..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

COLUNA | NA MESA »

Na mesa: coluna traz as últimas informações gastronômicas da cidade

Entre as novidades, novo restaurante italiano comandado pelo chef Ronny Peterson

Julyerme Darverson - Publicação:11/09/2018 11:53

SAI O JAPONÊS, ENTRA O ITALIANO

“Essa será uma nova experiência”, é o que diz o chef Ronny Peterson, que deixou o comando da cozinha do Gero neste ano e agora está com novo projeto. Após 20 anos no Grupo Fasano, ele estará à frente do A Mano, novo restaurante italiano de Brasília. O conceito do empreendimento nasceu após uma conversa informal de Ronny com os empresários e sócios André Sampaio, Leandro Pompeu, Tiago Boita e Carlos Eduardo Rodrigues. Previsto para inaugurar ainda em 2018, o local escolhido é o endereço onde funcionava o Oma Japanese Experience, na 411 Sul. “A ideia de ser um italiano surgiu desde o início, quando recebi o convite dos sócios”, explica o chef. Em relação ao menu, o restaurante tem como proposta trazer um cardápio bem atrativo, principalmente em relação às receitas, com legumes orgânicos.  “A casa será um italiano bem moderno, mas com um cardápio que vai unir os clássicos com coisas mais atuais”, completa Ronny.

 (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
 

À BEIRA DO LAGO

Um novo empreendimento promete movimentar ainda mais a orla do lago Paranoá, próximo à Ponte JK. A região vai receber o complexo Yolo, um espaço que terá quatro andares e vai abrigar um café, um restaurante, um rooftop (com capacidade para até 150 pessoas), uma cozinha colaborativa, um auditório (para 45 pessoas), além de um coworking. O negócio é uma aposta da empresária Ana Cristina Alvarenga com os filhos Carol Alvarenga e Pedro Henrique Alvarenga. “O Yolo visa movimentar essa região, que é também um ponto turístico da capital. Nossa intenção é que tudo o que for produzido na cozinha colaborativa também seja vendido aqui”, conta Ana. O chef Dudu Camargo vai assinar o cardápio. “A escolha do Dudu se deve ao fato de ele, além de ter experiência, ser bem eclético em suas criações. Ele não trabalha apenas com uma linha de raciocínio gastronômica, e isso foi primordial para fazermos o convite”, destaca Ana. O Yolo tem previsão de inauguração em setembro.

 (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
 

TAMANHO FAMÍLIA

O Don Vito Lounge Bistrô, na 209 Sul, acaba de libertar saborosos hambúrgueres da prisão. O restaurante, inaugurado em 21 de abril – data que foi estrategicamente escolhida por ser o aniversário de Brasília e também de Roma, capital da Itália –, acaba de trazer novo cardápio de hambúrgueres. A linha é inspirada em nomes da máfia e no sistema penitenciário ítalo-americano. “Tentamos brincar e dramatizar sobre esses assuntos, que sempre surgem como interesses do público. Mas o nosso significado de máfia não vem do crime, mas do nosso conceito filosófico de união entre família e amigos”, diz o chef Giuseppe Modafferi (à esq.). “Como a cidade está em um momento bem positivo para os hambúrgueres, decidimos trazer essa ideia, com a possibilidade de o cliente criar o próprio sanduíche. Eles serão servidos no prato, para diferenciar da concorrência”, conta o gerente Tiago Peixoto. Entre as opções, o destaque é o Joe – The Boss (R$ 79): hambúrguer de 1 kg de patinho moído, com cheddar, muçarela, parmesão, bacon e tomate-cereja, que serve cinco pessoas e é uma verdadeira refeição.

 (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
 

CERVEJA E FUTEBOL

Trazendo o conceito norte-americano de sport bar, o Buddy Bar é o mais novo point da 413 Sul. Com decoração esportiva, a casa, que mescla bar e pub, mergulha na cultura gastronômica dos States com três ambientes distintos e 19 televisores espalhados pelo local, além de jogos eletrônicos e sinuca. O nome, inclusive, vem da cerveja americana Budweiser. “Criamos esse ambiente para que o cliente possa sentir-se à vontade e bater papo. Fomos buscar referências em sport bar internacional até chegar nesse conceito”, destaca o empresário Aci Carvalho. O cardápio traz assados, petiscos e grelhados. “Tive de trabalhar os clássicos americanos, mas não quis fazer uma cópia do que já existe. Então, peguei os clássicos e dei a eles a minha cara, deixando o cardápio mais versátil e com várias opções”, enfatiza o chef Tonico Lichtsztejn. Um das sensações da casa é o barbecue artesanal, feito à base de café, cerveja e rapadura, criação do chef. “Ele conseguiu conceber um cardápio que era a ideia que nós, sócios, queríamos para o bar”, afirma Aci. 

 (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press )
 

COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 67 | outubro