo, o tratamento antiqueda já fez efeito: 'Estou muito satisfeita com o resultado' (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press )
Para a estudante Tainá Zanon, que tem hipotireoidismo, o tratamento antiqueda já fez efeito: "Estou muito satisfeita com o resultado"

COMO EVITAR A QUEDA DOS FIOS

 

Alguns cuidados a serem tomados para evitar a perda excessiva

 

 - Cabelos saudáveis começam com bons hábitos de vida. Consuma frutas e vegetais frescos, leguminosas e hortaliças verdes. Cuidado com a ingesta excessiva de vitamina A, pois pode causar piora da queda de cabelo.

 - Evite exposição direta ao sol. Assim como a pele, os cabelos se queimam e tornam mais danificados após insolações 

 - Uso de xampu e condicionador apropriados para cada tipo de cabelo 

 - A temperatura da água deve ser de morna para fria  

 - Não aplicar dois ou mais produtos químicos no mesmo dia. Por exemplo: pintura dos cabelos e alisamento. O ideal é esperar pelo menos duas semanas para uma nova química 

 - Ao secar os cabelos, evite tração excessiva dos fios 

 - Antes de usar chapinha ou secador, passe um protetor capilar térmico 

 

 

NOVIDADES NOS CONSULTÓRIOS

 

 

Alguns produtos e métodos que ajudam no tratamento antiqueda

 

 - As loções tópicas à base de latanoprosta, o laser capilar de baixa voltagem que estimula a vascularização local, melhoram a quantidade e qualidade dos fios.

 - Já a microinfusão medicamentosa por meio da técnica do microagulhamento promove o crescimento e o nascimento de novos fios sem efeitos colaterais.

 - O tratamento com laser fracionado é um método indolor, que favorece e prolonga a fase de crescimento, facilitando a penetração dos medicamentos, como o minoxidil, de uso tópico, usado para aumentar a oxigenação dos fios e estimular os folículos em fase de miniaturização.

 - A intradermoterapia, realizada com pequenas injeções no couro cabeludo, impulsiona a sinergia de cosméticos adequados, somados a eletroterapias e tratamento em casa, com produtos específicos. 

 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 59 | novembro de 2017