..
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

COLUNA »

Coluna Na Mesa traz informações da gastronomia em Brasília

Brasília ganhou um novo espaço LGBT: o Rainbow Gastrodrinks; Projeto Vai Té Chá ganha espaço físico; Vila Madalena Pizzaria agora abre para almoço; Conheça o novo point da cidade: Neblina Bar

Julyerme Darverson - Publicação:26/08/2019 14:20Atualização:03/09/2019 18:36

DIVERSIDADE

Neon, diversão e respeito à diversidade. Brasília ganhou um novo espaço: o Rainbow Gastrodrinks. Como o nome já sugere, o ambiente colorido como um arco-íris convida para nova experiência. “A proposta do Rainbow é tornar-se um ponto de referência e um local seguro e aconchegante que prega o respeito acima de tudo. Queremos nos tornar um ponto turístico que reflita a não discriminação na capital do Brasil”, explica o empresário Igor Macedo, que tem como parceiro na empreitada Emílio Neto, ambos com experiência na noite da cidade. Para criar a carta de drinques, a dupla convidou o premiado mixologista Rinaldo Honorato. São cerca 30 opções para beber, entre clássicos e autorais. “Temos um público que gosta de algo mais elaborado e marcante. Então iremos brincar um pouco com as novas tendências e fazer também releituras”, adianta Rinaldo. Entre as opções, Pabllo Vittar (espuma de frutas vermelhas, gim, suco de cranberry, licor de morango, perfume de lavanda e glitters comestíveis de diversas cores) e Madonna (Gin Pink, Skol Senses, xarope de amora, suco de limão, espuma, glitter comestível e flor comestível para decorar). Já as criações dos pratos ficaram a cargo do chef Heldo Santos. “O público é cativo e sempre busca por algo refinado. Criei um menu mais enxuto, com saladas, petiscos e pratos mais elaborados”, conta o chef.

 (Julio Cardia/Divulgação )
 

MAIS DO QUE UM CHÁ

Para compartilhar experiências e sabores: foi isso que motivou o músico Fabio Pedroza e a escritora Daya Sisson a abrir o ponto físico do Vai Té Chá, no espaço que antes funcionava a Casa Quilha, na 716 Norte. Fruto do projeto itinerante homônimo, que circula por diversos eventos da cidade desde 2014, a casa de chás é muito além de um espaço para provar a bebida. “O chá precisa de um processo de contemplação. Essa minha vontade de compartilhar os sabores, meus estudos e conhecimentos sobre os chás já não era mais suficiente só com os eventos”, explica Pedroza, que se formou sommelier de chás e viaja o mundo para conhecer e estudar mais sobre a bebida. O músico, que integrava a banda brasiliense Móveis Coloniais de Acaju, e a escritora passaram um ano maturando a possibilidade de abrir o próprio espaço. Funcionando em esquema de soft opening desde o fim de maio, a casa traz 250 tipos de chás e infusões (em microlotes) para tomar no local. “Alguns clientes gostam de ver o preparo e tirar suas dúvidas sobre a bebida. Nosso público é bem curioso e quer aprender mais sobre esse universo, e esse é o ponto interessante de ter esse espaço”, diz. No cardápio, a Vai Té Chá traz ainda salgados, doces e outros quitutes. “Comidinhas que são receitas de família, com histórias que nos acompanham e as quais queremos compartilhar com as pessoas”, afirma.

 (Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/DA Press)
 

DA PIZZA À CARNE

O restaurante Vila Madalena, na 413 Norte, antes exclusivamente de pizzas e com funcionamento noturno, agora amplia o serviço e passa a servir parrilla diariamente no almoço. As novidades são os diversos tipos de cortes e carnes vermelhas que entram no cardápio, como bife ancho, de chorizo, picanha, filé mignon e fraldinha, que custam entre R$ 45 e R$ 130. “Estamos ampliando nosso horário e investindo nesse conceito, trazendo cortes nobres para o almoço, oferecendo mais opções para o cliente”, explica Luiz Alves (à direita), um dos sócios da casa. Mas, para quem prefere uma proteína branca, o restaurante oferece ainda filé de frango grelhado, filé de tilápia e salmão grelhado, a partir de R$ 35. Completam o cardápio pratos como parmegiana de frango, de filé mignon, linguiça suína e de frango, com preços entre R$ 38 e R$ 82. “Essa variedade contempla os vários tipos de público, principalmente para quem quer comer acompanhado de familiares e amigos”, diz Reginaldo Soares, outro sócio do empreendimento. Na compra de uma das opções, o cliente tem direito a três guarnições, entre as 14 opções disponíveis.

 (Wallace Martins/Esp. Encontro/DA Press)
 

PARA OS AMIGOS

Jovialidade: esta é a palavra que define o ambiente descolado que acaba de abrir na 408 Norte. O Neblina Bar é um espaço feito por jovens para jovens. Inaugurado em maio, o bar é fruto da longa amizade entre Lukas de Sousa e Vinícius Godoy, ambos de 24 anos. “Por conta da nossa amizade e por frequentarmos espaços como este tínhamos esse desejo de empreender. Vimos nesse negócio a oportunidade de apostar as nossas fichas”, diz Lukas. “A proposta nunca foi ter uma megabalada, mas um lugar confortável, com bom atendimento e um ambiente que atraia amigos”, conta Vinícius. Os jovens abandonaram suas carreiras para investir no empreendimento: Lukas, contador de formação, deixou o trabalho de bancário, e Vinícius, o de educador físico. “Ser jovem ajudou no networking”, afirma Lukas. “Estamos saindo da zona de conforto. Nós nos completamos de uma forma inusitada”, afirma Vinícius. A casa serve diversos drinques, como caipiroska, nas opções limão, morango ou maracujá (R$ 13,90), caipirinha (R$ 11,90) e bebidas à base de gim. Entre os petiscos, destaque para o espetinho com fritas, nas opções filé, medalhão de frango, kafta, queijo coalho, coração de frango e medalhão de lombo (R$ 11,90).

 (Wallace Martins/Esp. Encontro/DA Press)
 

 

 

 

 


COMENTÁRIOS
Os comentários estão sob a responsabilidade do autor.

EDIÇÃO 74