..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

TURISMO | ENTORNO »

Belas casas na Chapada dos Veadeiros podem ser alugadas para temporadas inteiras

Ideia é atrair turistas mais sofisticados, que querem mais conforto, privacidade e contato com a natureza

Olívia Meireles - Redação Publicação:27/07/2017 10:37Atualização:27/07/2017 12:29

O fluxo entre Brasília e a Chapada dos Veadeiros sempre foi intenso. Há décadas, os turistas brasilienses invadiram a região e, aos poucos, como o aumento de uma paixão mútua, tornaram-se, também, proprietários de terrenos em Cavalcante, Alto Paraíso e São Jorge. Alguns usam o espaço como casa de fim de semana, outros se mudam de vez para lá, mais recentemente há aqueles que acabaram construindo charmosos bangalôs, ao lado das residências principais, para alugar por temporada.

No Recanto das Mels, ocas
na beira do rio São Miguel,
com vista privilegiada para
os vales e o Morro da Baleia (Divulgação )
No Recanto das Mels, ocas na beira do rio São Miguel, com vista privilegiada para os vales e o Morro da Baleia
 

Há poucos anos começaram a surgir no site Airbnb (especializado nesse tipo de comércio) opções de estadia com o estilo rústico mas com uma decoração mais moderna. Uma sofisticação levada por estrangeiros à terra do naturalismo. O movimento procura seduzir um turista mais refinado, que busca naquele ambiente um local de conforto para descansar e se espiritualizar. “Antes, não se via essa quantidade de opções de aluguel por temporada, mas, com o aumento dos visitantes da Chapada, esse público chegou com peso ao local e o mercado tenta se adaptar a ele”, avalia Ju Montijo, corretor de imóveis na região.

A Casa Gengibre
 tem varanda suspensa
com vista para
o Vale do Moinho,
uma das paisagens
mais belas da cidade (Anturia Viotto/Divulgação )
A Casa Gengibre tem varanda suspensa com vista para o Vale do Moinho, uma das paisagens mais belas da cidade
  

Se, no início, apenas os brasilienses e os goianos buscavam essa acomodação, pois tinham algum contato na região, agora, com sites especializados nesse tipo de comércio, pode também fechar negócio qualquer pessoa, dos mais variados países. Antúria Viotto, por exemplo, ajuda os pais a administrar três casas em Alto Paraíso, construídas, no ano passado, com esse propósito. A fotógrafa registrou as propriedades no site e percebe que a procura foi maior de estrangeiros do que de brasileiros. “Recebemos franceses e americanos. As pessoas de Brasília que ficaram hospedadas são amigas minhas. Acredito que esses sites abrem portas até então fechadas para a Chapada”, avalia.

 

Para garantir a experiência integral de Alto Paraíso, o casal de contadores Elisabeth e João Viotto, pais de Antú ria, moradores há 30 anos da região, dão dicas locais aos viajantes, falam sobre os melhores restaurantes, cachoeiras desconhecidas e locais ideais para ver o pôr do sol. Apesar de deixarem a casa com ares de hotel, optaram por manter o espírito rústico arquitetônico da região. Por isso, montaram a casa com madeiras reaproveitadas, como eucalipto e arueira. “A construção na Chapada tornou-se muito cara, não é fácil achar material. O reaproveitamento torna tudo mais viável e dá um charme extra ao produto final”, avalia. O rústico, entretanto, mistura-se bem com o wi-fi. A internet tem transformado o turismo no local. Marco Simon, por exemplo, observando esse movimento abriu há um ano, uma página no Facebook para moradores e turistas poderem oferecer e alugar casas na Chapada. Sem divulgar, o grupo Aluguel e Venda de Imóveis – Chapada dos Veadeiros, hoje já tem 1.400 interessados espontâneos. “O mercado imobiliário na região está aquecido, os aluguéis nunca estiveram tão caros e nunca tantos turistas vieram visitar nossas belezas naturais. Acho natural os locais se interessarem em construir casas de temporada”, avalia.

Nas ocas, todo o conforto: cama com dossel e vista de tirar o fôlego (Divulgação )
Nas ocas, todo o conforto: cama com dossel e vista de tirar o fôlego
 

Há, também, outros serviços mais modernos como comunidades de carona solidária. A acrobata e analista de sistema Melissa acredita que todas essas iniciativas abrem a Chapada para além de Brasília. “A beleza da região é universal e esse tipo de turismo chama um novo tipo de visitante que procura experimentar a natureza com mais conforto”, avalia. Por isso, ano passado reformou três bangalôs, que tinha no seu terreno. Anunciou na internet e atraiu a atenção de paulistas, cariocas e também estrangeiros. Às vezes, até aluga a casa principal para os amigos dos amigos que estão interessados em viver uma experiência da Chapada além da badalação.

 

OPÇÕES DE HOSPEDAGEM

 

RECANTO DAS MELS

São três ocas na beira do rio São Miguel, com vista privilegiada para os vales e o Morro da Baleia. Os bangalôs são confortáveis, todos os quartos têm cama casal ou king, banheiro de ducha quente e lençóis novinhos. São pequenos e reservados para duas pessoas. Elas compartilham uma área gourmet com geladeira, fogão e churrasqueira, e um espaço para fogueira. A fazenda fica 17 km de Alto Paraíso e 20 km de São Jorge. Não tem wi-fi nem televisão.

As ocas do Recanto
das Mels têm acesso
privilegiado à natureza (Divulgação )
As ocas do Recanto das Mels têm acesso privilegiado à natureza
 

CASA GENGIBRE

Inaugurada no início do ano, cada Casa Gengibre oferece dois quartos, sala ampla, cozinha completa, varanda suspensa e um pequeno jardim. Voltada para o Vale do Moinho, a vista é fenomenal. O teto, com pé-direito alto, é sustentado por uma viga de aroeira, madeira nativa do cerrado, recuperada de demolição. Um quarto tem cama queen e o outro, duas camas de solteiro que podem virar cama de casal. Cozinha completa, com cafeteira Nespresso, sala com smartTV e TV a cabo. Não há wi-fi disponível. Os hóspedes são recepcionados por um casal que há 30 anos mora na Chapada dos Veadeiros.

Dois quartos, sala ampla, cozinha completa e um pequeno jardim compõem a Casa Gengibre: mimos como a cafeteira Nespresso, sala com smartTV 
e TV a cabo fazem a diferença (Divulgação)
Dois quartos, sala ampla, cozinha completa e um pequeno jardim compõem a Casa Gengibre: mimos como a cafeteira Nespresso, sala com smartTV e TV a cabo fazem a diferença
 (Anturia Viotto/Divulgação )

ARARAS TREE HOUSE

 

Localizada a 13 km de Alto Paraíso, a casa na árvore faz parte do Mariri Jungle Lodge, uma pousada, residência artística e casa particular que acomoda 12 pessoas. Nesse pedaço do complexo, um casal pode dormir com mais privacidade. A construção foi encontrada abandonada e os donos a transformaram em um bangalô inspirado nos safáris africanos. Os materiais usados na reforma e na decoração são orgânicos. O banheiro é ecológico: no lugar de água na descarga, é usada areia para não poluir o meio ambiente. O chuveiro tem água quente, mas wi-fi, somente na casa principal. Os hóspedes podem usar a piscina natural, sauna com lareira, cozinha, espaço para praticar ioga e comer as frutas e vegetais plantados no terreno. 

Casa na árvore 
é um dos atrativos
da pousada Mariri
Jungle Lodge: ideal
para casais em busca
de privacidade (Divulgação )
Casa na árvore é um dos atrativos da pousada Mariri Jungle Lodge: ideal para casais em busca de privacidade

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 59 | novembro de 2017