CAPTAO DE RECURSOS

Marcelo Estraviz fala sobre causas e estmulo a doaes no Brasil

Em entrevista Fundao Assis Chateaubriand, escritor e ativista defende importncia de instituies se reinventarem por um mundo melhor


Publicao: 01/12/2015 18:45 | Atualizao: 04/12/2015 09:55

 (Arquivo pessoal/Marcelo Estraviz)
Um dos maiores defensores da cultura da doao no pas e autor de livros sobre o assunto, Marcelo Estraviz vem escrevendo uma histria importante na mobilizao de organizaes da sociedade civil pela captao de recursos. Fundador da Associao Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) e presidente do Instituto Doar, ele acredita que o aumento do montante doado permite realizar mais aes, investir na profissionalizao do terceiro setor e ampliar a defesa e a legitimidade das causas.

Em entrevista Fundao Assis Chateaubriand, Marcelo lembrou que possvel ampliar o nmero de 35 milhes doadores no Brasil, assim como dobrar o valor arrecadado com pessoas fsicas, que de cerca de R$ 5,5 bilhes ao ano e supera o investimento em aes de empresas para filantropia. Para ele, a fora das pessoas normais doando pequenos dinheiros fundamental para a rea social. Confira:

Como possvel ampliar a cultura da doao no Brasil?

As pesquisas so elementos importantes para avaliarmos se estamos indo num caminho bom e para vermos se estamos indo bem na campanha pela cultura de doao. H vrias pesquisas qualitativas e quantitativas sendo realizadas. Estamos comeando a obter os dados que precisamos para acompanhar e fazer melhorias.

Outro ponto importante so as campanhas. O Dia de Doar um dos braos de ampliao da cultura de doao no pas. Funciona como uma provocao, uma vez por ano, para as pessoas pensarem em como doar nos outros dias tambm. Gera um efeito simblico de doar. E tudo isso, para qu? Com pesquisas e campanhas, colocamos na prtica mais dinheiro no setor. Um dado mostra que temos 35 milhes de doadores no Brasil. Somando o que as pessoas fsicas, doam, so R$ 5,5 bilhes no Brasil.

um nmero significativo, maior do que as empresas, assim como no mundo inteiro. O dinheiro pequeno das pessoas comuns, somado, muito maior do que o montante que as empresas doam de filantropia. Se consigo dobrar esse nmero, consigo R$ 5 bilhes novos para o segmento social. S para se ter uma ideia, o dficit do pas de R$ 30 bilhes. A gente consegue um sexto disso s com a fora das pessoas normais dando pequenos dinheiros para rea social.

O Dia de Doar est nesse contexto. uma ao estratgica para fazer com que os brasileiros percebam que sua contribuio importante. Os R$ 10 que a pessoa doa vo fazer diferena. Seja doando em dinheiro, seu tempo, sangue, materiais. O ato de doar fazer parte do nosso cotidiano. essa experincia de doar que a gente quer trazer para as pessoas.

De que maneira as pessoas podem perceber que fazem a diferena?

Somos protagonistas. As nossas pequenas aes cotidianas mudam o mundo. O fato de fazer uma doao de sangue parece pouco, mas quando voc v os resultados, quantas pessoas tiveram as vidas salvas por causa das doaes, a sensao de protagonismo muito forte. Faz muito bem para quem doa, no s para quem recebe. Causa uma sensao de pertencimento, voc se sente grato pela oportunidade de fazer aquilo.

Tudo isso gera um modelo mental diferente. Em geral, as pessoas esto passivas de dizer que os problemas e solues esto nos outros, que a culpa dos governos, dos vizinhos, no sua. Quando a gente orienta atos voluntrios, voc parte da soluo. Esse sentimento gera mudana de mundo. Quando se est passivo do processo, pensa-se que os problemas gigantes precisam de um super-heri, mas podem ser resolvidos por pessoas comuns. So pessoas comuns fazendo coisas extraordinrias. Esse um efeito importante para as pessoas sentirem.

O que as organizaes da sociedade civil podem fazer para melhorar sua captao?

As organizaes sociais podem aprender muito nesse processo. De forma associada, quando conseguem esse esforo em campanhas, esto aprendendo a captar melhor. O esforo concentrado no Dia de Doar gera um resultado melhor. um aprendizado. Para as pessoas comuns, serve para saber que se pode doar durante todo o ano. Nos Estados Unidos, est se percebendo a fora desses giving days, muito em funo do Giving Tuesday. As experincias mostram que, em vez de campanhas soltas no ano, melhor concentrar os esforos em um dia, para uma grande arrecadao, mobilizando toda a sociedade. Esse modelo de concentrao de energia gera mais resultados.

Voc costuma defender que as aes organizacionais no mais convencem as pessoas. E afirma que somente convence o que faz sentido, com causas bem definidas. O que preciso fazer para que as instituies percebam isso e se reinventem?

So as causas que nos movem, quando ditas por pessoas comuns. A gente se inspira quando um amigo, um familiar nos diz. As questes mais burocrticas, textos fakes, publicidade bonita no convencem mais. Mesmo na publicidade, o uso da contao de histrias (storytelling), faz a gente acreditae mais. O que nos move cada vez mais vai ser focado no que outro fez. Na Espanha, h uma campanha todo ano para ampliar nmero de doadores, com 20 a 30 organizaes juntas. Ela totalmente concentrada em filmar depoimentos de doadores. So doadores convidando outras pessoas a doar.

A melhor forma de convencer pessoas a doarem por experincia prpria. Vamos viver de que forma, se no por causas? Podemos viver por dinheiro, mas isso insuficiente. O que nos move so as causas. Alm de ter o meu dinheiro e as minhas coisas, vou ajudar pessoas, melhorar a desgraa, coisas que nos fazem sentido para a vida, que tenham um propsito. Algo que nos faa brilhar o olho. As causas que mais inspiram os brasileiros a doar, segundo pesquisas, so crianas (33%), idosos (18%), sade (17%) e educao (7%). As organizaes precisam descobrir o que passa na cabea do doadores, por que eles doam, quais so as motivaes e como replicar essas motivaes.

 

 

 

 

 

 

> Acompanhe as novidades nas redes sociais:

www.facebook.com/fundacaoassischateaubriand

www.twitter.com/FAChateaubriand

www.linkedin.com/company/fundao-assis-chateaubriand