..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

EDUCAÇÃO | DICAS »

Férias são uma boa opção para preparar as crianças para o retorno às aulas

Com mais disposição e sem estresse, é possível enriquecer o aprendizado e transformar viagens e passeios em novas descobertas

Isabella de Andrade - Publicação:19/01/2018 13:39Atualização:19/01/2018 13:59

O período de férias chega com a possibilidade de enriquecer o aprendizado da criança fora da escola e transformar viagens e passeios em novas descobertas. Enquanto isso, a família pode se preparar para tornar a volta às aulas uma experiência positiva e mostrar aos pequenos que essa transição entre a liberdade de casa e a rotina da escola se completa de maneira importante. Além de organizar o material escolar, as atividades em sala de aula podem fazer parte das conversas em família, lembrando a criança do retorno aos estudos no pós-férias. O importante é mostrar a ela que a rotina escolar vai chegar novamente e pode trazer experiências novas, positivas e felizes, tanto quanto as férias de verão.

 

Para deixar a escola preparada para o período, o diretor-geral do Cecan, Julio Egreja, destaca a necessidade de uma organização fixa, que ganha espaço a cada novo ano. Além da preocupação com a estrutura física, como a quantidade de cadeiras ideal em cada sala, a organização pedagógica também está no roteiro: “Os professores se reúnem durante uma semana antes do início do ano letivo para repassar a estrutura pedagógica de cada série e se adequar para a chegada dos alunos”, destaca o diretor. A ideia é que o trabalho de ensino não se interrompa e aconteça de maneira continuada.

 

Egreja lembra que as séries que precisam de mais atenção no período de volta às aulas são as iniciais em cada segmento, como o primeiro ano do ensino fundamental e do ensino médio. Os professores estão sempre dispostos para mostrar aos alunos as novas práticas de cada etapa. Outro momento crucial é o primeiro ano escolar, quando os pais experimentam pela primeira vez a ideia de deixar os filhos na escola durante a maior parte do dia. “Na educação infantil a adaptação é mais delicada. Acontece tanto para as crianças quanto para os pais. Quando os adultos estão mais tranquilos com a novidade, as crianças também se adaptam de maneira mais fácil”, afirma.

A atriz Juliana Drummond com o filho Francisco, que já frequentou escola integral e de meio período: ela o estimula a sempre querer aprender mais, a praticar esportes e ter contato com as artes (Bruno Peres/Esp. Encontro/DA Press)
A atriz Juliana Drummond com o filho Francisco, que já frequentou escola integral e de meio período: ela o estimula a sempre querer aprender mais, a praticar esportes e ter contato com as artes
 

Juliana Drummond é atriz, mãe de Francisco, de 6 anos. Ele é acostumado a estudar na escola em período integral desde o início da infância, quando a mãe trabalhava como professora de teatro no mesmo local. “Esse período aconteceu com muita tranquilidade e segurança. Eu podia acompanhar toda a rotina e o desenvolvimento dele na escola”, afirma a atriz. Francisco transitou entre a escola particular e pública, o período integral e o meio período, tudo feito com leveza. “A escola é extensão da casa durante todo o ano e passa a ser o local que a criança mais frequenta e convive”, diz. Depois do jardim, outra transição entrou na rotina do menino, com a entrada na Escola Classe e Escola Parque, com diferentes matérias e uma quantidade maior de crianças de diferentes idades. Juliana conta que, a partir desse contato com os estudos, o menino desenvolveu um gosto forte pela leitura e pela vontade de conhecer coisas novas a todo instante. No futuro, ela pretende estimular essa tendência, com atividades artísticas e esportivas complementares.

 

Vale lembrar que a criança está sempre aprendendo, independentemente do ambiente, e toda experiência pode ser transformada em aprendizado. Impulsionada por esse fato, a jornalista Lídia Neves busca aproveitar o melhor das férias e viagens em família com os filhos, Maria Tereza, de 7 anos, e Pablo, de 4. Para ela, as férias são a possibilidade de descansar e aprender de outras maneiras, possibilitando experiências diferentes: “É um momento em que podemos ensinar coisas novas e enriquecer o aprendizado deles”. O preparo para voltar às aulas acontece, geralmente, uma semana antes do período letivo na família de Lídia, que busca transmitir uma experiência positiva em relação à escola. “Acredito que um bom retorno está relacionado ao espírito de que a escola é algo tão bom quanto as férias”, conta. Em casa, os pais estão presentes na rotina escolar e o dever de casa é sempre acompanhado. “É uma oportunidade para os pais acompanharem e complementarem o que está sendo ensinado pelos professores.”

 

Segundo ela, o reencontro com o colégio se mostrou mais difícil durante a primeira infância, quando esse espaço se relacionava com a frustração e a saudade de passar menos tempo com os pais. “Noto que a maior dificuldade foi sempre essa, a saudade dos pais. Acho que a criança sente falta do ambiente com a família e a liberdade de casa”, diz. Lídia lembra que, a partir do 1º ano do ensino fundamental, a volta às aulas se tornou mais fácil para a filha Maria Tereza, que passou a esperar pelo reencontro com o ambiente da escola e os amigos que fez no local.

Para Lidia Neves, mãe de Pablo e Maria Teresa, as férias servem para descansar e viver experiências diferentes: 'É um momento em que podemos ensinar coisas novas e enriquecer o aprendizado deles', diz ela (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Para Lidia Neves, mãe de Pablo e Maria Teresa, as férias servem para descansar e viver experiências diferentes: "É um momento em que podemos ensinar coisas novas e enriquecer o aprendizado deles", diz ela
 

Marcos Leandro Morris, coordenador pedagógico do ensino médio no SEB Dínatos, lembra a importância da alimentação adequada na rotina. A ideia é diminuir a quantidade de alimentos industrializados e buscar a orientação de profissionais, como nutrólogos e nutricionistas, para que a rotina alimentar acompanhe o gasto de energia das crianças. “O ideal é uma alimentação rica em fibras, vitaminas, frutas e cereais”, diz. A família deve ficar atenta e buscar, sempre que possível, preparar a lancheira em casa, com um carboidrato, uma proteína e uma fruta, por exemplo. Marcos enfatiza ainda que, durante o período de férias, incentivar a leitura de livros diferentes daqueles utilizados na escola é sempre uma prática enriquecedora.

 

Esta é, aliás, uma das tradições na casa de Rócio Vásquez, professora de espanhol, mãe de Eduardo, de 12 anos, e Rodrigo, de 8. Ela e o marido, Antonio Vásquez, investem sempre em um novo livro para ser lido em conjunto pela família no mês de recesso. As atividades extracurriculares são vistas como um importante aliado no crescimento e desenvolvimento dos filhos, que mostram suas próprias preferências na hora de escolher as práticas: “Oferecemos várias opções e eles escolhem, assim trabalhamos também um senso de responsabilidade. É importante que os horários se encaixem de maneira tranquila no da escola, para manter a qualidade de vida”, destaca a professora. Para ela, o papel dos pais é mostrar que tudo deve ser feito pensando primeiramente na importância de ter tempo suficiente para estudar e descansar.

Rocío Vazquez com os filhos Rodrigo e Eduardo: na família da professora de espanhol, as atividades extracurriculares são vistas como um importante aliado no desenvolvimento das crianças (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
Rocío Vazquez com os filhos Rodrigo e Eduardo: na família da professora de espanhol, as atividades extracurriculares são vistas como um importante aliado no desenvolvimento das crianças
 

A volta às aulas é recheada de expectativas por parte tanto dos estudantes quanto da família, segundo Mariani Dias Galdino, assistente do núcleo psicopedagógico do Colégio Marista de Brasília. Ela lembra que esse é o momento de reencontrar amigos e conhecer novas pessoas, sendo essencial para ampliar o ciclo de amizades e aprender com os colegas. Mariani sugere que os pais criem em casa um quadro com as atividades diárias que serão desempenhadas, ajudando os filhos a perceber que precisam cumprir o que é proposto dentro de um tempo e um espaço. A pedagoga lembra que as atividades extracurriculares precisam compor a rotina da criança de forma significativa e ponderada. “A criança tem de perceber tranquilidade por parte da família. O abraço, o beijo de despedida e o tchau fazem parte dessa fase do desenvolvimento infantil”, afirma.

 

APRENDIZADO PRODUTIVO

Confira algumas dicas para aproveitar melhor o aprendizado e tornar a rotina escolar mais produtiva

 

â Estudar diariamente, e não apenas para as provas.

 

â Estabelecer um local adequado e horário para os estudos fora da escola.

 

â Revisitar o que foi aprendido na sala de aula.

 

â Anotar dúvidas e perguntar ao professor no dia seguinte.

 

â Montar uma grade de estudo diário.

 

âReforço extra para o aluno, como oficinas de alfabetização e letramento na educação infantil, aulas de apoio à aprendizagem no ensino fundamental e plantão de dúvidas para os alunos de ensino fundamental e médio.

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 67 | outubro